10 sinais de que você tem medo de ser abandonado - e como superar isso DE UMA VEZ
10 sinais de que você tem medo de ser abandonado - e como superar isso DE UMA VEZ

10 sinais de que você tem medo de ser abandonado – e como superar isso DE UMA VEZ

Talvez ficar sozinho não seja um problema!

publicidade

O medo do abandono surge quando um indivíduo tem um grande medo de perder entes queridos.

O medo do abandono é uma forma de ansiedade. Frequentemente, começa na infância, quando uma criança passa por uma perda traumática.

As crianças que passam por essa experiência podem começar a temer perder outras pessoas importantes em suas vidas.

publicidade

Alguns indivíduos continuam a temer o abandono à medida que envelhecem.

Embora seja menos comum, o medo do abandono às vezes também pode começar na idade adulta.

Problemas de abandono podem ter um efeito significativo na vida e nos relacionamentos de uma pessoa.

Tratamento psicológico pode ajudar a reduzir a ansiedade.

publicidade

O medo do abandono tem um impacto negativo em seus relacionamentos.

Porém, existem coisas que você pode fazer para minimizar esses medos.

Quando o medo do abandono faz parte de um distúrbio mais amplo, ele pode ser tratado com sucesso com medicamentos e psicoterapia.

Como é o medo do abandono nos relacionamentos?

O medo do abandono não é uma condição independente de saúde mental, como a depressão. É uma forma de ansiedade e até mesmo uma fobia, em certos sentidos.

publicidade

Pessoas com medo do abandono podem ter problemas nos relacionamentos porque temem que a outra pessoa os deixe.

Os sinais e sintomas de problemas de abandono em adultos incluem:

  • Seu medo é tão significativo que você não se permite chegar perto o suficiente de ninguém para permitir que isso aconteça. Você pode pensar: “Pego, mas não me apego”.
  • Você se preocupa obsessivamente com suas falhas e com o que os outros podem pensar de você.
  • Você é o melhor para agradar as pessoas. Não quer correr o risco de que alguém não goste de você o suficiente para ficar por perto.
  • Você fica absolutamente arrasado quando alguém faz uma crítica ou fica chateado com você de alguma forma.
  • Você reage exageradamente quando se sente desprezado.
  • Você se sente inadequado e desagradável.
  • Você termina com um parceiro romântico, então ele não pode terminar com você.
  • Você é pegajoso, mesmo quando a outra pessoa pede espaço.
  • Você costuma ficar com ciúmes, desconfiar ou criticar seu parceiro.

10 sinais de que você tem medo do abandono

1. Você tem pressa para estar em um relacionamento.

Assim que você conhece alguém, vai do primeiro encontro para o namoro em um piscar de olhos.

Você acredita que, se não fizer isso, corre o risco de eles namorarem outra pessoa de quem mais gostam. Você não quer que eles sejam “os que escaparam”.

Não se dá o tempo e o espaço mental necessários para avaliar como está o relacionamento.

Você não se pergunta se essa pessoa é mesmo alguém com quem você poderia passar o resto de sua vida.

2. Você se esforça demais para agradar.

Seu objetivo é agradar as pessoas em todas as oportunidades, inclusive em seus relacionamentos.

O resultado são limites pessoais fracos e uma disposição para concordar com tudo o que seu parceiro deseja.

Você coloca o seu bem-estar em segundo lugar, depois do deles. Você tem medo de que, se não cumprir seus desejos, eles procurarão outro lugar.

Isso acabará levando a um conflito quando você começar a se ressentir de ter que fazer todas essas coisas.

E isso pode fazer você pular do barco, acreditando que as coisas nunca vão dar certo para vocês dois.

3. Você não se dá tempo para curar as feridas.

Quando um relacionamento termina, você não se dá tempo para respirar (e sofrer) antes de passar para o próximo.

Você não lida com as consequências emocionais da separação.

Em vez disso, pula de cabeça em algo novo e excitante para se distrair da mágoa e da dor que sente.

Você é uma daquelas pessoas que “precisam” estar em um relacionamento, porque ficam péssimas quando estão solteiras.

Infelizmente, você não está se dando tempo para processar a separação.

Você não está curando as feridas que ela pode ter causado.

