20 estratégias para seu cérebro lidar melhor com a depressão
20 estratégias para seu cérebro lidar melhor com a depressão

20 estratégias para seu cérebro lidar melhor com a depressão

publicidade Não é fácil ajudar uma pessoa que está com depressão. Mais difícil ainda é quando essa pessoa é você mesmo. Embora a depressão tenha diversas causas possíveis, em uma mistura de inclinação genética e estressores ambientais, você não precisa apenas se conformar com o que está acontecendo. No dia a dia, a cada instante, […]

publicidade

Não é fácil ajudar uma pessoa que está com depressão. Mais difícil ainda é quando essa pessoa é você mesmo.

Embora a depressão tenha diversas causas possíveis, em uma mistura de inclinação genética e estressores ambientais, você não precisa apenas se conformar com o que está acontecendo.

No dia a dia, a cada instante, é possível realizar pequenas transformações na rotina para que ela se torne mais agradável e estimule seu cérebro a continuar trabalhando em busca da felicidade verdadeira.

publicidade

1- Pratique mindfulness

Por que você faz o que faz? Mindfulness, ou atenção plena, é sobre prestar atenção ao momento presente, sem se deixar levar por distrações. É também não renegar a negatividade, mas observá-la sem julgamentos até que ela desapareça.

Ao perceber um pensamento negativo, pergunte-se: por que ele está aqui? O que fez com que ele aparecesse? Se for recorrente, pergunte-se: por que ele sempre vem?

Imagine cada pensamento negativo como um personagem caminhando em câmera lenta pela tela da sua mente. Ele puxa conversa, mas não dialogue com ele; deixe que ele desista de entrar em contato e vá embora.

2- Expresse suas emoções

Você não precisa de um milhão de amigos ou ser transparente com todos que conhece, porém escolha compartilhar suas emoções de alguma forma. Se você se sentir mais confortável utilizando mensagens de texto, faça isso.

publicidade

Prefere se expressar por meio da arte? Pinte, escreva, faça bordados. É bom em algum esporte? Canalize suas emoções para ele (nesse caso, tome cuidado com o excesso de competitividade).

Se se sentir mais confortável com desconhecidos que com conhecidos, puxe conversa com quem não conhece (mas também leve esse assunto para a terapia, pois é primordial estabelecer laços afetivos duradouros para superar uma depressão).

3- Faça atividade física

Você odeia academia? Ande pelo bairro. Suba as escadas do seu prédio. Alongue-se com a ajuda de um aplicativo. Nade na piscina do seu condomínio.

Colocar o corpo para trabalhar faz com que a ansiedade comprovadamente baixe e libera endorfinas, que ajudam a lidar com a dor emocional.

publicidade

Um fator muito importante é a regularidade. Invista em uma atividade que você goste de fazer, para que ela se torne um hábito e não um suplício.

4- Tenha um diário de gratidão

Essa prática surgiu com um psicólogo que pretendia melhorar o bem-estar de soldados americanos que apresentavam estresse pós-traumático. Escrever uma vez por dia motivos pelos quais você pode ser grato fará com que a sua resiliência psicológica aumente.

Na prática, isso significa que você estará mais protegido dos impactos de eventos negativos quando eles ocorrerem.

5- Cuide do seu sono

Dormir mal é um dos principais fatores desencadeadores de depressão, embora poucas pessoas se deem conta disso. Sem dormir bem, seu corpo não se reorganiza adequadamente para o dia seguinte, de maneira que a sua irritação se eleva diante das situações mais esdrúxulas.

Os sonhos, por exemplo, são uma parte importante do sono profundo e servem para que nossas memórias funcionem a contento.

Sem esse processamento, você estará empilhando suas vivências em uma espécie de “quarto de entulhos” que trará surpresas desagradáveis mais tarde.

6- Aprecie obras de arte

A apreciação da beleza tem um papel regenerador comprovado pela ciência. Por meio da cultura, podemos nos identificar com aqueles que viveram em épocas anteriores a nós e que passaram por dilemas existenciais semelhantes. A arte permite que você identifique que não está sozinho em seus sentimentos.

Intervenções com o uso a arte são benéficas, inclusive, para alimentar laços sociais (uma vez que frequentemente as pessoas buscam discutir o que apreciaram) e possibilitam o contato mais estreito com o próprio eu.

7- Identifique seu propósito de vida

É um bom momento para você conhecer, ou começar a praticar, a ikigai. Essa é uma técnica oriental em que, em uma única mandala, você identifica como seus desejos, sua vocação e sua contribuição para o mundo se inter-relacionam.

Com a ikigai, seu propósito de vida deixará de ser uma abstração e tomará uma forma prática, lógica e realizável. Além de ajudar si mesmo, você saberá como ajudar os outros com os talentos que você tem.

8- Dance as suas músicas preferidas

Mesmo quem detesta atividade física provavelmente adora dançar ao som de certas músicas. Você pode aproveitar isso para mexer seus músculos e, com isso, estimular a síntese de proteínas que são essenciais para que seu cérebro funcione bem.

Priorize músicas animadas, que elevem o seu humor, ao invés de deixá-lo triste. Por mais que algumas canções tristes sejam definitivamente belas, elas não o ajudarão nesta empreitada, então deixe-as para outra ocasião.

9- Assista a filmes de comédia

Não é necessário que seja uma “comédia pastelão” – você pode encontrar até filmes cult de comédia em plataformas de streaming, como Netflix e Amazon Prime. O importante é que sejam filmes que façam rir.

