MINDFUL EATING: já ouviu falar na prática mais saudável que existe?
MINDFUL EATING: já ouviu falar na prática mais saudável que existe?

Mindful eating: já ouviu falar na prática mais saudável que existe?

Uma mistura de saúde com comportamento!

publicidade

Mindful eating é a prática de concentrar toda a atenção no comportamento alimentar do momento.

A alimentação consciente é uma técnica que pode ajudar você a controlar seus hábitos alimentares.

Está provado que ela promove a perda de peso, reduz a ingestão excessiva e ajuda os seus adeptos a se sentirem melhores consigo mesmos.

publicidade

A sociedade em ritmo acelerado de hoje atrai pessoas com muitas opções de alimentos. Além disso, a distração muda o foco do comportamento alimentar real para a TV, o computador e o smartphone.

Comer se tornou um ato banal e geralmente pode ser feito rapidamente. Isso pode ser problemático, porque seu cérebro pode levar até 20 minutos para perceber que você está saciado.

Como funciona o comer consciente?

Alimentar-se de forma consciente significa reparar em toda a experiência sensorial de comer.

Ao fazer uma refeição, perceba:

publicidade
  • Como está sua comida?
  • Qual é o cheiro?
  • Sua textura ou sensação na boca?
  • O som feito enquanto você come?
  • Claro que há um gosto também.
  • Com o que ele se parece?

Também é importante passar algum tempo mastigando bem os alimentos. Ao desacelerar o processo de alimentação, seu alimento já está no processo de digestão antes de ser engolido.

Isso é realmente muito importante para uma boa saúde digestiva.

A alimentação é uma questão de hábito

Você tem o hábito de “comer correndo”? Saiba que isso não favorece nem um pouco a sua saúde.

Havendo a consciência de que é preciso mudar de hábitos, para que isso aconteça de forma prazerosa e efetiva é crucial também estar atento ao momento presente.

publicidade

Sem isso, fica bastante difícil barrar a impulsividade e manter o autocontrole. Praticar mindfulness, ou atenção plena, é observar o fluxo de seus próprios pensamentos e emoções, em vez de agir imediatamente de acordo com eles.

Deixá-los existirem, sabendo que são todos transitórios e impermanentes. É essa clareza que torna os indivíduos livres de serem dominados por emoções negativas e optarem por uma atitude mais positiva, madura e consistente para alcançar os resultados que desejam.

Preste atenção em como você come

Cultivar a atenção ao momento presente é um pré-requisito para planejar a adoção de posturas mais saudáveis.

Para que elas que possam ser, essas sim, depois de bem analisadas, adotadas por nós e desempenhadas de forma automática, com o objetivo de maximizar a boa saúde.

É um desafio permanecer envolvido até mesmo no trabalho diário, especialmente se ficarmos longe da autossatisfação, da compensação temporária relacionada aos “picos” de dopamina que nos dão prazer imediato.

Comer, beber ou fazer sexo podem ser considerados como fugas de emergência que preparamos para nos divertir, por exemplo. São comportamentos que estimulam a dopamina.

Mas, como o Dr. Mihaly Csikszentmihalyi mencionou no livro “Encontrando o Fluxo”, se não evoluirmos na direção de nossas vidas, então nós seremos guiados cegamente por uma série de fatores, desde a carga genética até a nossa cultura.

A participação na vida requer reconhecer a natureza efêmera da situação e agir de acordo.

É importante combinar os seus desejos mais profundos com suas intenções e manter a consistência entre seus pensamentos, emoções e comportamentos.

É isso o que gera o engajamento real.

Este método de atenção plena derivado do budismo foi proposto ao Ocidente de uma forma cientificamente inovadora por Jon Kabat-Zinn no início dos anos 1980.

Ele identificou que a consciência das pessoas sobre os pensamentos e emoções vem do aprendizado e dos exercícios – como tocar um instrumento ou aprender esportes.

A longo prazo, os resultados são benéficos: as práticas de mindfulness reduzem o estresse e a ansiedade, fortalecem a imunidade e reduzem os sintomas de depressão e transtorno obsessivo-compulsivo.

Saiba como as mudanças interferem em sua aliemntação

Além disso, mudanças importantes ocorrem nos circuitos cerebrais relacionados à resposta emocional do ambiente. Especialmente em termos de redução das emoções negativas e aumento da positividade.

As práticas de mindfulness, ou atenção plena, podem ajudar a incorporar novos hábitos inclusive alimentares. É o que se chama mindful eating.

De acordo com o Dr. Brian Wansink, autor do livro “Mindless Diet”, 80% dos alimentos que ingerimos são determinados por outros fatores além da fome real no estômago.

Ele sugeriu que a maioria de nossas decisões alimentares são automáticas ou irracionais.

Existem fatores internos e externos que afetam o que acontece com a nossa fome, como propagandas, a hora do dia, opiniões da família e dos amigos, além de estresse, solidão e tédio.

Benefícios do Mindful eating

Ao comer conscientemente, você pode recuperar a concentração e diminuir o ritmo, tornando a alimentação intencional em vez de automática.

Além disso, ao aumentar sua consciência dos sinais de fome física e saciedade, você pode distinguir entre fome física e fome emocional.

Você pode aumentar sua consciência sobre o que o incentiva a querer comer. Ao compreender o gatilho, você pode criar um espaço entre ele e a resposta, o que lhe dará tempo e liberdade para escolher como reagir.

A alimentação consciente pode ainda reduzir significativamente a gravidade e a frequência dos episódios de compulsão alimentar.

Um estudo descobriu que, após uma intervenção em grupo de 6 semanas para mulheres obesas, o número de episódios de compulsão alimentar caiu de 4 vezes por semana para 1 vez e meia. A gravidade de cada episódio também foi reduzida.

O objetivo da alimentação consciente não é perder peso, embora as pessoas que adotam esse hábito provavelmente o percam. Mas ajudar o indivíduo a saborear o instante e os alimentos e inspirá-los a ter uma experiência alimentar mais gratificante e completa.

A essência do mindful eating

A intencionalidade é a mentalidade a partir da qual essa prática começa. Em outras palavras:

  • O que você valoriza?
  • Qual é o objetivo da sua prática?
  • Como uma compreensão completa do momento servirá para você e sua vida?

Uma vez que a única pessoa que é certo que sempre estará com você, em todos os momentos, até o último dia de sua vida, é você mesmo, torna-se fundamental reconhecer que a forma como você se trata mostra se essa jornada será recompensadora ou penosa.

Pense em que tipo de futuro você deseja ter. O que vem à sua mente? Como você se vê daqui a 20 anos? A escolha é sempre sua.

Se perder peso pode ajudá-lo a ter uma vida mais gratificante, isso é ótimo. Só não seja tão obcecado por esse objetivo a ponto de esquecer sua intenção de participar mais e da vida!