4. Você tem foco nas falhas do seu parceiro.

Às vezes, não é o caso de a combinação não ser boa; é que você não permite que seja.

Seus problemas de abandono significam que você se concentra nas falhas de seu parceiro. Você ignora todos os seus atributos positivos.

Dessa forma, quando as coisas finalmente derem errado, você pode dizer a si mesmo que a pessoa não era a certa para você.

Você busca uma perfeição que não existe em nenhum outro lugar a não ser em sua cabeça.

Infelizmente, essa abordagem provavelmente contribuirá para o colapso de seu relacionamento.

5. Você tem medo de “baixar a guarda”.

Baixar a guarda é mostrar vulnerabilidade, e você não está preparado para arriscar o dano que isso pode causar.

Portanto, você mantém sua guarda alta e compensa de outras maneiras.

Por exemplo, você se concentra na intimidade física e tenta agradar seu parceiro, conforme mencionado acima.

O problema é que, embora você possa ficar feliz em viver sem essas coisas, seu parceiro provavelmente não estará. E se, se ele não estiver, pode questionar o futuro de vocês.

6. Você não admite, mas se sente indigno de amor.

O que o impede de ser emocionalmente íntimo de alguém é um sentimento arraigado de indignidade.

Você simplesmente não consegue ver como alguém poderia amá-lo, então dá um jeito de ninguém dizer que o ama. Ou seja, você se esforça para não ser amável.

Em sua mente, não há como alguém realmente amá-lo, porque você luta para amar a si mesmo.

Sua autoestima não existe. Você duvida de cada decisão que toma.

Você sofre de ansiedade em relação à maioria das coisas (não apenas os seus relacionamentos).

7. Você não acredita na lealdade do parceiro.

Em sua mente, há uma grande chance de que seu parceiro esteja sendo infiel.

Não importa que qualquer outro relacionamento que seu parceiro tenha seja puramente platônico.

Previsivelmente, muito do seu ciúme se concentrará em membros do sexo oposto.

Porém, você também fica com ciúmes quando seu parceiro passa o tempo com amigos do mesmo sexo e do prazer que eles têm com isso.

Esse comportamento de ciúme vai prejudicar seu relacionamento. Provavelmente, causará discussões e ressentimentos.

Sua mente evoca imagens de infidelidade e você acha difícil confiar totalmente em um parceiro.

A confiança exige que você seja vulnerável e você odeia baixar a guarda.

Você diz a si mesmo que é melhor presumir o pior e provar que está errado do que o contrário. Esse é o pessimista em você tomando o controle.

Infelizmente, seu parceiro deseja se sentir confiável. Afinal, não é bom sentir que alguém que você ama não acredita em você.

8. Você não suporta ficar longe do seu parceiro.

Estarem separados fornece o ambiente mental perfeito para o medo do abandono prosperar.

Seus pensamentos entram em um círculo perigoso, no qual você imagina seu parceiro terminando as coisas com você. Você pensa sobre o trauma e a turbulência em que isso resultará.

Seu corpo reage a esses pensamentos como se eles fossem realmente verdadeiros e você sofre crises de extrema ansiedade e depressão.

9. Você analisa tudo o tempo todo.

Sua mente não deixa nada passar despercebido. Você vê e ouve tudo e depois começa a trabalhar, tentando descobrir o significado oculto de tudo isso.

Não existe um pequeno comentário ou um ato insignificante quando você está por perto. Você é capaz de pegar cada pequena coisa e atribuir a ela muito mais peso do que ela merece.

Isso pode ser uma fonte de conflito, porque seu parceiro pisará em ovos ao seu redor por medo de incomodá-lo.

10. Você precisa ter o controle.

Você tenta controlar suas inseguranças, mas isso exige que você controle todo o resto também.

Seus problemas de abandono provavelmente decorrem de experiências passadas em que você não tinha controle sobre o resultado de algo.

O resultado é que você procura microgerenciar sua vida e seu relacionamento para tentar evitar situações semelhantes e o mesmo resultado.

Você teme a imprevisibilidade de se deixar levar e navegar com o vento.

Isso pode fazer com que seu parceiro se sinta diminuído como indivíduo, porque não tem liberdade para fazer suas próprias escolhas!