Por que precisamos passar um tempo quieto sozinhos todos os dias

Devemos criar uma preservação dentro de nossas próprias mentes.

publicidade

Em 2016, o biólogo de Harvard emérito e naturalista E. O. Wilson (TED Talk: Advice to a young scientist) publicou o livro Half-Earth: Our Planet’s Fight for Life, no qual ele propõe que metade da superfície da Terra seja designada e protegida como terra de conservação.

Desde 1970, os seres humanos destruíram mais de 30% das florestas e do ecossistema marinho, de acordo com o World Wide Fund for Nature (WWF).

A destruição foi uma consequência não intencional do crescimento populacional, do desejo de aumentar a riqueza e o conforto material e da necessidade de mais energia.

publicidade

Também foi impulsionado pelo imperativo inexorável do capitalismo e pelo desejo poderoso de certos indivíduos de aumentar sua riqueza pessoal.

A proposta de Wilson pode ser difícil de alcançar, mas representa um reconhecimento da importância de nosso ambiente natural e das forças que o ameaçam.

A destruição de nosso eu interior através do mundo conectado é um fenômeno ainda mais recente e mais sutil.

A perda de lentidão, do tempo de reflexão e contemplação, da privacidade e a solidão, do silêncio, da capacidade de sentar-se quieto numa cadeira durante quinze minutos sem estímulo externo – tudo aconteceu rápida e quase invisivelmente.

publicidade

Por que precisamos de um tempo quietos todos os dias

Cento e cinquenta anos atrás, o telefone não existia. Cinquenta anos atrás, a Internet não existia. Vinte e cinco anos atrás, o Google não existia.

A situação é terrível. Assim como com o aquecimento global, já podemos estar perto do ponto sem retorno. Invisivelmente, quase sem aviso prévio, estamos nos perdendo.

Estamos perdendo nossa capacidade de saber quem somos e o que é importante para nós.

Estamos criando uma máquina global na qual cada um de nós é uma peça desatenta e reflexiva, implacavelmente impulsionada pela velocidade, barulho e urgência artificial do mundo conectado.

publicidade

O que podemos fazer? De alguma forma, precisamos criar um novo hábito mental, como indivíduos e como sociedade.

Precisamos de uma atitude mental que valorize e proteja a quietude, a privacidade, a solidão, a lentidão, a reflexão pessoal; que honra o eu interior; isso permite que cada um de nós vagueie sem agenda dentro de nossas próprias mentes.

Por que precisamos de um tempo quietos todos os dias

A proposta de Wilson é ousada e eu gostaria de fazer uma proposta igualmente ousada: que metade de nossas mentes despertas sejam designadas e salvas para uma reflexão silenciosa.

Caso contrário, estamos destruindo nosso eu interior e nossas capacidades criativas. Diferentes momentos ao longo do dia podem ser dedicados à contemplação e à quietude, livres do mundo externo.

Como cultivamos um hábito contemplativo da mente?

Há vinte anos, uma amiga que dava aulas no ensino médio em Arlington, Massachusetts, começou algo novo com seus alunos. No início de cada aula, ela tocava uma campainha e pedia que permanecessem em silêncio por quatro minutos.

Como ela escreveu mais tarde, “eu expliquei [aos meus alunos] que eu sentia que nossos dias de escola eram muito rápidos e cheios de barulho, que o silêncio poderia nos ajudar a deixar para trás a aula anterior, e se preparar para estar presente para esta.”

Eu disse que estávamos visando a quietude interna e externa”.

Os resultados foram milagrosos, ela me disse. Ela e os alunos estavam mais calmos e mais centrados.

Nos últimos anos, inúmeras organizações – como Mindful Schools e Mindful Education – foram criadas para introduzir períodos de silêncio e meditação nas escolas primárias e secundárias.

Por exemplo, em 2015, a educadora de mente e corpo, Stacy Sims, iniciou um programa chamado Mindful Music Moments, no qual os alunos ouvem quatro minutos de música clássica durante o período da manhã – semelhante à ideia da minha amiga em Massachusetts.