Escolha sinopses que de alguma forma o empolguem ou títulos que contem com atores com os quais você se identifica. Isso ajudará no seu engajamento, ou seja: a não dormir no filme!

10- Vá a locais diferentes do que está habituado

Um fator crucial para o enfrentamento da depressão é a mudança de ambiente. Alguns tipos de depressão são desencadeados quando tentamos nos adaptar a um ambiente que não nos acolhe e, aos poucos, perdemos de vista quem verdadeiramente somos.

Por isso, experimente visitar locais que nunca foram sua prioridade antes. Mude seu trajeto de casa para o trabalho. Coma em restaurantes diferentes. Povoe o seu mundo com informações novas.

11- Ajude outras pessoas sem esperar nada em troca

O altruísmo é, cientificamente, uma fonte de compensação, desde que seja praticado de forma verdadeira. Isso implica em fazer o bem pelo bem em si, não para acumular favores a serem cobrados no futuro.

Escolha uma forma de exercitar seu altruísmo e invista nela. Vincule-se a algum trabalho voluntário, associe-se a uma causa, crie uma página de internet para ajudar alguém.

12- Sorria mesmo se não tiver vontade

Os benefícios do sorriso são tão contagiantes que até mesmo o sorriso forçado é capaz de liberar substâncias que contribuem para um cérebro mais feliz.

A ideia é que, com o tempo, você consiga sorrir naturalmente enquanto fala, o que dará uma nova linguagem corporal à sua postura.

O sorriso ainda melhora os sistemas imunológico, cardiovascular e respiratório, aliviando a tensão e ampliando a sensação de bem-estar.

13- Jogue fora tudo o que não serve mais

A depressão pode ser decorrente do acúmulo de informações, de tarefas, o que frequentemente se reflete em um excesso de aparatos físicos ao seu redor.

Conheça e pratique o essencialismo. Tenha apenas o necessário para levar uma vida satisfatória e libere espaço na sua rotina para viver experiências recompensadoras. Muitos objetos, muitas pessoas e muita bagagem emocional são sinônimos de muita frustração.

14- Planeje um futuro possível

Ao planejar e antever um futuro que você sabe que conseguirá atingir, é liberada uma quantidade de dopamina no cérebro que o mantém motivado para continuar tentando. Essa estratégia simples é a grande responsável por pessoas realizadoras não desistirem nunca de seus objetivos.

Você pode pensar que esse é apenas um truque para enganar a central do seu corpo – e é, inicialmente. Porém, com o passar do tempo, você se acostumará a fazer isso e implementará esse hábito, que também é conhecido como otimismo aprendido e traz diversos benefícios para a saúde, notadamente uma expressiva longevidade.

15- Cozinhe para alguém

Cozinhar para si mesmo pode ser um fardo, entretanto cozinhar para alguém nutre a atividade de ir para a cozinha com um propósito diferente: unir pessoas.

Pense em cada ingrediente com carinho, separe cada item, esteja inteiramente presente em cada momento de preparação do alimento.

Quando estiver reunido com seu convidado, deguste o prato sem pressa, refletindo sobre todo o caminho que percorreu do início da receita até ali e em suas intenções ao cozinhar.

Esse processo é conhecido como mindful eating e traz benefícios por impedir que esses instantes de conexão com o próximo sejam invadidos por toques de celular, emoções desordenadas e demais estresses da vida cotidiana.

16- Liste todas as suas pequenas e grandes realizações.

Você se lembra de todas as vezes que foi útil para algo ou alguém? É comum que nos esqueçamos disso. Cada gesto negativo é lembrado com muito mais intensidade que os gestos positivos.

Portanto, escreva, para cada vivência negativa de que se lembre, três vivências positivas. Considere todas as pequenas realizações, por menores que sejam, e celebre-as.

17- Abrace sempre que puder

O abraço libera oxitocina no sangue e contribui para fortalecer o afeto entre as pessoas. Não é preciso sequer que você abrace pessoas com as quais tem proximidade – o que vale é o contato físico!

Abrace sem pressa. Sinta o calor, o toque, a pressão do seu corpo e do corpo da outra pessoa. Cultive a coragem de se expressar por meio de abraços. O seu cérebro agradecerá em forma de bem-estar.

18- Faça e receba massagens

Uma variação da estratégia do abraço é fazer e receber massagens. Aqui contam também as massagens realizadas por especialistas; mais uma vez, o que vale é o contato físico com outra pessoa, a conexão que se estabelece.

Não se preocupe com rótulos. Não importa qual o estilo de massagem que você prefira.

19- Use com sabedoria suas redes sociais

Mostre em suas redes sociais os projetos que você já desenvolveu ou pretende desenvolver. Deixe que as pessoas conheçam a sua criatividade.

Poste uma foto diferente a cada dia ou a cada semana. Invente novos desafios fotográficos ou textuais – você também pode postar seus textos ou pinturas, por exemplo.

Por outro lado, deixe de seguir qualquer pessoa que faça você se sentir mal com sua aparência ou com quem você é.

20- Busque terapia e acompanhamento médico

É essencial que, além das estratégias de enfrentamento, você busque um psiquiatra e um psicólogo. Converse com eles sobre os problemas que o afligem, abra-se sobre os temas que não costuma conversar com ninguém.

Não se isole em seus próprios pensamentos. Entenda que alguém externo terá uma nova perspectiva para lhe apresentar sobre os problemas que você considera insolúveis.