Esta cidade florestal inteligente em Cancun pretende ser 100% autossuficiente

Esta cidade florestal inteligente recém-projetada em Cancun, no México, pretende ser totalmente autossustentável

publicidade

Stefano Boeri Architetti, o estúdio famoso por projetar florestas verticais incríveis na Suíça e na China, está de volta com outro projeto ambicioso – uma cidade florestal inteligente em Cancun, México.

Os arquitetos dizem que a nova cidade terá uma área de 557 hectares, 70% da qual será coberta por espaços verdes e receberá 130.000 habitantes. 7,5M de árvores e arbustos, escolhidos cuidadosamente pela botânica e paisagista Laura Gatti, serão plantados nas áreas verdes. 

publicidade

“A Smart Forest City vai absorver 116.000 toneladas de dióxido de carbono com 5.800 toneladas de CO2 abastecido por ano”, afirmam os criadores do projeto.

Esta cidade florestal inteligente recém-projetada em Cancun, no México, pretende ser totalmente autossustentável

O projeto destaca a importância da sustentabilidade e tem como objetivo tornar a cidade totalmente autossustentável.

publicidade

“Graças à contribuição do escritório alemão Transsolar, a Smart Forest City – Cancun foi concebida para ser completamente autossuficiente em termos de comida e energia”, escreve o estúdio.

“Cercada por um anel de painéis solares e campos agrícolas irrigados por um canal de água conectado a um tubo marítimo subaquático, a cidade será profundamente caracterizada por uma economia circular completa”.

Outro elemento chave do projeto, segundo os arquitetos, é a água. Ela seria reunida em uma enorme bacia na entrada da cidade, onde ficaria uma torre de dessalinização.

publicidade

A água seria então distribuída aos moradores por um sistema de canais. A cidade também terá uma série de jardins aquáticos que ajudarão a combater as inundações.

“Graças aos novos parques públicos e jardins privados, graças aos telhados verdes e às fachadas verdes, as áreas ocupadas serão devolvidas à natureza através de um equilíbrio perfeito entre a quantidade de áreas verdes e a planta de construção”, disse Stefano Boeri Architetti em uma entrevista com Dezeen.

Tecnológica e sustentável

O estúdio afirma que a Smart Forest City poderia ser “pioneira em um novo tipo de assentamento humano”. “O gerenciamento de big data é usado para melhorar a governança da cidade e, portanto, a vida de seus cidadãos”, diz o estúdio.

Com a ajuda de sensores, os dados sobre a cidade seriam coletados, analisados e usados para ajudar os moradores. 

“Os fluxos de energia são monitorados, a fim de sugerir aos usuários certas medidas de energia. Por exemplo, operar suas máquinas de lavar ou lava-louças durante condições de pico de geração, a fim de obter uma taxa de energia mais barata e, ao mesmo tempo, apoiar o gerenciamento de energia dos sistemas mecânicos”, explica Stefano Boeri Architetti.

Outra coisa que será implementada na cidade será algo chamado MIC, ou Mobilidade em Cadeia. Isso significa que residentes e visitantes poderão deixar seus veículos nos limites da cidade e usar o transporte elétrico interno para se deslocar.

A Smart Forest City pretende se tornar um centro de pesquisa e incluirá moradias populares para estudantes e professores.

“A ideia por trás desse projeto é criar um distrito dedicado à pesquisa e inovação (os campos serão: biologia molecular, robótica, TI, etc.) “

“Instituições acadêmicas e centros de pesquisa se reunirão, junto com grandes empresas multinacionais e pesquisadores de todo o mundo”, afirmam os arquitetos.

Você precisa concordar que tudo isso parece muito ambicioso – mas Stefano Boeri já nos surpreendeu antes. Vamos torcer para que possamos visitar esta cidade utópica e sustentável em um futuro próximo!