in ,

10 fatos radiantes sobre Marie Curie

Nascida na Polônia em 1867 como Maria Salomea Skłodowska, Marie Curie cresceu e se tornou uma das mais notáveis cientistas de todos os tempos.

Sua longa lista de elogios é uma prova de sua enorme influência, mas nem todas as suas conquistas nos campos da química, física e medicina foram reconhecidos com um prêmio.

Aqui estão alguns fatos que talvez você não saiba sobre esta icônica pesquisadora.

1. Os pais de Marie Curie eram professores.

Maria Skłodowska era a quinta e mais nova filha de dois educadores poloneses. Seus pais valorizaram o aprendizado e insistiram para que todos os filhos — inclusive as filhas — recebessem uma educação de qualidade em casa e na escola.

Maria recebeu treinamento extra de ciências do pai e, quando se formou no colegial aos 15 anos, foi a primeira da turma.

2. Marie Curie teve que buscar educação alternativa para mulheres.

Depois de receber seu diploma do ensino médio, Maria esperava estudar na Universidade de Varsóvia com sua irmã, Bronia. Como a escola não aceitava mulheres, as irmãs se matricularam na Flying University, uma faculdade polonesa que recebia estudantes do sexo feminino.

Ainda era ilegal as mulheres receberem ensino superior naquela época, portanto a instituição estava constantemente mudando de local para evitar ser identificada pelas autoridades.

Em 1891, Maria mudou-se para Paris para morar com sua irmã, onde se matriculou na Sorbonne para continuar sua educação.

3. Marie Curie é a única pessoa a ganhar prêmios Nobel em duas ciências distintas.

Marie Curie e seu marido, Pierre Curie, em 1902.
Marie Curie e seu marido, Pierre Curie, em 1902. Foto: Agence France Presse, Getty Images.

Em 1903, Marie Curie fez história quando ganhou o Prêmio Nobel de física com seu marido, Pierre, e com o físico Henri Becquerel por seu trabalho em radioatividade, fazendo dela a primeira mulher a receber a honra.

O segundo Prêmio Nobel que ela levou para casa, em 1911, foi ainda mais histórico: com essa vitória na categoria química, ela se tornou a primeira pessoa a ganhar o prêmio duas vezes. E ela continua sendo a única pessoa a receber prêmios Nobel por duas ciências diferentes.

4. Marie Curie adicionou dois elementos à tabela periódica.

O segundo Prêmio Nobel que Marie Curie recebeu reconheceu sua descoberta e pesquisa de dois elementos: rádio e polônio. O primeiro elemento foi nomeado devido à palavra latina para raio e a última foi um aceno para seu país de origem, a Polônia.

5. O Prêmio Nobel se espalhou pela família de Marie Curie.

A filha de Marie Curie, Irène Joliot-Curie, e seu marido, Frédéric Joliot-Curie, por volta de 1940.
A filha de Marie Curie, Irène Joliot-Curie, e seu marido, Frédéric Joliot-Curie, por volta de 1940. Foto: Central Press, Hulton Archive, Getty Images.

Quando Marie Curie e seu marido, Pierre, ganharam o Prêmio Nobel em 1903, sua filha Irène tinha apenas 6 anos de idade. Ela cresceria para seguir os passos de seus pais ao ganhar em conjunto o Prêmio Nobel de Química com seu marido, Frédéric Joliot-Curie, em 1935.

Eles foram reconhecidos pela descoberta da radioatividade “artificial”, um avanço que foi possível graças aos pais de Irène anos antes.

O outro genro de Marie e Pierre, Henry Labouisse, que se casou com sua filha mais nova, Ève Curie, recebeu um Prêmio Nobel da Paz em nome da UNICEF, onde ele era diretor executivo, em 1965. Isso elevou o total da família para cinco prêmios.

6. Marie Curie fez seu trabalho mais importante em um galpão.

A pesquisa que deu o primeiro Prêmio Nobel a Marie Curie exigiu horas de trabalho físico. Para provar que haviam descoberto novos elementos, ela e o marido tiveram que produzir vários exemplos deles, decompondo o minério em seus componentes químicos.

Como os laboratórios regulares não eram grandes o suficiente para acomodar o processo, eles mudaram o trabalho para um antigo galpão atrás da escola onde Pierre trabalhava.

Segundo Curie, o espaço era uma estufa no verão e úmida no inverno, com um teto de vidro que não os protegia totalmente da chuva.

Depois que o famoso químico alemão Wilhelm Ostwald visitou o galpão dos Curie para ver o local onde o rádio foi descoberto, ele o descreveu como sendo “um cruzamento entre um estábulo e um galpão de batata, e se eu não tivesse visto a mesa de trabalho e o aparato químico, teria pensado que fui alvo de uma pegadinha”.

7. Os cadernos de Marie Curie ainda são radioativos.

Os cadernos radioativos de Marie Curie.
Os cadernos radioativos de Marie Curie. Foto: Arquivo Hulton, Getty Images.

Quando Marie Curie estava realizando sua pesquisa mais importante sobre radiação no início do século 20, ela não tinha ideia dos efeitos que isso teria sobre sua saúde. Não era incomum ela andar pelo laboratório com garrafas de polônio e rádio nos bolsos.

Em sua autobiografia, ela até descreveu como armazenar o material radioativo ao ar livre.

“Uma de nossas alegrias era entrar em nossa sala de trabalho à noite; então percebíamos por todos os lados as silhuetas luminosas dos frascos de cápsulas contendo nossos produtos […] Os tubos brilhantes pareciam fadas iluminadas.”

Não é surpresa que Marie Curie morreu de anemia aplástica, provavelmente causada por exposição prolongada à radiação, em 1934. Até seus cadernos ainda são radioativos um século depois.

Hoje eles são armazenados em caixas forradas de chumbo e provavelmente permanecerão radioativos por mais 1500 anos.

8. Marie Curie se ofereceu para doar suas medalhas ao esforço de guerra.

Marie Curie só obteve os louros do Nobel duplo por alguns anos, quando decidiu se separar de suas medalhas.

No início da Primeira Guerra Mundial, a França fez um pedido de ouro para financiar o esforço de guerra, então Curie se ofereceu para derreter suas duas medalhas. Quando os funcionários do banco se recusaram a aceitá-las, ela se contentou em doar seu prêmio em dinheiro para comprar títulos de guerra.

9. Marie Curie desenvolveu um raio-x portátil para tratar soldados.

Marie Curie, por volta de 1930.
Marie Curie, por volta de 1930. Foto: Keystone, Getty Images.

O desejo de Marie de ajudar a França a combater a nova guerra não terminou aí.

Depois de fazer a doação, ela se interessou por raios-x — não muito longe de seu trabalho anterior com rádio — e não demorou muito para perceber que a tecnologia emergente poderia ser usada para ajudar soldados no campo de batalha.

Curie convenceu o governo francês a nomeá-la Diretora do Serviço de Radiologia da Cruz Vermelha e convenceu seus amigos ricos a financiar sua ideia para uma máquina de raio-x móvel.

Ela aprendeu a dirigir e operar o veículo e tratou soldados feridos na Batalha de Marne, ignorando os protestos de médicos militares céticos. Sua invenção foi comprovadamente eficaz em salvar vidas e, finalmente, 20 “pequenos Curies”, como eram chamadas as máquinas de raio-x, foram construídos para a guerra.

10. Marie Curie fundou Centros para Pesquisa Médica.

Após a Primeira Guerra Mundial, Marie Curie embarcou em uma missão de captação de recursos diferente, desta vez com o objetivo de apoiar seus centros de pesquisa em Paris e Varsóvia.

Os institutos de rádio de Curie foram locais de importantes trabalhos, como a descoberta de um novo elemento, francium, de Marguerite Perey, e o desenvolvimento da radioatividade artificial por Irène e Frederic Joliot-Curie.

Os centros, agora conhecidos como Instituto Curie, ainda hoje são usados como espaços para pesquisas vitais no tratamento do câncer.

Via: Mental Floss.

Redação

Written by Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este famoso tronco de árvore flutua verticalmente há 120 anos e ninguém sabe o porquê

25 monumentos históricos e culturais que estão em risco