Dez filmes que destacam o melhor da humanidade

Esqueça o Oscar.

publicidade

Esqueça o Oscar.

Enquanto a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas reconhece as realizações em atuação, direção, edição e assim por diante, nós escolhemos nossos vencedores por sua capacidade de ilustrar elementos fundamentais específicos para o bem-estar humano, como resiliência, propósito e perdão.

Alguns dos filmes são blockbusters repletos de ação, como Mulher Maravilha ou Star Wars: Os Últimos Jedi; outros são filmes independentes e tranquilos como Projeto Florida e Lady Bird: A Hora de Voar.

publicidade

Esperamos que esta lista ajude você a ver todos esses filmes sob uma nova luz – e talvez você possa aplicar suas percepções em sua própria vida.

O Prêmio de Resiliência: Me Chame Pelo Seu Nome

Filmes que destacam o melhor da humanidade

Quando Elio Perlman, de 17 anos, se encontra pela primeira vez com o estudante de doutorado Oliver, eles não parecem gostar muito um do outro – e quando se separam, é doloroso.

publicidade

Me Chame Pelo Seu Nome é sobre o que acontece entre esses dois eventos, como Elio e Oliver se apaixonam em meio à beleza decadente e banhada pelo sol da Lombardia, na Itália.

Ao longo do caminho, aprendemos muito sobre resiliência. Na cena de sete minutos que fecha o filme, um Elio devastado fica olhando para o fogo enquanto lágrimas rolam pelo rosto – mas nós sabemos que ele vai ficar bem.

Por quê?

Principalmente porque Elio está longe de estar isolado. Seu pai sabe antes de Elio que ele está se apaixonando por Oliver. Em vez de intervir ou dar uma lição, o Dr. Perlman observa e espera – e mantém a conexão com o filho, mesmo quando o adolescente se afasta.

publicidade

“A natureza tem maneiras engenhosas de encontrar o nosso ponto mais fraco”, diz ele em um ponto, sabendo que mais cedo ou mais tarde todos nós levamos um golpe.

Em sua impressionante cena final juntos, o pai aborda o filho com a verdade da maneira mais compassiva possível, revelando que ele sabia sobre o caso e encorajando gentilmente Elio a ganhar alguma perspectiva.

“Ele era bom, e vocês tiveram a sorte de terem encontrado um ao outro, porque… você também é bom”, diz ele. Ele complementa:

“Eu posso ter chegado perto, mas nunca tive o que vocês dois têm. Algo sempre me segurava ou ficava no caminho. Como você vive sua vida é problema seu, apenas lembre-se, nossos corações e nossos corpos são dados a nós apenas uma vez.”

“E antes que você perceba, seu coração está desgastado e, quanto ao seu corpo, chega um ponto em que ninguém olha para ele, muito menos quer se aproximar dele. Agora, há tristeza, dor. Não estrague tudo e, com isso, a alegria que você sentiu.”

É a própria conexão com o pai que ajuda Elio a ter um coração partido, mas o conteúdo da mensagem do Dr. Perlman também é importante. O sofrimento é uma parte da vida, diz ele ao filho – e também a alegria, o prazer e o amor.

Nós nos fortalecemos quando nos permitimos sentir e lembrar de tudo isso. — Jeremy Adam Smith

O Prêmio de Propósito: Viva – A Vida é Uma Festa

Filmes que destacam o melhor da humanidade

Até agora, é bem reconhecido que, em linhas gerais, a Pixar Animation Studios produz dois tipos de filmes: o que vende muitos brinquedos (como as franquias Carros e Monstros S.A.) e o tipo que usa animação e narrativa para ressoar com os adultos.

O filme de 2017, Viva – A Vida é Uma Festa, cai no campo dos adultos: o jovem e talentoso herói da guitarra viaja entre os mundos dos vivos e dos mortos, a fim de descobrir pistas sobre a antiga e complicada relação de sua família com a música.

A história tem reviravoltas que poucos adultos vão esperar, e finalmente o filme reúne vários temas relacionados ao site, como encontrar perdão para aqueles que achamos que nos prejudicaram (spoiler: essas pessoas nem sempre são quem nós pensamos que são).

Mas nós estamos dando a Viva – A Vida é Uma Festa um prêmio porque ele revela o poder dos objetivos significativos e de longo prazo para moldar nossas vidas.

Miguel, o protagonista de 12 anos, é levado a se tornar um músico. Graças a uma tragédia, Miguel deve manter seu amor pela música em segredo de sua família – até que ele diga que deseja tocar no show de talentos do Dia dos Mortos.

