Após ser humilhado por instrutor, autista estuda direito e processa academia

Ele decidiu fazer justiça com suas próprias mãos.

Quando Ketan Aggarwal, um londrino de 30 anos com autismo, foi ridicularizado por um instrutor da academia Virgin Active, onde treinava, ele decidiu fazer justiça com suas próprias mãos.

Apesar de pertencer a uma grande rede de academias, parece que o staff da Virgin não está preparado para lidar com uma das partes mais importantes do nosso corpo: o cérebro.

Por que ridicularizar o outro diverte algumas pessoas?

Eu, sinceramente, não consigo encontrar sentido na conduta de pessoas que se divertem ridicularizando os outros.

Seria algum trauma reprimido da infância? Insegurança? Falta de amor próprio?

Mas, depois de ser chamado de “idiota” várias vezes e censurado ao pedir para trocar uma música na aula de Spin, pelo mesmo funcionário, Aggarwal decidiu fazer uma queixa oficial.

Infelizmente, a reclamação, a princípio, foi ignorada pelo estabelecimento.

Então, ele dedicou-se dois anos à leitura das leis, levou a academia à Justiça e saiu vitorioso.

O rapaz acabou recebendo da academia o valor de £ 1.390 (o que equivale a aproximadamente R$ 5.380,00) e um pedido de desculpas por escrito.

Já o personal (que de pessoas aparentemente não entende nada) foi demitido.

“Quando uma pessoa discrimina alguém com uma deficiência mental, ela não imagina que vai ser legalmente punida (…)”, afirmou publicamente Aggarwal. “Foi incrível ganhar.”

O autismo não faz a vida de Ketan pior nem melhor. Sua condição não dá direito a ninguém de ridicularizá-lo.

Nós também ficamos felizes pela vitória de Aggarwal, pois ela representa não apenas um ganho individual, mas um passo para a justiça como um todo e para todos.

Você concorda?

Compartilhe esta notícia com seus amigos e familiares.

Fonte: boredpanda.com

publicidade