Duas maneiras eficazes de superar a preocupação e a ansiedade

Perguntas para quando os pensamentos começam a ficar fora de controle.

publicidade

Eu quero explorar duas grandes crenças ligadas à ansiedade.

As duas não são necessariamente conscientes; elas são mais uma corrente invisível.

Mas como uma correnteza, essas águas podem ser perigosas ou até mesmo te derrubar.

publicidade

1. “O pior cenário certamente vai acontecer.”

maneiras infalíveis de parar de se preocupar e superar a ansiedade

Você provavelmente conhece alguém que consegue encontrar a esperança em qualquer infortúnio: um ente querido morre e eles são gratos pelo sofrimento da pessoa ter terminado. Eles foram demitidos, mas apreciam a oportunidade de começar de novo.

Por outro lado, você provavelmente conhece alguém que reclama de tudo: a praia era muito arenosa. A sangria era muito frutada.

E você provavelmente conhece (ou é) alguém que pode imaginar o pior cenário possível para qualquer situação: você está com dor de cabeça? É um tumor cerebral! Há trânsito? Seu chefe certamente notará quando você chegar atrasado. Férias em Cancun por uma semana? Se você beber a água, ficará doente o tempo todo!

publicidade

Esse é o dúbio poder da ansiedade – a capacidade de amplificar uma situação que varia de ambígua a levemente ameaçadora para uma catástrofe total.

Às vezes isso é útil – você vê seus filhos arrastando um tobogã pelo escorregador e presumindo que eles não estão apenas pensando em apreciar a vista do topo.

Mas outras vezes não é tão útil, podemos prever grandes problemas em pequenos desafios: você comete um erro no trabalho e teme que seja demitido. Seu parceiro não responde a uma mensagem, então ele deve estar com raiva de você.

Às vezes nem temos certeza do que estamos ansiosos; estamos simplesmente convencidos de que algo de ruim vai acontecer.

O que você deve fazer quando o seu cérebro faz de um montinho de terra o Monte Everest?

publicidade

O desafie!

Quando o pior cenário começar a te assustar, pergunte a si mesmo: “Quão ruim seria isso, de verdade?” Em outras palavras, você está realmente enfrentando um desastre de proporções épicas?

Por exemplo, “E se não recebermos ofertas na casa?” Quão ruim seria isso? Dê um passo atrás e pense. “Não seria ideal. Eu teria que repensar algumas decisões financeiras, mas poderia colocá-la no mercado novamente no ano que vem”.

A segunda pergunta a ser feita é: “Quais são as chances?”

Qual é a probabilidade que você realmente tenha um tumor no cérebro? É mais provável que você esteja estressado ou desidratado? Quais são as chances de que sua parceira não tenha te mandado uma mensagem de volta porque ela está brava? É possível que ela esteja ocupada ou tenha deixado o telefone no carro?

Pelo menos uma dessas perguntas – se não as duas – deve abordar a maioria dos seus pensamentos ansiosos.

2. “Eu não consigo lidar com isso.”

maneiras infalíveis de parar de se preocupar e superar a ansiedade

A segunda razão para a ansiedade é que achamos que estamos desamparados. Faz sentido: se não nos sentimos preparados, ficamos ansiosos.

A ansiedade nos faz duvidar de nossas habilidades, e assim nosso medo parece um fato. Nos sentimos incapazes, por isso acreditamos que devemos ser incapazes. Nos sentimos oprimidos, então devemos ser.

Qual é a melhor maneira de reagir quando o medo parecer real?

O desafie também!

Sua pergunta mágica aqui é: “O que eu poderia fazer?” Pense em todos os recursos que pode usar para lidar com as ansiedades que podem se tornar realidade – amigos, família, força interior, plano de saúde, ousadia, etc.

Como você lidaria? O que você poderia fazer?

Se você realmente tivesse um tumor no cérebro (mesmo sabendo que provavelmente é apenas uma dor de cabeça), o que você faria? Você encontraria um bom oncologista, tiraria uma folga do trabalho, iria aderir aos seus tratamentos e confiaria em amigos e familiares.

Não seria moleza – seria muito, muito difícil. Mas o ponto é que haveria coisas que você poderia fazer. A situação não seria sem esperança.

Felizmente, a maioria das nossas preocupações não são tão traumáticas. E se chover nos feriados? O que você faria? Poderia conhecer todos os museus da cidade ou comprar um guarda-chuva bem grande e sair, apesar do tempo.

Está preocupado que você nunca encontrará o parceiro certo? Bem, o que você poderia fazer? Aproveite sua vida, passe tempo conhecendo pessoas e confie que a pessoa certa virá eventualmente. E se não vier, você ainda terá construído uma grande vida com um amplo círculo de amigos.

Suas preocupações podem parecer esmagadoras, mas você pode lidar com praticamente qualquer coisa que a vida lhe cause, fáceis ou difíceis.

Bônus: enquanto caça a ansiedade na selva do seu cérebro, procure a plumagem característica de um ponto de interrogação.

Afirmações ansiosas são quase sempre colocadas como perguntas: e se? O que então? E agora?

E as perguntas são escorregadias – são difíceis de combater e a resposta é quase sempre negativa.

Quando você se pega fazendo perguntas que começam com “E se…” mude sua pergunta para uma afirmação e a desafie.

Por exemplo, “E se o avião cair?” é difícil responder positivamente – isso seria um desastre. Mude a questão para uma afirmação – “O avião vai cair” – e agora você pode lidar com isso perguntando: “Quais são as chances de isso acontecer?”

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Psychology Today, escrito por Ellen Hendriksen, Ph.D.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos