Quer mais tempo? Livre-se da maneira mais fácil de desperdiçá-lo

Entenda como nossos hábitos de mídia social foram criados.

publicidade

Para o mês de maio, viajei no tempo de volta para 2007, quando as plataformas de mídia social ainda eram apenas sites que você visitava. Eu removi o Facebook, Twitter e Reddit do meu celular.

Durante todo o mês, se eu quisesse usar essas plataformas, eu teria que fazer login manualmente na minha mesa.

Esta decisão veio depois de experimentar um “momento através do espelho”, enquanto ouvia uma entrevista com Tristan Harris, ex-“eticista de design” do Google.

publicidade

Eu sempre soube que era fácil perder tempo com as mídias sociais, mas eu não tinha entendido que os nossos hábitos de mídia social foram criados.

Os grandes serviços são projetados para explorar nossas vulnerabilidades psicológicas, particularmente nossa necessidade de sinais frequentes de aprovação de outras pessoas: polegares para cima, estrelas de ouro e corações.

Esses pequenos golpes de prazer são suficientes para nos manter verificando as plataformas com frequência, para que nossa atenção possa ser vendida aos anunciantes. Esse é o modelo de negócios.

Eu não queria desistir imediatamente, como muitas pessoas. Eu só queria fugir da onipresença do Facebook, Twitter e Reddit. Eu não os queria no meu bolso.

publicidade

Eu não queria me encontrar mexendo neles sem ter decidido. Eu queria que eles voltassem ao que costumavam ser: sites divertidos que você pode ou não visitar em um determinado dia.

O que eu aprendi

Livre-se da maneira mais fácil de desperdiçar seu tempo

Talvez sem surpresa, não havia nada difícil sobre não usar esses serviços, uma vez que eles estavam fora do meu telefone. Eu não senti falta deles, mas eu me encontrei, muitas vezes por dia, tirando meu telefone e distraidamente mexendo nele.

Esse impulso geralmente acontecia em momentos em que havia alguma espera: quando a comida esquentava no micro-ondas, quando um amigo partia para o banheiro ou até mesmo quando um site estava sendo carregado lentamente no meu laptop.

No sexto dia, meu telefone se tornara um objeto muito menos interessante. Eu o tirava do bolso com muito menos frequência e passava pouco tempo mexendo nele sempre que o tirava.

publicidade

O impulso distraído, sempre que acontecia, se tornava um lembrete para cumprir com qualquer responsabilidade que eu estivesse evitando, para esperar atentamente ou para ler um livro ou um artigo.

Sempre que eu fazia login no Twitter, no Facebook ou no Reddit, os achava bastante chatos e até repulsivos. É assim que eu coloco no meu registro:

… depois de dedicar um pouco de tempo a essas plataformas, sempre que eu entro, não consigo deixar de vê-las como repositórios de sentimentos perdidos e energia que não queremos gastar em nada consequente. Elas parecem lugares para ir quando você está entediado, ou quando você está ativamente evitando a coisa que você sabe que deveria estar fazendo. Eu sei que muito desse sentimento é pura projeção – eu certamente usei essas plataformas dessa maneira.

Desde que o experimento começou, senti uma abundância de tempo.

Parte disso são os 45 ou 90 minutos que eu não estou mais gastando frivolamente online todos os dias, mas é principalmente porque eu não estou mais constantemente me recuperando de interrupções.

Eu permaneço em atividades offline por mais tempo, e me envolvo mais facilmente com elas. Agora, uma hora parece uma unidade de tempo mais longa.

A mídia social estava servindo, pelo menos para mim, como uma esponja que desperta qualquer atenção – e, com isso, o tempo – e depois continua sugando mais de ambos até que você conscientemente se separe dela.

E, claro, ao contrário da leitura, do trabalho, da atividade física ou da socialização da vida real, a mídia social é uma atividade que não requer esforço.

Não requer confiança, resolução ou intenção, e não implica nenhum risco.

Essencialmente, eu havia removido a maneira mais fácil de passar tempo com uma longa lista de possibilidades, de modo que tudo o que restasse fossem atividades que exigissem pelo menos um pouco de comprometimento e determinação.

Estou lendo mais, andando mais, socializando mais e trabalhando sem tanto estímulo externo. Me sinto mais livre do que nunca para fazer essas coisas, porque não há um concorrente ultrafácil que as prejudique.

E há todo esse novo tempo.

O Facebook sabe que você tem coisas melhores para fazer

Livre-se da maneira mais fácil de desperdiçar seu tempo

Foi por volta do dia 9 que a coisa mais reveladora aconteceu: o Facebook notou minha ausência.

