A fórmula mágica do sucesso: a busca disciplinada por menos

Curiosamente, e exagerando o ponto, o sucesso é um catalisador para o fracasso.

publicidade

Por que as pessoas e organizações de sucesso não se tornam automaticamente muito bem-sucedidas?

Uma explicação importante se deve ao que chamo de “o paradoxo da clareza”, que pode ser resumido em quatro fases previsíveis:

  • Fase 1: Quando realmente temos clareza de propósito, isso leva ao sucesso.
  • Fase 2: Quando temos sucesso, isso leva a mais opções e oportunidades.
  • Fase 3: Quando aumentamos opções e oportunidades, isso leva a esforços difusos.
  • Fase 4: Esforços difusos minam a clareza que levou ao nosso sucesso em primeiro lugar.

Curiosamente, e exagerando o ponto, o sucesso é um catalisador para o fracasso.

publicidade

Podemos ver isso em empresas que antes eram queridinhas de Wall Street, mas depois entraram em colapso.

Em seu livro, “Como os Gigantes Caem”, Jim Collins explorou esse fenômeno e descobriu que uma das principais razões para esses fracassos era que as empresas caíam na “busca indisciplinada de mais”.

É verdadeiro para as empresas e é verdadeiro para carreiras.

Aqui está um exemplo mais pessoal: durante anos, Enric Sala foi professor no prestigioso Scripps Institution of Oceanography em La Jolla, Califórnia.

publicidade

Mas ele não conseguia aceitar a sensação de que o caminho da carreira em que ele estava era apenas uma imitação do caminho que ele realmente deveria seguir. Então, ele saiu da academia e foi trabalhar na National Geographic.

Com esse sucesso surgiram novas e intrigantes oportunidades em Washington, DC, que novamente o fizeram sentir que ele estava perto da carreira certa, mas ainda não chegara lá.

Seu sucesso o distraiu.

Depois de alguns anos, ele mudou de ideia novamente para ser o que realmente queria: um explorador residente na National Geographic, passando uma parte significativa de seu tempo mergulhando nos locais mais remotos, usando seus pontos fortes em ciência e comunicação para influenciar a política em escala global.

(Veja Enric Sala falar sobre seu importante trabalho no TED aqui).

publicidade

O preço do emprego dos seus sonhos dizia não aos muitos caminhos paralelos que ele encontrava.

O que podemos fazer para evitar o paradoxo da clareza e continuar nosso ímpeto ascendente? Aqui estão três sugestões:

A busca disciplinada por menos

Primeiro, use critérios mais extremos. Pense no que acontece com nossos armários quando usamos os critérios amplos: “Existe uma chance de eu usar isso algum dia no futuro?”

O armário fica cheio de roupas que raramente usamos.

Se perguntarmos: “Eu absolutamente amo isso?”, então poderemos eliminar a bagunça e ter espaço para algo melhor. Podemos fazer o mesmo com nossas escolhas de carreira.

Ao aplicar critérios mais rígidos, podemos usar o sofisticado mecanismo de busca do nosso cérebro. Se procurarmos por “uma boa oportunidade”, encontraremos várias páginas para pensarmos e trabalharmos.

Em vez disso, podemos realizar uma pesquisa avançada e fazer três perguntas: “Com o que eu sou profundamente apaixonado?”, “O que toca meu talento?” e “O que atende a uma necessidade significativa no mundo?”

Naturalmente, não haverá tantas páginas para ver, mas esse é o ponto do exercício.

Nós não estamos procurando por uma infinidade de coisas boas para fazer. Estamos procurando nosso ponto mais alto de contribuição.

Enric é um daqueles exemplos relativamente raros de alguém que está fazendo um trabalho que ama, que explora seu talento e que atende uma necessidade importante no mundo.

Seu principal objetivo é ajudar a criar o equivalente a Parques Nacionais para proteger os últimos lugares intocados no oceano – uma contribuição significativa.

Em segundo lugar, pergunte “O que é essencial?” e elimine o resto. Tudo muda quando nos damos permissão para eliminar os não essenciais.

De uma só vez, temos a chave para desbloquear o próximo nível de nossas vidas. Comece por:

Realizar uma auditoria de vida. Todos os sistemas humanos se inclinam para a confusão. Da mesma forma que nossas escrivaninhas ficam bagunçadas sem que nós nunca tentemos torná-las bagunçadas, nossas vidas se tornam bagunçadas conforme as ideias bem-intencionadas do passado se acumulam.

A maioria desses esforços não veio com uma data de validade. Uma vez adotados, eles vivem em perpetuidade. Descubra quais ideias do passado são importantes e busque-as.

Jogue fora o resto.

Eliminar uma atividade antiga antes de adicionar uma nova. Essa regra simples garante que você não adicione uma atividade que seja menos valiosa do que algo que você já está fazendo.

A busca disciplinada por menos

Terceiro, cuidado com o efeito de doação. Também conhecido como a aversão ao desinvestimento, o efeito de doação se refere à nossa tendência de valorizar mais um item, uma vez que o possuímos.

Um estudo particularmente interessante foi conduzido por Kahneman, Knetsch e Thaler onde objetos de consumo (por exemplo, canecas de café) foram aleatoriamente dados a metade dos sujeitos em um experimento, enquanto a outra metade recebeu canetas de igual valor.

De acordo com a teoria econômica tradicional (o Teorema de Coase), cerca de metade das pessoas com canecas e metade das pessoas com canetas vão negociar.

Mas eles descobriram que significativamente menos pessoas realmente negociaram. O mero fator de propriedade os tornava menos dispostos a se separar de seus próprios objetos.

Como uma ilustração simples em sua própria vida, pense em como um livro em sua prateleira, que você não usou em anos, parece aumentar em valor no momento em que você pensa em doá-lo.

Tom Stafford descreve uma cura para isso que podemos aplicar à clareza da carreira: em vez de perguntar: “Quanto valorizo ​​este item?”, devemos perguntar “Se eu não possuísse esse item, quanto eu pagaria para obtê-lo?”

E o mesmo vale para oportunidades de carreira.

Não devemos perguntar: “Quanto valorizo ​​esta oportunidade?”, mas “Se eu não tivesse essa oportunidade, quanto estaria disposto a sacrificar para obtê-la?”

Se o sucesso é um catalisador para o fracasso, pois leva à “busca indisciplinada por mais”, então um simples antídoto é a busca disciplinada por menos.

Não apenas casualmente dizendo não, mas intencionalmente, deliberadamente e estrategicamente eliminando os não essenciais. Não apenas uma vez por ano, como parte de uma reunião de planejamento, mas constantemente reduzindo, focando e simplificando.

Não apenas se livrando dos óbvios desperdiçadores de tempo, mas também estando dispostos a cortar oportunidades realmente ótimas.

Poucos parecem ter a coragem de viver este princípio, o que pode ser o motivo pelo qual ele diferencia as pessoas e organizações bem-sucedidas das muito bem-sucedidas.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Harvard Business Review, escrito por Grego Mckeown.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!

COMENTÁRIOS | Deixe sua opinião!

comments