Ativistas contra violência sexual de mulheres conquistam Nobel da Paz 2018

Nadia Murad e Dr. Mukwege são os dois premiados.

publicidade

O Prêmio Nobel da Paz de 2018 foi destinado a ativistas contra o estupro na guerra: Nadia Murad e Denis Mukwege.

Murad é uma iraquiana yazidi que foi torturada e estuprada por militantes do Estado Islâmico (EI). Mais tarde, tornou-se o rosto de uma campanha para libertar o povo yazidi.

O Dr. Mukewege é um ginecologista congolês que, juntamente com seus colegas, tratou dezenas de milhares de vítimas.

publicidade

Cerca de 331 indivíduos e organizações foram nomeados para o prestigioso prêmio da paz deste ano.

Os vencedores anunciados na sexta-feira na capital norueguesa Oslo ganharam o prêmio por seus “esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra”, disse Berit Reiss-Andersen, presidente do comitê do Nobel.

A dupla fez uma “contribuição crucial para concentrar a atenção e combater esses crimes de guerra”, acrescentou Reiss-Andersen.

Quem é Nadia Murad?

nadia murad

publicidade

Murad não apenas perdeu a mãe no genocídio. Ela suportou três meses como escrava sexual nas mãos de militantes do EI. Ela foi comprada e vendida várias vezes e submetida a abuso sexual e físico durante seu cativeiro.

Depois de fugir, ela se tornou ativista do povo Yazidi, fazendo campanha para ajudar a acabar com o tráfico de seres humanos e pedindo ao mundo que adotasse uma linha mais rígida sobre o estupro como arma de guerra.

Murad descreveu sua fuga em uma entrevista da BBC em 2016, detalhando como as mulheres que foram mantidas em cativeiro foram tratadas pelo EI.

Ela recebeu o Prêmio Vaclav Havel de Direitos Humanos pelo Conselho da Europa em 2016 e pediu um tribunal internacional para julgar os crimes cometidos pelo EI em seu discurso de aceitação em Estrasburgo.

Murad, a primeira iraquiana a receber o prêmio, foi nomeada embaixadora da boa vontade da ONU para sobreviventes de tráfico de seres humanos no final daquele ano.

publicidade

Quem é Denis Mukwege?

Denis Mukwege

Ele passou décadas ajudando vítimas de estupro na República Democrática do Congo.

Ele e seus colegas trataram cerca de 30.000 vítimas de estupro, desenvolvendo grande experiência no tratamento de ferimentos graves sofridos durante agressões sexuais que foram realizadas como uma arma de guerra.

O homem de 63 anos ganhou vários prêmios internacionais, incluindo o Prêmio de Direitos Humanos das Nações Unidas de 2008, e foi eleito Africano do Ano em 2009.

Ele vive sob a proteção permanente das forças de paz da ONU em seu hospital e também já pediu uma linha mais dura sobre estupro como arma de guerra.

Como os vencedores reagiram?

Murad disse à Reuters que compartilha o prêmio “com todos os yazidis, com todos os iraquianos, curdos e todas as minorias e todos os sobreviventes de violência sexual em todo o mundo”.

No entanto, seus primeiros pensamentos foram com sua mãe, que morreu depois que militantes do Estado Islâmico invadiram sua casa em 2014, de acordo com um porta-voz de sua confiança.

O Dr. Mukwege estava operando em seu hospital quando soube que havia ganho o prêmio.

“Eu estava na sala de cirurgia, então quando eles começaram a fazer barulho em volta, eu não estava realmente pensando sobre o que estava acontecendo, e de repente algumas pessoas entraram e me contaram as novidades”, disse ele ao jornal norueguês VG.

Ele dedicou seu prêmio a todas as mulheres afetadas pela violência sexual.

“Este prêmio Nobel é um reconhecimento do sofrimento e do fracasso em compensar adequadamente as mulheres que são vítimas de estupro e violência sexual em todos os países do mundo”, disse ele a repórteres reunidos em frente à sua clínica.

Fonte: bbc.com.

Compartilhe o trabalho de Nadia Murad e Dr. Mukwege com seus amigos!

Os esforços desses dois ativistas são realmente louváveis. Eles desafiaram pessoas perversas e radicais para proteger vítimas de guerra.

A violência sexual contra as mulheres é um ato abominável.

Parabéns aos dois vencedores pelo Prêmio Nobel da Paz de 2018.