in

A filosofia “Não Posso Reclamar”: como o estoicismo pode elevar sua vida

Reconhecer um hábito de autossabotagem é metade da batalha quando se trata de mudá-lo. Então, respire fundo e bata nas costas: Você está indo muito bem.

Se eu pareci áspero neste artigo, é porque eu percebo que as pessoas muitas vezes precisam de um pouco de “amor durão” para tirá-las de uma espiral descendente.

É muito difícil superar a tendência inata da sua mente de perceber a falta ao seu redor e desejar coisas que você não tem atualmente. Mais uma vez, a maioria de nós está presa nessa armadilha, em graus variados.

Ao trabalhar para se libertar, a autocompaixão é essencial. Seja gentil consigo mesmo, ria das suas fraquezas, celebre suas vitórias e não se abata quando vacilar.

Se a autocompaixão é um problema para você, considere o desafio do nosso Buda em nosso curso, 30 Desafios para a Iluminação.

Círculo completo: A Filosofia “Não Posso Reclamar”

Uau, foi muita coisa.

Me dê um segundo para recuperar o fôlego.

OK. Legal.

Agora…
Vamos voltar para onde começamos e falar sobre o poder do ato despretensioso de dizer a alguém que você “não pode reclamar” quando lhe perguntar como você está.

Agora você pode ter uma boa ideia do que vou dizer.

Quando digo a alguém que “não posso reclamar”, é um lembrete das importantes lições que tirei dos estoicos sobre a natureza venenosa da reclamação e a importância de se alegrar com o que é.

É um lembrete para praticar a visualização negativa e amor fati, a fim de lembrar que eu realmente não posso reclamar quando considero quantas bênçãos eu tenho.

Ao contrário, quando eu penso sobre tudo que me foi dado e como me sentiria se perdesse tudo o que amo, tudo o que posso fazer é me alegrar e agradecer à natureza por seus muitos favores.

Thank you for reading!

Awebic

Publicado por Awebic

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 crenças espirituais que provavelmente são besteiras

As 50 melhores citações de viagem para inspirar o viajante moderno