Quando sua vovó quebra seu violão e o proíbe de jogar, Miguel anuncia que não quer mais fazer parte da família e foge.

Desesperado para tocar no show de talentos naquela noite, Miguel invade o mausoléu de uma lenda musical da cidade para pegar emprestado seu violão. Isso desencadeia uma série de transformações que levam Miguel à terra dos mortos.

Segundo o psicólogo William Damon, “o propósito é parte da busca pessoal de significado, mas também inclui o desejo de fazer a diferença no mundo, de contribuir para assuntos maiores que o ‘eu’”.

Para Miguel, sua intenção de se tornar músico é guiada por seu anseio de se conectar com seus ancestrais, e esse objetivo o leva a resolver um mal-entendido de longa data sobre seus ancestrais, garantindo que suas identidades verdadeiras sejam conhecidas e que suas memórias sobrevivam.

Quando ele retorna para sua família (viva), o amor de Miguel pela música se torna um meio de conectar os membros de sua família através do tempo e da distância.

“Nosso amor um pelo outro vai durar para sempre em cada batida do meu orgulhoso corazón”, ele canta. — Maryam Abdullah and Jesse Antin

O Prêmio de Poder Socialmente Inteligente: O Destino de Uma Nação

Filmes que destacam o melhor da humanidade

No início de O Destino de Uma Nação – e não há realmente nenhuma maneira legal de dizer isso – o primeiro-ministro Winston Churchill é um idiota da classe dominante.

Ele é desagradável com pessoas com menos poder do que ele, desapegado do sofrimento e incapaz de persuadir os outros, porque não consegue se colocar no lugar deles. Como quando ele grita para um subordinado: “Pare de me interromper enquanto eu estou interrompendo você!”

De muitas maneiras, este Churchill incorpora o modo como o cofundador do Greater Good Science Center, Dacher Kelter, concebe o poder.

“As habilidades mais importantes para obter poder e liderar efetivamente são as mesmas habilidades que se deterioram quando temos poder”, ele escreve em seu ensaio “The Power Paradox”.

As soluções de Keltner são as que Churchill deve adotar para salvar as tropas em Dunquerque: Ele aprende a ouvir e a ter empatia, por mais imperfeito que seja.

Na história do filme, Churchill é cercado por homens que são muito parecidos com ele: ricos, primogênitos, educados e poderosos.

Esses homens, por sua vez, são muito mais simpáticos ao fascismo que o resto do público britânico, e insistem continuamente que Churchill faça as pazes com Hitler e Mussolini.

O filme vira em uma cena, (aparentemente apócrifa) quando Churchill se aventura no metrô de Londres para falar sobre a guerra com mulheres e homens da classe trabalhadora.

Através de uma série de perguntas, ele descobre que eles estão dispostos a fazer os sacrifícios necessários para deter o fascismo.

Esse conhecimento do grupo de foco fortalece sua determinação, mas ele ainda precisa encontrar as habilidades para persuadir o rei, seu gabinete e o parlamento a lutar contra os poderes do Eixo, em vez de se renderem.

O resto, como dizem, é história.

Churchill é, sem dúvida, deficiente como um exemplo para nossa concepção de poder como algo que deve ser exercido com empatia e responsabilidade.

E, no entanto, nenhum outro filme no ano passado defendeu com tanta força o poder socialmente responsável. Churchill é falho – e seu heroísmo surge de seu triunfo sobre seus piores instintos.

Como a esposa de Churchill, Clementine, diz a ele: “Você é forte porque é imperfeito. Você é sábio porque tem dúvidas.” — Jeremy Adam Smith

O Prêmio Empatia: Projeto Flórida

Filmes que destacam o melhor da humanidade

No arrojado documentário Projeto Florida, crianças precoces de seis anos correm pelos campos e prédios abandonados ao redor de um motel onde moram, chamado de “O Castelo Mágico”.

O diretor Sean Baker justapõe sua energia irreprimível e alegria com cenas de pobreza e caos, tudo pertinho do Mundo Disney.

Através deste retrato vívido e assombroso de uma comunidade de famílias que vivem no Castelo Mágico, o filme explora a empatia em vários níveis.

“Eu sempre posso dizer quando os adultos estão prestes a chorar”, diz o jovem Moonee para sua amiga Scooty. Eles estão secretamente assistindo a mãe de Moonee, que vende perfume e seu corpo para sobreviver.

Ao longo do filme, nos perguntamos o quanto Moonee entende a vida desesperada de sua mãe – e esse momento revela que ela entende e sente mais do que provavelmente deveria.

Moonee tem pelo menos um adulto no filme que tenta cuidar dela.

Willem Dafoe, indicado ao Oscar, interpreta um gerente de hotel um pouco ineficiente, Bobby, que observa as mães solteiras e as crianças no prédio com um olhar empático e protetor.

Bobby não diz muito, e Dafoe transmite sua empatia através de seus olhos, gestos e ações.

Você sente tanto a compaixão quanto o desamparo dele ao testemunhar as dificuldades das crianças na propriedade (embora provavelmente se debatendo com seus próprios fracassos pessoais e privados).

Há apenas alguns filmes que me emocionaram tanto ao ponto de começar a chorar depois de assisti-los. Este foi um deles. Este é um cineasta que representa as pessoas que vivem na pobreza com equilíbrio, veracidade e visão imaginativa.

Baker não se esforça para provocar simpatia ou compaixão; ele nos leva a sentir profundamente esses personagens – principalmente pelos olhos das crianças. — Amy L. Eva

O Prêmio Perdão: Lady Bird: A Hora de Voar

Filmes que destacam o melhor da humanidade

Como um filme que foca nos conflitos entre uma mãe e sua filha adolescente nos enche de inspiração? Lady Bird faz isso.

No filme, a protagonista, Lady Bird – nome dado a ela – descobre sua própria identidade e objetivos ao assumir riscos criativos, testando amizades e explorando sua sexualidade florescente.

O conflito surge quando sua mãe perturbada acha difícil sustentar suas escolhas. O filme está repleto de cenas em que mãe e filha discutem umas com as outras, incapazes de abraçar sua clara conexão.

O filme aborda muitos dos temas do site, mas especialmente a importância do perdão.

Em um exemplo, Lady Bird namora e se apaixona por um garoto que ela descobre que é homossexual. Enquanto ela, com raiva, o confronta com sua decepção, ele cai em lágrimas, expressando seus medos de se assumir para seus pais católicos.

Enquanto Lady Bird o conforta, você vê o perdão se abrindo, abrindo caminho para que permaneçam amigos.

Em outro exemplo, Lady Bird faz amizade com um grupo de garotas populares na escola para se aproximar de um garoto que ela gosta. Isso cria tensão entre ela e sua melhor amiga, que não é popular e se ressente de ser deixada de lado.

Eventualmente, Lady Bird percebe que não é divertido ter que fingir que você é alguém que você não é, e ela sente falta de sua velha amiga.

Depois de ver seu erro e pedir perdão, as duas se reconciliam e reparam o relacionamento – até comparecem ao baile juntas.

Enquanto isso, o conflito entre mãe e filha continua a ferver durante todo o filme. Em um ponto, Lady Bird diz a sua mãe: “Eu só queria… eu queria que você gostasse de mim.” Ao que sua mãe responde: “Claro que te amo”.

Nessa lacuna entre “gostar” e “amar”, vemos como mãe e filha entendem mal uma à outra – uma cena pontuada por uma porta fechada e a hesitação da mãe em bater à porta e tentar de novo.

Mas, como Lady Bird aprende a ver as dificuldades de sua mãe, ela percebe que a resistência da mãe a mudar é um disfarce para o amor e a preocupação.

No final, Lady Bird perdoa a mãe e abertamente agradece por seus muitos sacrifícios. — Jill Suttie

O prêmio de Mentalidade de Crescimento: Os Últimos Jedi

Filmes que destacam o melhor da humanidade

O último episódio da saga Star Wars é sobre o fracasso.

A coisa mais interessante que você pode dizer sobre o fracasso em Os Últimos Jedi é que não vemos muitos erros agradáveis e seguros, em que todos aprendem uma valiosa lição depois.

Não, essas são falhas sangrentas e emocionalmente devastadoras, de um tipo que muitas pessoas não podem conviver.

Os erros de Poe Dameron matam centenas de seus companheiros.

Luke Skywalker falha com Kylo Ren de todas as formas possíveis, o que leva diretamente à morte de seu melhor amigo, Han Solo, e (literalmente) milhões de outras pessoas – uma falha que ele insensivelmente vincula à história da Ordem Jedi.

Nem mesmo os vilões têm vida fácil: o líder supremo Snoke, o general Hux e o próprio Ren falham em algum momento. Sim, Ren sobe para governar a Primeira Ordem – apenas para ser humilhado no campo de batalha por Skywalker.

