in , , , ,

Crescer em uma casa cheia de livros é bom para você, confirma novo estudo

As pessoas que compram mais livros do que podem ler agora podem usar a ciência para justificar seus gastos.

De acordo com relatórios do Pacific Standard, novas pesquisas confirmam que as pessoas que crescem com livros em casa tendem a ter maior compreensão de leitura e melhores habilidades matemáticas e de comunicação digital.

Mas quantos livros são suficientes para fazer a diferença?

O número mágico parece estar acima de 80, de acordo com uma equipe de pesquisadores liderada pela professora de sociologia Joanna Sikora, da Universidade Nacional da Austrália.

Aqueles que tinham cerca de 80 livros em casa tendiam a ter uma pontuação média de alfabetização — definida como “a capacidade de ler efetivamente para participar da sociedade e alcançar objetivos pessoais”.

Por outro lado, quem tinha menos de 80 livros estava associado à alfabetização abaixo da média.

O grau de instrução continuou aumentando enquanto o número de livros crescia até atingir cerca de 350, ponto em que as taxas de alfabetização se mantiveram estáveis.

Como as descobertas aconteceram

efeitos biblioteca em casa cheia de livros

Adicionar APP Awebic

As descobertas são baseadas em pesquisas abrangentes realizadas entre 2011 e 2015 pelo Programa Internacional de Avaliação de Competências. Os entrevistados tinham entre 25 e 65 anos e eram de 31 países — nenhum do Brasil.

Primeiro, eles foram solicitados a estimar quantos livros eles tinham em casa quando tinham 16 anos de idade.

Depois de vasculhar seus cérebros em busca de uma imagem mental de suas bibliotecas infantis, eles foram testados para compreensão de leitura, compreensão de conceitos matemáticos comuns e capacidade de usar a tecnologia digital como ferramenta de comunicação.

Willian Binder

Written by Willian Binder

Fundador do Awebic. Acredita numa internet mais amigável. ;-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pessoas inteligentes dormem tarde, falam palavrão e são bagunceiras, diz novo estudo

A tripofobia (o medo de buracos) pode não ser uma verdadeira fobia