10 curiosidades sobre o movimento Rastafári que você provavelmente não sabe

O movimento jamaicano não deve ser resumido em maconha e dreadlock.

publicidade

Quando a maioria das pessoas ouve a palavra “Rastafári”, elas pensam em homens com dreadlocks, em maconha, e homens com dreadlocks fumando maconha.

Basicamente, elas pensam em Bob Marley.

Rastafári tem sua origem em Ras (“príncipe” ou “cabeça”) Tafari (“da paz“) Makonnen, o nome de Hailê Selassiê antes de sua coroação.

Na verdade, Rastafari é uma filosofia muito séria que leva muito o sentido da Bíblia.

publicidade

Embora muitas pessoas afirmam ser rastafari apenas como uma desculpa para usar drogas, existem muitos crentes verdadeiros, e o conceito sobre essas pessoas é, muitas vezes, bastante desconhecido.

10. Nem todos os rastafaris fumam maconha

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (1)

Muitas pessoas são atraídas pela ideia de ser um rastafari pois acham que eles têm uma desculpa religiosa para fumar ganja (maconha).

Algumas podem ser surpreendidas com o fato de que fumar ganja não é só opcional dentro dessa crença, como também não é realmente símbolo de sua fé. Alguns rastafaris simplesmente optam por não fumar a erva.

publicidade

Recentemente, Snoop Dog decidiu mudar seu nome para “Snoop Lion” para mostrar sua adesão ao Rastafári depois de passar algum tempo na Jamaica. No entanto, muitos rastafaris o questionaram alegando que eles vêem pouca fé de verdade em seu comportamento, e acham que é apenas uma desculpa para o amor de Snoop pela erva.

Claro que, apesar do Snoop Dog (ou Snoop “Lion”, se você quiser) poder realmente estar sendo sincero, esse não é o verdadeiro ponto da ira dos rastafaris.

Eles já têm dificuldade para serem levados a sério devido aos estereótipos, então eles provavelmente temem por uma pessoa conhecida como o Snoop Dog representá-los e espalhar essa percepção errada da crença mais amplamente.

9. Os rastafaris acreditam que Haile Selassie é a segunda vinda do Cristo

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (2)

Essa crença, que é parte central da filosofia Rastafári, deu início a religião.

publicidade

No início dos anos 1900, Marcus Garvey profetizou que um novo rei negro surgiria, em breve, na África e que esse homem seria o Messias.

Não muito tempo depois, na Etiópia, um novo rei foi coroado e seu nome era Haile Selassie I. Vendo isso como um sinal da profecia, o florescente movimento Rastafári tomou este homem como a segunda vinda de Jesus. No entanto, enquanto a maioria das pessoas não acreditava em uma segunda vinda do Messias baseado unicamente na profecia, os rastafaris também não.

Eles apontam para outras provas também, particularmente a alegação de que Haile Selassie está relacionado com o Rei Salomão, dando-lhe assim uma conexão com Jesus.

Se Haile Selassie I era o Messias, isso foi mantido em segredo. Ele mesmo sempre negou ser uma reencarnação de Jesus.

8. Dieta Ital

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (3)

A crença Rastafári tem uma dieta específica chamada Ital, uma palavra que deriva vital.

Muitas pessoas confundem Ital com vegetarianismo ou veganismo. Na verdade, é realmente uma dieta própria e pode mudar um pouco com base nas interpretações do indivíduo.

Os rastafaris não querem ser parte do sistema, pois o consideram opressivo. Por esta razão, eles recusam qualquer alimento processado. Eles também não comem carne vermelha, acreditando que ela apodrece dentro de seu corpo. Muitos ainda comem peixe porque acreditam que é permitido devido à Bíblia.

No entanto alguns se recusam, e outros removem derivados do leite de sua dieta chegando mais perto do veganismo. A ideia principal, claro, é simplesmente comer alimentos naturais que são bons para você.

7. Seu corpo é um templo

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (4)

Para a crença Rastafári, seu corpo é considerado o seu templo, então você precisa realmente cuidar bem de si mesmo. Parte disso pode ser visto na filosofia da dieta Ital.

Porém, o movimento vai além de apenas comer uma boa comida para cuidar da saúde. Os rastafaris acreditam que devem deixar seu cabelo crescer longo e não manchá-lo com qualquer coisa artificial. Tudo isso se resume a respeitar o seu corpo e o que ele é.

Você não corta seu cabelo, tatua sua pele ou come algo ruim para sua saúde. Na verdade alguns citam este fato como a razão para não fumar maconha. Eles pensam que a erva não é boa para a sua saúde, então eles não a fumam.

6. Não os chame de “rastafarianos”

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (5)

Você pode notar que este artigo inteiro não se refere a “rastafarianos”, exceto no título acima.

Os rastafaris, na verdade, não gostam de ser referenciados dessa maneira. A razão para isso decorre de sua filosofia. Rastas acreditam que “ianos” e “ismos” representam o corrupto sistema “babilônico” que oprime as pessoas em todo o mundo.

Considerar-se uma religião ou um ismo de qualquer tipo é visto como aceitar um sistema que é anátema para o que eles acreditam. Isto significa que alguns rastafaris ficarão realmente chateados se você os chamar assim ou dizer que eles praticam o “rastafarianismo”.

Claro que isso não impediu os estudiosos de se referirem aos rastafaris como um “ismo” e também os classificarem como uma religião. Esta última parte também causou irritação para alguns rastafaris, pois eles não gostam do termo “religião”, e preferem considerar seu movimento como uma filosofia.

5. Babilônia para baixo

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (6)

O movimento Rastafári começou na Jamaica, onde a maioria da população negra vinda da África tinha sido escrava e forçada a trabalhar. Tudo começou como um meio de empoderamento.

