in , , ,

Este curta-metragem mostra como a sociedade mata a nossa criatividade

Desde o momento em que nascemos, existe uma série de condicionamentos pelos quais devemos passar – voluntária ou involuntariamente – para podermos nos relacionar socialmente com as pessoas.

Primeiro, recebemos os valores dos nossos pais e reproduzimos o comportamento de quem nos cerca, pois toda relação serve de espelho para nos conhecermos mais e melhor.

Depois, somos matriculados no sistema escolar, e se tivermos sorte, encontraremos professores amorosos em escolas acolhedoras.

No entanto, infelizmente, a maioria dos centros educacionais reproduzem um modelo de ensino arcaico, no qual habilidades artísticas e criativas são postas em segundo plano em detrimento do raciocínio lógico, memorização de teorias e aprovações em vestibulares.

É claro que as competências sistemáticas são tão importantes quanto as artísticas.

O problema é quando percebemos – ainda adolescentes – que o sistema como um todo tende a reforçar a ideia de que só obteremos sucesso se seguirmos uma carreira profissional corporativa ou acadêmica.

Nesse sentido, os animadores espanhóis Daniel Martinez Lara e Rafa Cano Mendez se uniram para retratar tal questão em um curta-metragem sensacional!

Curta metragem Alike

Adicionar APP Awebic

São apenas oito minutos de uma rotina entre pai e filho que reflete não só as imposições que o sistema nos faz enquanto cidadãos, mas também o que se espera de nós enquanto pais.

Espero que o Alike tenha tocado seu coração tanto quanto o meu, e que esses minutinhos possam te ajudar a reavaliar suas escolhas diárias e, claro, colorir o seu dia!

Transforme o dia de alguém que você ama com esse curta-metragem! Compartilhe!

Letícia Flores

Written by Letícia Flores

Letícia, do latim "alegria". Redatora, professora e inventadora. Escreve e dá aulas de italiano por paixão; produz conteúdo por profissão. Que sorte a desta menina, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O mar dessa região secou e um incrível cemitério de navios veio à tona

Os melhores (e mais doloridos) ensinamentos que 2017 me trouxe