Como cada um desses personagens responde ao fracasso revela muito sobre eles.

Quando derrotado, Ren quebra seu sabre de luz e destrói tudo o que estiver ao seu alcance. Sua contrapartida, Rey, incorpora uma abordagem diferente, uma das nossas construções sociais e científicas favoritas aqui do site: a mentalidade de crescimento.

“Em uma mentalidade de crescimento, as pessoas acreditam que suas habilidades mais básicas podem ser desenvolvidas através de dedicação e trabalho duro – cérebros e talentos são apenas o ponto de partida”, escreve a psicóloga Carol Dweck.

Passe o que você aprendeu. Força, maestria. Mas fraqueza, loucura, fracasso também. Sim, falha acima de tudo. O maior professor, o fracasso é. Luke, nós somos o que eles crescem além. Esse é o verdadeiro fardo de todos os mestres”. ― Mestre Yoda

Quando nos encontramos com Rey no filme anterior, O Despertar da Força, ela era uma criança perdida e emocionalmente carente. Em Os Últimos Jedi, ela está aprendendo com seus erros e está começando a descobrir do que é verdadeiramente capaz.

Embora ela seja a Jedi mais poderosa da galáxia desde Anakin Skywalker, Rey também é humilde, de uma forma que a torna distintamente diferente dos outros heróis (masculinos) de Star Wars.

“Eu preciso de alguém para me mostrar o meu lugar em tudo isso”, ela diz a Luke em um momento. “Eu senti alguma coisa. Acordou, mas agora preciso saber como manejá-lo.”

Nós gastamos muito do filme assistindo ao treino de Rey e o esforço para entender a si mesma. — Jeremy Adam Smith

O prêmio de heroísmo não violento: A Forma da Água

Filmes que destacam o melhor da humanidade

Em um filme americano comum, o coronel Richard Strickland seria o herói. Ele é o chefe de segurança em uma instalação governamental ultrassecreta no auge da Guerra Fria.

Infelizmente, ele é tragicamente deformado por um sistema que não valoriza a vida, humana ou não.

Em vez de Strickland, o herói de A Forma da Água é uma faxineira muda chamada Elisa Esposito.

Ela desenvolve uma conexão secreta com uma criatura anfíbia que Strickland arrasta de volta de uma lagoa negra sul-americana – que floresce em um improvável romance entre espécies.

Elisa é impotente e marginal nesta América alternativa. Mas quando a criatura sem nome é ameaçada de vivissecção, ela une forças com dois amigos e um dissidente espião soviético para levá-lo para casa.

Há alguma violência em A Forma da Água, mas nenhum dos incidentes é heroico.

Agentes americanos e soviéticos se matam uns aos outros de maneira insensata e solitária, enquanto os verdadeiros heróis do filme – uma latina muda, um zelador negro e um artista comercial gay – atingem seus objetivos por meio da cooperação e da não violência.

A Forma da Água nem sempre faz sentido. (Por exemplo, o que há com aquela cena de sexo no banheiro?) E, no entanto, como muitos dos filmes do diretor Guillermo del Toro, ele é movido pela intensa lógica dos sonhos e imagens vívidas.

Isso faz com que pareça mais uma fábula, um tipo de história que usa criaturas não humanas para transmitir uma moral específica.

Qual é a moral do filme? Em O Monstro da Lagoa Negra – o filme de terror de 1954 que inspirou este filme – o enredo inteiro depende de um cara que resgata a garota de um monstruoso homem-peixe.

Em A Forma da Água, alguém muito parecido com aquele cara (Strickland) é o vilão, e sua derrota permite que a criatura e “a garota” (Esposito, na verdade, uma mulher adulta) finalmente se unam.

Desta forma, o filme ensina que devemos responder às diferenças com curiosidade, não com medo.

A moral da história é clara, simples e mais importante do que nunca: O amor é mais forte que a violência e o ódio. — Jeremy Adam Smith

O Prêmio Humanidade Comum: Extraordinário

Filmes que destacam o melhor da humanidade

Auggie Pullman nasceu com uma condição craniofacial.

Em Extraordinário, vemos ele fazer a transição de uma vida docemente protegida, educada em casa, repleta de procedimentos médicos, para o ambiente imprevisível e socialmente intenso de uma escola particular muito bem-intencionada – e, em última análise, inspira todo o lugar para melhor.

