Modelo brasileira com Síndrome de Down irá desfilar em semana de moda internacional

Show de representatividade!

Modelo brasileira com Síndrome de Down irá desfilar em semana de moda internacional
Modelo brasileira com Síndrome de Down irá desfilar em semana de moda internacional

Esqueça o padrão das modelos mais famosas do mundo. A nova estrela da Milão Fashion Week, uma das maiores semanas de moda do mundo, é Maria Julia de Araújo, modelo brasileira com Síndrome de Down que já foi capa da Revista Forbes e entrou para a lista Under 30.

Com 1,49 m de altura, Maju (como gosta de ser chamada) está bem abaixo do padrão de altura das modelos magérrimas que desfilam em eventos importantes e estampas editoriais de modas famosos e de pesos. Porém, nem mesmo as diferenças físicas e outras barreiras importas pela Síndrome fizeram a garota desistir do sonho de infância de ser modelo.

A jornada árdua já começou a reder frutos e, hoje, a modelo profissional acumula diversas conquistas: é a única embaixadora global com Síndrome de Down da L’Oreal Paris e desfilou para 40 marcas em uma única temporada da Fashion Week, algo grandioso até mesmo para as modelos que não são pessoas com deficiência (PCD).

A conta oficial do Instagram de Maju conta com mais de 600 mil seguidores e administrado pela mãe e também agente da garota, Adriana de Araújo. Em entrevista para o El País, Adriana relembra que desde pequena, a filha já era encantada pelo mundo da moda e adorava brincar de desfilar. No entanto, devido à condição da hoje modelo, Adriana achava que o ambiente da moda era um mundo inacessível para a menina.

Depois de passar por uma situação de saúde delicada com a filha, a mãe decidiu que iria lutar para que a garota seguisse os seus sonhos. Mesmo passando por dificuldades financeiras, Adriana investiu na formação de Maju e depois de ouvir muitos “nãos”, a modelo se formou como profissional em 2019, no curso da Schools Model, no Rio de Janeiro.

DESAFIOS, PRECONCEITOS E SUPERAÇÃO

Hoje, grande parte da renda da família vem dos trabalhos de Maju. Porém a agora assessora da filha, Adriana ressalta que o caminho não foi nada fácil. “Se uma pessoa dita normal para os padrões da sociedade tiver que andar 6.000 quilômetros para chegar onde quiser, a Maju vai ter que andar quatro vezes mais, para mostrar que é capaz”, disse em entrevista ao El País.

Ela também afirma que, infelizmente, grandes agências de modelo não aceitam contratar a profissional. “Dizem que a Maju não tem o perfil do que os clientes buscam. A realidade é que as pessoas com deficiência sempre viveram num isolamento social”, lamentou.

Apesar das limitações da fala, Maju se comunica bem, através de expressões e da linguagem de sinais. Para ajudar, a mãe e a irmã Larissa administram a conta do Instagram da jovem.  “A gente também filtra os comentários. Tem muito comentário de ódio. Muita gente fala, por exemplo, que ela é branca e privilegiada”, lamenta a irmã.

Que a Maju continue trilhando novos caminhos e levando informação não apenas para o mundo da moda, mas para toda a sociedade que ainda apresenta muitos preconceitos em relação a pessoa com algum tipo de deficiência!

Fontes: Extra e El País

O que você achou? Siga @awebic no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar