in

A Finlândia será o 1º país a revolucionar o sistema tradicional de ensino?

Assim, os pilares da estrutura não são simplesmente arrancados, desmoronando o [pouco do] alicerce que [ainda] existe.

E como fica a relação professor-aluno?

O formato tradicional de comunicação professor-aluno também está mudando. Os estudantes não se sentam mais atrás das carteiras e esperam a explicação do professor. Em vez disso, eles trabalham em pequenos grupos para discutir problemas.

team-386673_960_720

Foto: Pixabay.

Isso mostra que o sistema educativo finlandês encoraja o trabalho coletivo (que é bem diferente de competição), razão pela qual as mudanças também afetam os professores.

A reforma escolar está exigindo uma grande cooperação entre professores de diferentes disciplinas.

Cerca de 70% dos professores de Helsínquia, capital da Finlândia, já realizaram trabalhos preparatórios em consonância com o novo sistema de apresentação de informações e, consequentemente, estão recebendo um aumento salarial.

Mentalidade da sociedade ajuda no processo de adaptação

Um dia, soube que aqui na minha cidade existe uma escola que tinha abolido as provas tradicionais.

Mal tive tempo de comemorar a liberdade das amarras do século passado quando a mãe de um dos alunos dessa mesma escola disse que a coordenação teve de voltar atrás na sua postura porque os pais ficaram revoltadíssimos com o “novo” procedimento.

Será que esses mesmos pais aceitariam as políticas educacionais finlandesas?

Tudo indica que sim.

Em entrevista à organização Porvir, Kyllönen deixa bem claro que o apoio da comunidade é fundamental e quando é perguntada sobre a opinião dos pais dos alunos a respeito das mudanças, a resposta é categórica:

“Na Finlândia, temos o privilégio de ter uma sociedade que valoriza a educação e os professores. Existem algumas escolas que estão dando apenas os primeiros passos e outras muito avançadas nessa reforma de suas rotinas. A resposta dos pais, no entanto, é muito satisfatória porque seus filhos estão verdadeiramente motivados.”

Na Finlândia é fácil, quero ver no Br…

Thank you for reading!

Letícia Flores

Publicado por Letícia Flores

Letícia, do latim "alegria". Redatora, professora e inventadora. Escreve e dá aulas de italiano por paixão; produz conteúdo por profissão. Que sorte a desta menina, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem come queijo vive mais e melhor, segundo pesquisa

Homem ajuda vovó consertar o carro na estrada – só depois notou o que fez