No começo, o desafio de Auggie é um embaraço esmagador. As pessoas se assustam à primeira vista, depois respondem com qualquer coisa entre bondade extremamente doce e hostilidade. Para Auggie, tudo parece um holofote indesejado.

Quando sua irmã mais velha, Via, apenas começando o ensino médio, tenta se solidarizar com ele, compartilhando seus próprios problemas, ele grita: “Dias ruins? Dias ruins? As pessoas evitam tocar em você? Quando as pessoas te tocam acidentalmente, chamam de praga?”

No entanto, alguns adultos e crianças esclarecidas na escola mudam a maré.

O diretor da escola, Sr. Tushman, conquista a confiança de Auggie com uma humildade boba e um interesse comum pela ciência.

Seu professor de história define um tom autêntico e sincero com bondade e atribuiu reflexões sobre princípios filosóficos humanistas.

Os colegas de classe Jack e Summer, de alguma forma sentindo a injustiça que ele enfrenta, veem e realmente fazem amizade com Auggie por quem ele é.

Outros colegas de escola entram na fila, não tratando mais Auggie como se ele fosse estranho. Os valentões da escola, outrora durões, até acabam defendendo Auggie de agressores maiores, e eles vêm abraçá-lo como seu “rapazinho”.

Quando Auggie ganha o grande prêmio de final de ano na formatura, é um testamento do poder da humanidade comum. — Emiliana Simon-Thomas

O Prêmio Comunidade e Diversidade: Mulher Maravilha e Pantera Negra (empate)

Filmes que destacam o melhor da humanidade

Embora um filme venha do Universo Marvel e o outro do DC, Pantera Negra e Mulher Maravilha têm uma grande coisa em comum: ambos são sobre a relação de comunidades utópicas isoladas e homogêneas com o mundo mais amplo e mais complexo.

A Mulher Maravilha superpoderosa vem de Themyscira (Ilha Paraíso), lar de uma raça imortal de amazonas que parecem passar seus dias intermináveis balançando espadas, atirando flechas e montando cavalos.

Elas foram criadas pelo deus Zeus para proteger a humanidade, mas parece que elas se tornaram um pouco confortáveis demais em seu paraíso.

Pantera Negra está situado em Wakanda, uma região geograficamente isolada na África Central que foi atingida, uma vez, por um meteoro mágico.

A radiação benevolente do seu metal muta a flora, a fauna e, possivelmente, o povo; isso estimula o desenvolvimento científico e de engenharia que faz de Wakanda a nação tecnologicamente mais avançada da Terra.

Ninguém sabe disso porque – como no caso de Themyscira – Wakanda desenvolve uma camuflagem física e uma política de isolamento radical para evitar a colonização europeia.

Themyscira e Wakanda ilustram a importância da comunidade para o bem-estar humano – e, em muitos aspectos, essas são realmente boas sociedades cujos membros se sentem seguros, cuidados e conectados uns aos outros.

Mas ambas as utopias pagam um custo por sua estabilidade: elas começam a desmoronar quando influências externas chegam na forma do Capitão Steve Trevor em Mulher Maravilha e Killmonger em Pantera Negra.

Desta forma, esses dois filmes de super-heróis têm muito a dizer sobre a tensão entre comunidade e diversidade. E no final, ambos fazem a mesma escolha.

Wakanda decide acabar com seu isolamento, crescer além de si mesmo e trabalhar para tornar o resto do mundo um lugar melhor.

Mulher Maravilha decide que não pode ficar em Themyscira. Em vez disso, ela se torna parte do “mundo do homem”, chutando e socando o mal onde quer que o encontre.

Como T’Challa, o rei de Wakanda, diz na conclusão pensativa de Pantera Negra:

Wakanda não vai mais assistir das sombras. Nós não podemos. Não devemos. Trabalharemos para ser um exemplo de como nós, como irmãos e irmãs da Terra, devemos tratar uns aos outros. Agora, mais do que nunca, as ilusões de divisão ameaçam nossa própria existência. Nós todos sabemos a verdade: mais nos conecta do que nos separa. Mas em tempos de crise, os sábios constroem pontes, enquanto os tolos constroem barreiras. Precisamos encontrar uma maneira de cuidar um do outro, como se fôssemos uma única tribo.”

Pantera Negra e Mulher Maravilha querem mudar o mundo – mas a questão realmente interessante é esta: como o mundo continuará a mudar sua terra natal? — Jeremy Adam Smith

Que filmes você recomendaria por revelar o que há de melhor na humanidade? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Greater Good Magazine escrito por Jeremy Smith.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos que adoram um bom filme!