Quando você para de postar coisas, eventualmente o fluxo de notificações é interrompido, porque não há nada para as pessoas curtirem ou responderem.

Normalmente, eu faria login e não veria notificações, verificaria rapidamente meu feed de notícias e o fecharia.

Um dia, fiquei surpreso ao encontrar algumas notificações. Meu primeiro pensamento foi que alguém comentou ou gostou de alguma foto antiga ou post meu.

Mas ninguém fez isso.

Estava sendo mostrado a mim um novo tipo de notificação: “confira o comentário de Jim em sua foto” ou “Jane comentou sobre seu status” como se alguém usando o Facebook fosse algo sobre o qual eu deveria ser notificado.

Essas notificações inventadas foram o momento do “o Imperador está nú” para mim.

Ficou óbvio, então, que o Facebook sabe que seus usuários têm coisas melhores para fazer e, silenciosamente, espera que eles não percebam o quão pouco eles saem da plataforma.

Ele sabe que a maior parte do valor que oferece está no nível dos ratos de laboratório: pequenas doses programadas de gratificação, que aprendemos a esperar várias vezes ao dia.

O Facebook não é sobre o seu propósito original – manter contato com amigos dos quais poderíamos nos afastar – desde meados dos anos 2000, quando:

  • Nós tínhamos muitas maneiras de nos mantermos em contato
  • O Facebook não ganhava dinheiro
  • Nós ainda não tínhamos descoberto que manter centenas de relacionamentos online superficiais realmente não enriquece nossas vidas

A “gratificação de notificação” não é tudo que as pessoas recebem do Facebook, é claro – nós queremos ver as fotos dos nossos amigos (às vezes) e vídeos de animais fofos são bem-vindos quando eles aparecem.

Mas essas coisas não são incentivos suficientes para manter os usuários verificando o Facebook várias vezes ao dia – não precisaria ser dito, mas os clientes do Facebook não são seus 1,3 bilhão de usuários diários, mas seus cinco milhões de anunciantes.

O pequeno número no círculo vermelho é o primeiro lugar onde nossos olhos vão quando a página é carregada. É a razão pela qual voltamos com tanta frequência e a razão pela qual os anunciantes estão dispostos a pagar o que pagam.

Eu realmente tiro meu celular do meu bolso enquanto estou esperando na fila em algum lugar, porque de repente eu fico com vontade de ver as fotos de férias do meu amigo? Não!

É porque eu aprendi que no meu bolso há uma promessa sempre renovadora de uma pequena recompensa: alguém pode ter me mencionado ou gostado de algo que eu disse.

Se, depois disso, eu continuar vendo fotos, lendo artigos e pequenos conflitos, isso é meramente acidental.

Até meu amado Instagram está indo para o brejo.

Há cada vez mais anúncios, e agora eles começaram a misturar o feed cronologicamente, para que você veja as mensagens de seus amigos durante a semana – uma foto de dez minutos atrás, depois uma de seis dias atrás, depois uma de oito horas atrás, e assim por diante.

Ostensivamente, isso é para “trazer aos usuários a experiência que eles querem”, mesmo que os usuários do Instagram inequivocamente não queiram isso e ainda não tenham nenhuma opção para desativá-la.

O que essa alteração indesejada realmente faz é garantir um fluxo mais estável de notificações esperadas, já que as postagens dos usuários são deixadas para os seguidores ao longo de uma semana, em vez de pularem imediatamente e caírem rapidamente.

O Facebook comprou o Instagram em 2012 por um bilhão de dólares.

E agora?

Livre-se da maneira mais fácil de desperdiçar seu tempo

Então, a mídia social meio que me perdeu, ou pelo menos sua versão de 2017 o fez. Eu não estou desistindo desses serviços, mas continuo comprometido em usá-los no estilo de 2007: deliberadamente ao invés de reativamente.

Vou usá-los para compartilhar coisas que eu acho que as pessoas vão querer ver, para entrar em contato com as pessoas quando não há métodos melhores, para enviar e receber convites para eventos da vida real, e ver o que as pessoas estão fazendo quando eu conscientemente decidir ver o que as pessoas estão fazendo.

Mas eu não irei mais usá-los como um cão inconsciente. Eles estão fora do meu celular para sempre, eu deletei os ícones de inicialização rápida no meu navegador do desktop e estou preparado para memorizar as senhas novamente.

Apesar de todas as tentativas do Facebook e do Twitter de dificultar, vou usá-los como sites.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Raptitude escrito por David Cain.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou? Então comente compartilhe este conteúdo com seus amigos!