A Mindful Music Moments agora opera em 65 escolas primárias e secundárias, acampamentos e organizações de serviços sociais, a maioria em Cincinnati.

Para desenvolver novos hábitos mentais, grupos diferentes devem usar métodos diferentes.

Eu tenho algumas recomendações, que devem ser vistas como pontos de partida ao invés de soluções abrangentes:

Para alunos do ensino fundamental e médio, um período de dez minutos de silêncio em algum momento durante o dia escolar.

Os alunos poderiam escrever em voz baixa pensamentos em um caderno durante esse período.

Diferentes escolas têm diferentes culturas, e cada escola saberá qual a melhor forma de instituir esse período de silêncio.

Para estudantes universitários, cursos intensivos introspectivos criados por cada departamento acadêmico.

Cada aluno seria obrigado a fazer pelo menos um desses cursos a cada semestre.

Cursos introspectivos, embora baseados no assunto específico do departamento – por exemplo, história ou química – teriam uma carga reduzida de leituras e tarefas e encorajariam os alunos a usar o tempo livre para refletir sobre o que estão aprendendo e relacioná-lo com seus conhecimentos, vidas e objetivos de vida.

No local de trabalho, em uma sala silenciosa ou em um espaço semelhante, onde os funcionários são autorizados e incentivados a passar meia hora por dia meditando, refletindo ou simplesmente quietos.

Smartphones e computadores não seriam permitidos na sala silenciosa. Esse período de silêncio não faria parte do horário de almoço regular.

Para as famílias, uma hora desligada durante a noite, talvez durante o jantar, na qual todos os telefones, smartphones, computadores e outros dispositivos estão desligados.

O jantar deveria ser um momento para conversas tranquilas.

• As pessoas devem pensar em como gastam seu tempo todos os dias e tentar reservar meia hora longe do mundo conectado, como dar um passeio enquanto estão desconectados, lendo ou simplesmente sentadas em silêncio.

Para a sociedade como um todo, zonas “livres de tela” obrigatórias em espaços públicos, onde dispositivos digitais são proibidos, e leis trabalhistas nas quais os trabalhadores têm garantia de meia hora por dia de tranquilidade no local de trabalho.

Acredito que podemos desenvolver um novo hábito mental em relação ao mundo conectado, mas isso levará tempo. Nós primeiro precisamos reconhecer o perigo.

Por que precisamos de um tempo quietos todos os dias

Certamente, as pessoas mais jovens deveriam assumir alguma responsabilidade por seu vício em relação ao mundo conectado à custa de seu eu interior. Mas nós, que criamos esse mundo, não deveríamos assumir mais responsabilidade?

Nós somos vítimas de nós mesmos, mas também somos os perpetradores.

Não devemos a todos os nossos filhos um mundo em que suas vidas contemplativas sejam valorizadas e apoiadas? Não devemos isso a nós mesmos?

Embora a mudança de hábitos mentais seja difícil, ela pode ser feita.

Com um pouco de determinação, cada um de nós pode encontrar meia hora por dia para perder tempo. E quando fazemos isso, nos damos um presente.

É um presente para o nosso espírito. É uma homenagem àquela voz quieta e sussurrante. É uma libertação da gaiola do mundo conectado. É a liberdade.

Décadas atrás, quando eu era aquele garoto que caminhava da escola para casa pela floresta, seguindo as tartarugas enquanto elas lentamente se arrastavam por um caminho de terra, perdendo horas enquanto eu observava girinos nas águas rasas ou o balanço das ervas ao vento, eu estava livre.

Não podemos voltar para aquele mundo, nem necessariamente queremos, mas podemos criar um pouco desse espaço em nosso mundo hoje. Podemos criar uma preservação dentro de nossas próprias mentes.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Ideas TED escrito por Alan Lightman.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos que não saem da frente das telas!

COMENTÁRIOS | Deixe sua opinião!

comments