in

Sim, você tem um sexto sentido e deve confiar nele

Muito do que você sabe, você sabe sem saber como sabe.

Diferenças como o quanto os olhos de cada pessoa estão “sorrindo” se tornam aparentes quando você olha de perto, mas como você sabia que enrugar ao redor dos olhos transmite felicidade genuína, enquanto a ausência de tal enrugamento significa que uma pessoa está fingindo?

Por exemplo, quando você compara os sorrisos dessas duas imagens, você sabe, sem pensar no porquê, que uma é real e uma é falsa.

Sexto sentido

Sexto sentido

Da mesma forma, se você estivesse sentado em um restaurante barulhento com os olhos fechados e alguém passasse perto de você, digamos, perto do seu lado esquerdo, sentiria a presença dele – mesmo que não emitisse nenhum som.

Essa consciência vem automaticamente, sem você precisar pensar: “Hmm. O ruído do restaurante no meu ouvido esquerdo ficou mais quieto do que o ruído no meu ouvido direito, portanto uma sombra sonora deve ter passado pelo meu lado esquerdo e a fonte mais provável seria um humano andando.

Ainda outro exemplo de “saber sem saber” é a maneira que o seu cérebro localiza sons.

Novamente, com os olhos fechados, se alguém fosse estalar os dedos acima da cabeça no seu lado direito, você seria capaz de apontar com precisão na direção do som, e até mesmo calcular o quão longe estava, sem analisar conscientemente como você conseguiu realizar esse feito.

(Mas caso você esteja curioso: Seu cérebro localiza os sons em três dimensões, comparando o tempo de chegada e as diferenças de intensidade do som em suas duas orelhas, bem como inspecionando cuidadosamente a frequência ou “tom” do som, que muda com a distância do som devido às propriedades de filtragem de frequência do seu ouvido externo, cabeça e ombros).


Recomendamos para você:

Redação

Written by Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que não é inteligente que nossas crianças usem as mídias sociais

Por que pessoas bem-sucedidas são infelizes na meia-idade – e o que fazer