Assim, pode não ser muito surpreendente que o Rastafári, como um sistema de crença, rejeite completamente os padrões e estrutura da sociedade ocidental. Para um povo oprimido pela sociedade ocidental e pelo colonialismo, o movimento Rastafári era uma maneira de reivindicar o seu próprio modo de vida.

Ao rejeitar o sistema “babilônico” que foi considerado corrupto e opressivo, através do movimento Rastafári a população é capaz de retomar sua própria cultura e conectar-se às suas raízes.

O movimento foi moldado muito no início pelas palavras de Marcus Garvey que mais tarde seria considerado um profeta das crenças Rastafári.

Garvey pode nunca ter se identificado como um Rastafári, mas ele teve grande importância quando se trata da capacitação negra, além de inspirar um grande número de pessoas.

4. O retorno à África

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (7)

Os rastafaris dependem muito da Bíblia quando se trata de suas crenças religiosas, mas também têm sua própria ideia de paraíso.

Os membros do movimento sentem que eles estão em uma espécie de inferno ou purgatório por conta de seus antepassados terem sido removidos de sua terra natal contra a sua vontade.

A África é sua versão de Sião. Trata-se de um paraíso na Terra, e o objetivo de muitos Rastafári é voltar para lá.

Isso é mais um anseio cultural do que uma crença exclusivamente religiosa, e faz todo o sentido após a opressão colonialista que tantos negros enfrentaram. Por esta razão, é mais do que apenas voltar para a África para a maioria Rasta.

É sobre a construção da África em algo ainda melhor, preservando a cultura africana e comemorando um modo de vida que muitos sentem ter perdido devido à sociedade babilônica.

3. Dialeto Rastafári

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (8)

O antigo movimento Rastafári, na Jamaica, criou um dialeto que era um ramo do crioulo jamaicano. O crioulo jamaicano foi derivado originalmente do inglês por escravos africanos que tinham sido trazidos à ilha de Jamaica.

O Rastafári, como um movimento de empoderamento, tomou a linguagem e modificou-a tanto em dialeto quanto em filosofia, para satisfazer as suas necessidades, formando um novo dialeto conhecido como “Iyaric”.

Um dos conceitos mais importantes é o uso de pronomes. Na maioria das vezes, “eu” é usado em vez de “mim”, “você”, ou sobre qualquer outro pronome. Isso é feito para expressar a conexão entre todas as pessoas e reconhecer a humanidade em todos.

Rastafaris também preferem expressões positivas sempre que possível. Em vez de alguém dizer que são “dedicados” (dedicated), eles poderiam dizer “vivodedicados” (livicated), juntando duas palavras em inglês (live (viver)+dedicated (dedicado)) para mostrar vitalidade.

Assim também ocorre com a palavra “downpressed” (oprimido) que, devido à sua palavra “down” no inglês significando para baixo, pode não ser tão otimista. Isso também ocorre na palavra “overstand” (entender), trocando o “under” de “understand” (entender) para “over”, retirando da gramática uma palavra que demonstraria um sentido não tão positivo.

2. Grounation Day

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (9)

Para muitos maconheiros, 20 de abril é um dia muito importante, mas para o Rastafári, o dia seguinte é que é realmente valioso.

Como mencionamos anteriormente, o movimento Rastafári acredita que o Imperador Haile Selassie I da Etiópia foi a segunda vinda de Jesus Cristo, e por isso eles são grandes fãs do cara. Durante sua vida nos anos 1960, ele decidiu visitar a Jamaica.

Seria uma visita diplomática, mas alguns povos acreditaram que na verdade ele quis encontrar-se com a cultura Rastafári e aprender sobre os povos que o adoravam e o denominavam como uma encarnação de Messias.

As multidões eram enormes e causaram uma grande movimentação, e isso o atrasou na hora de sair de seu avião por um bom tempo, provavelmente devido a preocupações de segurança.

Durante o seu tempo lá, encontrou-se com alguns dos membros principais do movimento. Apesar de não existir muitos registros sobre o que foi dito, alguns acreditam que o imperador lhes disse que deveriam tentar consertar as coisas na Jamaica antes de voltarem para a África.

Desde a sua visita, 21 de abril foi conhecido como o “Grounation Day” e é observado como uma das datas mais sagradas.

1. As cores do Rastafári

Curiosidades sobre o movimento Rastafari (10)

As cores vermelha, amarela e verde são bastante onipresentes, embora a maioria das pessoas provavelmente as associam mais com Bob Marley e maconha do que qualquer movimento espiritual.

No entanto, muitas pessoas não percebem que existem, na verdade, quatro cores Rasta.

O movimento teve muita influência de Marcus Garvey, e as cores de seu próprio movimento eram vermelho, verde e preto. O Rastafári viu mais tarde Haile Selassie I como Jesus, e as cores da bandeira etíope eram vermelha, verde e amarela, assim, uma adição foi feita, com quatro cores no total.

Estas cores têm significado simbólico nas crenças Rastafári.

A cor amarela é dita por alguns para se referir à riqueza de sua terra natal na África. O vermelho é, talvez sem surpresa simbólica, o sangue e o martírio do passado Rastafári. A cor preta é uma referência óbvia aos negros que originalmente iniciaram o movimento Rastafári para retornar às suas raízes e o verde está relacionado com a abundante vida vegetal de sua terra natal.

No caso, se você ainda estiver curioso, as cores do movimento realmente não tem nada a ver com fumar maconha.

Você conhece alguma curiosidade sobre o movimento Rastafári que não colocamos aqui? Comente!

Via: listverse.com.

***

Listas Interessantes é a nova seção de artigos do Awebic. Mais conteúdo, mais profundo, mais interessante.