Menina que sofreu preconceito por jogar futebol ganha surpresa de grande construtora

Um sonho acessível!

publicidade

Uma menina de 10 anos cheia de talento divulgou um desabafo na internet a respeito das muitas críticas e piadas das quais tem sido vítima. Larissa Vitória é jogadora de futebol e frequentemente é chamada de homem, para sua surpresa ela ganhou um patrocínio da MRV.

Não gosto de short curto, não gosto de dançar, como as meninas gostam, e nem por isso quer dizer que eu sou homem. Eu sou mulher”, conta.

De Recife, a garota que gosta de ser chamada de Lari Gol é jogadora do Agrestina Futebol Clube. Ela pede, ou melhor, exige ser tratada com respeito, assim como ela trata os outros.

publicidade

Eu quero ser jogadora e eu vou ser! Eu sei que vou sofrer muito pela frente. Mas vou deixar claro aqui: eu sou mulher, pode falar o que quiser”, diz ela no vídeo.

Lari Gol está determinada a seguir seu sonho, e não vai parar por causa de pessoas sem educação e preconceituosas. Ela representa a força e o empenho de milhares de meninas que amam jogar futebol.

Foto: Reprodução/Instagram @lari.gol11

Patrocínio da MRV

Depois de o vídeo viralizar, ela foi convidada a participar da campanha #ElasTransformam, da MRV.

publicidade

O propósito da campanha é dar suporte e apoio para todas as atletas femininas que atuam nas mais diversas modalidades. Com isso, espalham sucesso e motivação para manter cada vez mais intensa a chama do amor feminino ao esporte.

Além de integrar a campanha, Lari terá como tutora a atleta Maurren Maggi, medalhista de ouro pelo Brasil nas Olimpíadas de Pequim, em 2008.

Mais do que um patrocínio, é um compromisso, uma força extra para as atletas construírem seus sonhos e mostrarem o poder da mulher brasileira”, disse a Gestora Executiva de Marketing Institucional da MRV, Adriana Caram Borlido.

A goleadora Lari terá seu sonho incentivado pela MRV no mínimo pelos próximos dois anos, certamente ela é uma grande promessa do esporte nacional.

Foto: Reprodução/Instagram @lari.gol11

O preconceito tem de acabar

É muito triste que em pleno ano de 2020 ainda existam pessoas preconceituosas e ofensivas no mundo. Lari joga futebol e ama fazer isso, no entanto recebe ofensas gratuitas.

publicidade

Vou falar um negócio sério para vocês que está acontecendo comigo. De o povo dizer que eu sou homem, que pareço homem, que tenho dente quebrado. Estou com aparelho e vou ajeitar. Não é ninguém que paga meu dentista, nem meus treinos para eu treinar”, conta.

Realmente é inaceitável que coisas assim aconteçam, no entanto, é exatamente esse espírito que desperta paixões e ajudam pessoas a seguirem os seus sonhos. A atitude de Lari com certeza ainda irá encorajar milhares meninas pelo Brasil e mundo.

Você vai estar me vendo na televisão. Eu quero ser jogadora e o que eu quiser ser, eu vou ser. Gosto de usar roupa assim, minha mãe deixou e eu vou usar. É o meu gosto, não é o de vocês. Eu subi em casa chorando, mas não era de tristeza, era de raiva. Não vou desistir”, disse Lari com orgulho.

View this post on Instagram

atleta de @fabyacsantos do @agrestinafc

A post shared by Larissa Victoria Souza (@lari.gol11) on

Torcemos que esse seja apenas o início de uma brilhante carreira de Lari no futebol!

 

Fonte: Razões Para Acreditar