Aprender a fazer ESSE croissant transformará seu cardápio diário
Aprender a fazer ESSE croissant transformará seu cardápio diário

Aprender a fazer ESSE croissant transformará seu cardápio diário

Pronto para sair da rotina?

publicidade

Muitos acreditam que o croissant é uma receita essencialmente francesa.

Porém, suas origens remontam ao cerco otomano a Viena, capital da Áustria.

Na verdade, a Áustria é o verdadeiro berço dos mais famosos doces que compõem o café da manhã da França.

publicidade

A origem do croissant

A saga do croissant moderno começou em 1683, quando os invasores turcos tentaram abrir um túnel sob as muralhas de Viena durante o cerco otomano à cidade.

Felizmente, os padeiros que trabalhavam durante a noite ouviram os sons dos turcos cavando e alertaram os guardas.

O rei João III da Polônia chegou a tempo de derrotar os turcos.

Após a derrota otomana, de acordo com alguns relatos, os padeiros austríacos queriam comemorar sua vitória…

publicidade

… criando um pão doce que simbolizasse a lua crescente que aparece na bandeira turca.

Eles chamaram o pão de kipferl (lua crescente).

Para os austríacos, comer um kipferl era uma espécie de vingança culinária, uma lembrança da vitória sobre os turcos.

Eles “comiam” o inimigo.

publicidade

Quando o croissant se tornou uma iguaria francesa?

O kipferl chegou à França em 1770, quando a austríaca Maria Antonieta foi oferecida em casamento ao futuro Luís XVI.

Maria Antonieta sentiu saudades de casa quando chegou à França.

Ela sentiu falta da culinária austríaca.

Os padeiros reais decidiram fazer algumas receitas em sua homenagem, inclusive o kipferl.

Entretanto, eles o chamaram de croissant (crescente).

O sucesso do pãozinho austríaco

Aos poucos, o croissant ficou mais famoso e começou a se espalhar pela França.

Em 1839, meio século após a Revolução Francesa, um padeiro austríaco chamado August Zang foi o primeiro a abrir uma padaria vienense em Paris.

A padaria de Zang fez grande sucesso e inspirou muitos outros padeiros franceses a imitar a massa.

O talento de Zang para o marketing, por meio de anúncios em jornais e vitrines elaboradas, fez com que os parisienses se aglomerassem em seu estabelecimento para provar seus croissants.

Seu forno a vapor patenteado usava feno úmido para dar aos pães um brilho lustroso.

Zang vendeu sua padaria alguns anos depois, voltou para a Áustria e fundou o primeiro jornal diário do país, acumulando uma fortuna nos setores bancário e de mineração.

Mas os parisienses não haviam esquecido os croissants. Então, outros padeiros começaram a adicionar mais manteiga às suas obras-primas.

Em poucas décadas, o pãozinho estava firmemente enraizado como um alimento básico do café da manhã francês.

Uma outra versão da lenda

Há quem diga que o kipferl já existia muito antes do cerco otomano a Viena.

Um poema o menciona como uma das guloseimas de Natal que os padeiros vienenses ofereceram ao duque Leopold em 1227.

Os pães em forma de lua em geral datam de séculos antes. O que parece uma novidade, de fato, é a quantidade de manteiga que foi adicionada à massa, não apenas o seu formato.

Se você está curioso para conhecer a receita típica francesa, acompanhe e ponha em prática a receita abaixo!

Receita de Croissant francês legítimo

Ingredientes

  • 1 ¼ colher de chá de fermento biológico seco
  • 3 colheres de sopa de água morna
  • 1 colher de chá de açúcar branco
  • 1 ¾ xícara de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de açúcar branco
  • 1 ½ colher de chá de sal
  • ⅔ xícara de leite morno
  • 2 colheres de sopa de óleo vegetal
  • ⅔ xícara de manteiga sem sal gelada
  • 1 ovo
  • 1 colher de sopa de água

Como fazer croissant?

  1. Combine o fermento, a água morna e 1 colher de chá de açúcar. Deixe repousar até ficar cremoso e espumoso.
  2. Coloque a farinha em uma tigela.
  3. Dissolva 2 colheres de chá de açúcar e sal no leite morno.
  4. Misture na farinha junto com o fermento e o óleo.
  5. Amasse até ficar homogêneo.
  6. Cubra e deixe crescer até triplicar de volume, por cerca de 3 horas.
  7. Fure a massa suavemente para tirar o ar e deixe crescer novamente até dobrar de tamanho, cerca de outras 3 horas.
  8. Fure a massa suavemente de novo e leve à geladeira por 20 minutos.
  9. Manipule a manteiga até ficar maleável, mas não líquida.
  10. Coloque a massa em uma bancada polvilhada com farinha.
  11. Abra bem a massa com um rolo.
  12. Com uma faca ou espátula, espalhe uma camada de manteiga sobre metade da massa.
  13. Dobre a massa para cobrir a parte com manteiga.
  14. Com o rolo, estique novamente a massa.
  15. Dobre a parte inferior até o centro e faça o mesmo com a parte superior.
  16. Envolva com plástico-filme e leve à geladeira por 1 hora.
  17. Retire a massa da geladeira e abra-a.
  18. Dobre a parte inferior até o centro e faça o mesmo com a parte superior.
  19. Envolva com plástico-filme e leve à geladeira por 1 hora pela segunda vez.
  20. Retire a massa da geladeira e abra-a.
  21. Corte a massa em triângulos com a ajuda de uma faca ou um raspador de massa.
  22. Enrole os triângulos de massa sobre si mesmos, coloque-os em uma assadeira forrada com papel-manteiga e leve-os à geladeira por 2 horas.
  23. Preaqueça o forno a 180 graus.
  24. Retire os croissants da geladeira e pincele-os com um ovo batido com uma pitada de sal.
  25. Leve-os ao forno na grade de cima.
  26. Na grade de baixo, deve estar uma assadeira com 50 ml de água, já preaquecida.
  27. Asse por 15-20 minutos ou até dourar.

O croissant no mundo

Quando você pensa em um croissant fresco e crocante, provavelmente em sua mente surgem imagens de Paris.

Uma manhã preguiçosa em frente à Torre Eiffel, uma pequena mesa redonda, lendo jornal, com uma xícara fumegante de café com leite e, claro, aquele croissant quente e amanteigado…

Crocante por fora, leve e fofo por dentro…

Mas, aquele croissant que você degusta enquanto olha encantado para a Torre Eiffel… Não é francês.

É austríaco!

Sua versão parisiense, porém, foi feita com mais manteiga e se popularizou em alta velocidade.

Hoje, o alcance do croissant vai longe, com Brasil, França, Áustria, Argentina, Itália, Polônia, América, Austrália e muitos outros países tendo variantes notáveis ​​e deliciosas da receita original.

O croissant não é apenas uma parte da história, é a história.

Trata-se de uma deliciosa adição a qualquer menu, quer seja servido como um lanche independente ou recheado com ingredientes gourmet!