in ,

30 coisas que aprendi em 30 dias consecutivos de meditação

1. A parte mais difícil da meditação acontece antes de me sentar. É o duelo mental em que eu tento me convencer de que “hoje eu não preciso/quero meditar”.

2. Se a prática é importante para mim, então deve ser prioridade no meu dia. Logo, a meditação é a primeira coisa que faço ao acordar.

3. Eu não sou meus pensamentos.

4. O hábito de meditar todos os dias não deve depender do meu humor no momento.

5. Cada meditação é uma experiência diferente. Criar expectativas sobre a prática não faz o menor sentido.

6. Julgar meu “desempenho” como praticante faz menos sentido ainda.

7. Todo momento do meu dia é uma oportunidade para cultivar atenção plena.

meditar todo dia

8. Eu não posso “resolver” meus sentimentos negativos. Eu posso apenas sentí-los, e assim eles tendem a sumir.

9. Às vezes eu acho que a meditação me dá superpoderes. Às vezes eu acho que a meditação não me ajuda em nada. Essa contradição mostra que eu preciso continuar meditando.

10. Eu nunca terminei uma sessão de meditação me sentindo mal.

11. Toda vez que penso “será que falta muito para acabar?”, me lembro de uma criança mimada no banco de trás do carro perguntando quanto tempo falta para chegar na praia. Eu não quero ser essa criança.

12. Me parece mais inteligente meditar um pouco todos os dias até o fim da minha vida do que meditar por muito tempo ocasionalmente.

13. Meditar é como gerenciar o estoque da minha mente. As redes sociais e a televisão enchem meu estoque de coisas inúteis e prejudiciais.


Recomendamos para você:

Willian Binder

Written by Willian Binder

Fundador do Awebic. Acredita numa internet mais amigável. ;-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como superar o estresse apenas vendo a alegria dos outros

Use a gratidão para superar o tédio, dificuldades, reclamação e sobrecarga