Idosa abandonada quando era bebê sobrevive ao Holocausto e encontra família após 80 anos

Um momento muito emocionante e histórico para a vida dessa família

Imagem: Cortesia/Alice Grusová
publicidade

Alice Grusová, hoje com 81 anos, era uma bebê quando seus pais foram forçados a abandoná-la no banco de uma estação de trem. O ano era 1942 e a ameaça nazista na Checoslováquia deixou seus pais judeus desesperados. Eles acabaram sendo vítimas do Holocausto e Alice nunca os conheceu.

Felizmente, a decisão arriscada que os pais tomaram – e que muitos criticariam – deu certo. Alice sobreviveu, foi criada por uma tia até os seis anos e depois foi para adoção.

Cresceu, se casou, se tornou enfermeira pediátrica, teve três filhos, seis netos e três bisnetos. Constituiu uma família linda, só que não tinha conhecimento de familiares vivos por parte de pai e mãe.

publicidade

Te interessa?

Alice mais nova com a tia Edith, que a criou até os seis anos e é mãe do seu primo mãe do seu primo Weiss (imagem: cortesia/Alice Grusová)

Mas isso mudou graças à insistência da sul-africana Michalya Schonwald Moss, que decidiu investigar o seu passado familiar. Ela sabia que alguns antepassados seus tinham sido vítimas do Holocausto, mas ficou surpresa ao descobrir que esse número chegava a 120 pessoas.

Com a ajuda de genealogistas profissionais na República Checa e em Israel, a sul-africana chegou até Alice Grusová, uma sobrevivente que tem laços com outro parente seu. E olha que bacana: a pesquisa de Michalya descobriu que a Alice tinha um primo vivo, filho da tia que a criou até os seis anos.

Momento do encontro, da esquerda para a direita: Miroslav Grus (marido de Alice), Jan Grus (filho de Alice), Michalya Schonwald Moss, Petra Grusová (esposa de Jan), Alice Grusová e Yossi Weis (imagem: Cortesia/Michalya Schonwald Moss)
publicidade

Encontro

Com essa informação em mãos, a mulher entrou em contato com a idosa para informá-la da descoberta incrível. Graças à tecnologia e ao trabalho de investigadores profissionais, foi possível descobrir até o nome do parente vivo: Yossi Weiss, morador de Haifa, em Israel.

“Eles queriam me encontrar e me visitar, mas meu primo está com câncer e não pode viajar. Já eu temia uma viagem longa na minha idade, mas estou tão feliz por ter ido. Pena que essa descoberta não aconteceu mais cedo. A minha família aumentou muito em tamanho. E Michalya continua encontrando cada vez mais parentes”, disse Alice à CNN.

O encontro, então, aconteceu em Israel. Além de Alice e Yossi, Michalya, a responsável por tudo isso ter acontecido, estava lá também. Um momento muito emocionante e histórico para a vida dessa família!

publicidade

“Eu procurei ter um tempo só com Alice. Falamos da questão da minha mãe vir a Israel e Alice ser abandonada e concordarmos que as coisas eram complicadas”, afirmou Yossi. É a prova de que nem o tempo é capaz de apagar a união e a história de uma família!

Que mais momentos como esse sejam possíveis!

Clique aqui e aperte o botão " Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Fonte: CNN

O que você achou? Siga @awebic no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar