Um distúrbio autoimune a deixou paralisada, mas ela surpreendeu o mundo com sua reviravolta

publicidade Algo aconteceu quando Arlen tinha apenas 11 anos de idade. Primeiro, houve uma dor no lado direito. Foi grave. Seus pais a levaram para o hospital. O que era esperado para ser apenas uma visita de rotina ao médico provou ser tudo menos normal… Incapaz de conversar ou se mover, Arlen teve que encontrar […]

publicidade

Algo aconteceu quando Arlen tinha apenas 11 anos de idade. Primeiro, houve uma dor no lado direito. Foi grave. Seus pais a levaram para o hospital. O que era esperado para ser apenas uma visita de rotina ao médico provou ser tudo menos normal…

Incapaz de conversar ou se mover, Arlen teve que encontrar maneiras de passar o tempo. Ela manteve a mente afiada estudando multiplicação e ouvindo as vozes na sala ao seu redor, mas eles não tinham ideia de que ela podia ouvir tudo o que estavam dizendo.

publicidade

Raridade


Quando Victoria Arlen nasceu, ela já era uma raridade. Ela nasceu de trigêmeos. Ela e seus dois irmãos começaram a vida em Boston, Massachusetts. A família então se mudou para Exeter, New Hampshire. O que essa pequena família não sabia é que sua filha cresceria para inspirar uma nação.

Bebê aquático


Arlen era uma criança muito ativa. Ela gostava de dançar. Mas o que ela realmente adorava fazer era nadar. Sua família a descreveu como um “bebê aquático”. Seu amor pelo esporte e pela água provaria impulsioná-la adiante mais tarde em sua vida, mas somente depois que ela aprendeu algumas lições incríveis.

O sonho dela


Arlen teve um sonho. Quando ela tinha cinco anos, sua professora perguntou o que ela queria fazer quando crescesse. Resposta de Arlen? “Ganhar uma medalha de ouro.” Arlen sempre soube que queria realizar coisas incríveis e um dia conseguiria fazer isso. Para chegar lá, ela primeiro teve que superar uma adversidade incrível.

Algo errado


Mas então algo aconteceu quando Arlen tinha 11 anos. Primeiro, houve uma dor no lado direito. Foi grave. Seus pais a levaram para o hospital. O que era esperado para ser apenas uma visita de rotina ao médico provou ser tudo menos normal…

publicidade

Somente o começo


Pensando que era o apêndice dela, os médicos o removeram. Mas isso não resolveu o problema. Ela começou a perder peso rapidamente. E a dor no lado direito não foi embora. Sua consulta estava se mostrando uma anormalidade médica para a qual os médicos não estavam preparados.

Não era só uma dor no lado direito mais…


Arlen ficou progressivamente pior. As pernas dela cederam. Seu funcionamento cognitivo também. Suas habilidades motoras também desapareceram. Certamente não era um caso normal de apendicite ou qualquer coisa que seus pais esperavam quando a trouxeram para o hospital. Não era somente uma dor no lado direito mais…

A causa


Havia inchaço no cérebro e na medula espinhal de Arlen. A causa? Dois distúrbios autoimunes raros. Os distúrbios são mielite transversa e encefalomielite disseminada aguda. Ambas as condições causam inflamação anormal. Essa inflamação pode mexer com os nervos da medula espinhal e levar a fraqueza, dor e paralisia.

O prognóstico


Arlen entrou em estado vegetativo. Não só isso, parecia permanente. Ela seria um vegetal pelo resto da vida. Os médicos compartilharam a notícia com seus pais devastados.

Presa


Mas eles não perceberam uma coisa chocante. Arlen podia ouvi-los da cama do hospital! Ela não podia, no entanto, dizer nada. “Estou achando que estou tendo uma conversa completa, percebendo que não consigo mexer os olhos e não consigo mexer a cabeça. E ninguém está respondendo para mim” – ela disse, olhando para trás naquele momento horrível.

publicidade

Ninguém sabia


Nem seus pais nem seu médico sabiam que ela podia ouvi-los. “Os médicos diziam, basicamente, que era o fim. Eu não ia conseguir. E se eu conseguisse, provavelmente seria um vegetal pelo resto da minha vida”, disse ela.

 

Perdendo três anos


Mas ela não estava consciente no segundo em que entrou em seu suposto estado vegetativo. Para Arlen, tudo ficou escuro em 2006. Ela ficou consciente novamente em 2009. Nesse período, Arlen disse: “Eu era como um fantasma vivendo nesta concha de um ser humano”.

Passando o tempo


Incapaz de conversar ou se mover, Arlen teve que encontrar maneiras de passar o tempo. Na sua cabeça, ela escreveu roteiros. Ela ouvia televisão. Ela também praticava suas tabuadas. É incrível o que a mente pode fazer, mesmo quando o corpo em que está dentro falha.

Um avanço


Arlen estava tendo convulsões, então os médicos lhe deram medicamentos para convulsões. Mas algo permitiu que ela recuperasse o controle parcial. Arlen disse: “Eu tive esse momento em que percebi que podia piscar e tive contato visual.” A mãe dela percebeu. “Ela pensou: ‘Se você pode me ouvir, você pode piscar? Você pode piscar duas vezes?’ E eu era como esse pisca-pisca louco. E ela ficou tipo, ‘Oh, meu Deus! Ela está lá!’ E minha família percebeu que eu estive lá o tempo todo.”

Caminho para a recuperação


Mas piscar foi apenas o primeiro passo de uma jornada longa e difícil. Em sua recuperação, ela precisava trabalhar com muitos terapeutas: fala, ocupacional e física. “Lentamente, eu conseguia dizer algumas palavras. E eu continuei progredindo”, disse ela. Mas havia uma barreira que ela não conseguia atravessar.

Empacada


Arlen ainda não conseguia mexer as pernas. Ela estava confinada a uma cadeira de rodas. Apesar de poder falar e se mover novamente, infelizmente, essa era uma barreira que ela não iria atravessar. “Me disseram que eu ficaria em uma cadeira de rodas pelo resto da minha vida”, disse ela. Mas mesmo isso parecia incrivelmente afortunado, considerando seu prognóstico anterior.

 

Voltando à Sua Paixão


Mas ela conseguia nadar, se não fosse por uma coisa. Ela estava com medo. “O pensamento de entrar em uma piscina onde minhas pernas não funcionavam e eu não tinha apoio total do tronco me aterrorizou”, disse ela. Seus irmãos, William e Cameron, não tinham medo.

Apenas continue a nadar


Eles colocaram um colete salva-vidas na irmã. Então eles pularam na água com ela. Lentamente, Arlen superou o medo. Ela começou a nadar diariamente. E essa seria uma das melhores decisões que ela já tomara.

Uma candidata

superação

No começo, nadar era difícil. A adolescente Arlen estava sendo superada por crianças de 8 anos. Mas ela logo encontrou forças e começou a participar de competições, até os Jogos Paralímpicos de Verão de 2012.

Um sonho olímpico


Arlen encontrou um treinador para ajudá-la. Então, ela chegou ao time dos EUA. Ela logo iria aos Jogos Paralímpicos de Verão de 2012. Ela estava a caminho de alcançar o sonho que havia contado à professora tantos anos antes.

Em busca do ouro


Arlen ganhou impressionantes três medalhas de prata. Esse, no entanto, não era o sonho dela. Em sua última noite de competição, aconteceu. Ela ganhou ouro. Assim como ela disse à professora que queria antes que essa provação incrível acontecesse.

Um momento emocionante


Não foi apenas uma vitória para Arlen, mas toda a sua família. Do pódio, ela podia ver sua família chorando. “Ainda me emociono que eles estavam chorando lágrimas de alegria”, disse ela. “E foi tão poderoso porque, pela primeira vez em toda essa jornada, não estávamos chorando lágrimas de dor, lágrimas de medo.

Estávamos chorando lágrimas de alegria e poderíamos comemorar. Finalmente, poderíamos pensar que estamos bem. As coisas vão ficar bem.”

Não pode parar, não vai parar


Mas a jornada de Arlen não terminou aí. Ela ainda estava determinada a andar. Ela queria ingressar no Project Walk, uma terapia promissora, mas eles não tinham instalações na costa leste, onde ela morava. No entanto, Arlen estava acostumada a superar barreiras.

Imparável


Seus pais abriram um Project Walk em Boston, na costa leste. Mas essa recuperação não seria um passeio no parque. Ela tinha que fazer isso por seis horas por dia. Não só isso, mas ela só tinha um dia ou dois para descansar toda semana. Ela estava em terapia por cinco ou seis dias, toda semana.

Uma caminhada para relembrar


Mas ela conseguiu! Passaram dois anos antes que ela desse o primeiro passo, mas ela o fez. No entanto, foi preciso muito trabalho para chegar lá. “Você não pode alcançar o impossível sem colocar uma quantidade de trabalho ‘impossível'”, disse ela.

Da caminhada à dança


Ela não apenas andava – ela dançava. Arlen passou a competir em “Dancing with the Stars”. Surpreendentemente, ela fez isso apesar de não sentir nada nas pernas. “É realmente difícil descrever o que isso significa”, disse ela. “Não há nada lá. Eu aprendi a andar sem sentir minhas pernas.” Arlen é uma verdadeira raridade – do estado vegetativo, ao paralímpico, ao dançarino. Realmente não há ninguém como ela.

Para o alto e além


Hoje, Victoria usa sua experiência atlética como comentarista da ESPN, onde cobre eventos esportivos e entrevista atletas como ela. Ela também lançou um livro sobre sua incrível experiência, provando que ela pode fazer tudo o que pensa!

COMENTÁRIOS | Deixe sua opinião!

comments