10 incríveis mulheres da filosofia que você talvez ainda não conheça

Às vezes é necessária uma perspectiva diferente para que o progresso seja feito.

publicidade

Quando falamos sobre filósofos famosos, normalmente é uma figura masculina que vem à mente, muito por conta do machismo, que é muito antigo.

Embora uma ótima ideia possa vir de qualquer pessoa, às vezes é necessária uma perspectiva diferente para que o progresso seja feito.

Nessa mentalidade, hoje temos dez das maiores filósofas de todos os tempos.

publicidade

1. Simone de Beauvoir (1908-1986)

As maiores mulheres da filosofia

Como uma existencialista francesa, marxista e mãe fundadora da segunda onda do feminismo, há poucos filósofos que podem segurar uma vela a Beauvoir, embora ela nunca tenha pensado em si mesma como sendo uma filósofa.

Ela escreveu dezenas de livros, incluindo O Segundo Sexo e The Ethics of Ambiguity, e é conhecida por ter um estilo de escrita muito acessível.

Seu trabalho é muitas vezes focado nos assuntos pragmáticos do existencialismo, em oposição ao de seu parceiro de vida, Jean-Paul Sartre.

publicidade

Ela era muito ativa na política francesa, como crítica social, manifestante e membro da resistência francesa.

“A maldição que recai sobre o casamento é que muitas vezes os indivíduos estão unidos em sua fraqueza e não em sua força, cada um perguntando do outro em vez de encontrar prazer em dar.”

2. Hypatia de Alexandria (Nascida em 350–370, falecida em 415 dC)

As maiores mulheres da filosofia

Filósofa e cientista grega, ela foi considerada por muitos de seus contemporâneos como a maior filósofa da época. Sua fama era tal que os alunos percorriam grandes distâncias para ouvi-la falar.

Embora permaneça incerto quanto ao escopo de seus escritos, um problema comum para os autores antigos, concorda-se que ela pelo menos co-escreveu vários trabalhos com seu pai, incluindo extensos comentários sobre a ciência e filosofia gregas.

Ela foi morta por uma multidão cristã como parte de grandes tumultos na cidade, embora haja algumas evidências que sugerem que ela foi assassinada por causa de um trabalho astronômico controverso.

publicidade

“Havia uma mulher em Alexandria chamada Hypatia, filha do filósofo Theon, que alcançou tais realizações em literatura e ciência, a ponto de superar de longe todos os filósofos de seu próprio tempo.” – de Sócrates de Constantinopla

3. Hannah Arendt (1906-1975)

As maiores mulheres da filosofia

Outra grande filósofa que não se considerava uma. A alemã de nascença Arendt, que escapou da França de Vichy para Nova York, escreveu extensivamente sobre o totalitarismo durante sua vida.

Sua obra-prima, As Origens do Totalitarismo, analisa e explica como tais governos chegam ao poder. Da mesma forma, seu livro Eichmann em Jerusalém, considera como a maioria dos homens pode se tornar maus nas condições certas.

Ela também escreveu sobre outros assuntos políticos, como as revoluções americana e francesa, e ofereceu uma crítica à ideia de direitos humanos.

“Sob condições de tirania, é muito mais fácil agir do que pensar.”

4. Philippa Foot (1920-2010)

As maiores mulheres da filosofia

Filósofa inglesa, que trabalhou em Oxford e na UCLA, ela é frequentemente creditada por provocar um renascimento do pensamento aristotélico.

Seu trabalho em ética é extenso e bem conhecido: ela escreveu o dilema do bonde.

Ao longo de sua vida, ela trabalhou com muitos filósofos (incluindo nossa próxima da lista) e influenciou pesadamente muitos filósofos vivos.

Uma coleção de seus ensaios, Virtudes e Vícios, é um documento fundamental para o interesse recentemente revitalizado na ética da virtude.

“Você faz uma pergunta a um filósofo e depois que ele ou ela fala um pouco, você não entende mais a sua pergunta.”

5. G.E.M Anscombe (1919-2001)

As maiores mulheres da filosofia

Uma filósofa britânica, que trabalhava em Oxford e escreveu sobre tudo em que podia colocar as mãos, incluindo lógica, ética, meta-ética, mente, linguagem e crimes de guerra.

Seu maior trabalho foi Intenção, uma série de trabalhos mostrando como o que pretendemos que aconteça tem um grande efeito sobre nossa posição ética.

Seu trabalho inovador, Modern Moral Philosophy, influenciou extensivamente o trabalho ético moderno; foi aqui que ela inventou a palavra consequencialismo.

Ela também debateu muitos pensadores famosos, incluindo Phillipa Foot e foi uma notável manifestante, protestando contra Harry Truman e as clínicas locais de aborto.

“Aqueles que tentam abrir espaço para o sexo como mero prazer casual pagam a penalidade: eles se tornam superficiais”.

6. Mary Wollstonecraft (1759-1797)

As maiores mulheres da filosofia

Filósofa inglesa e escritora popular, foi autora de Uma Reivindicação dos Direitos dos Homens, uma defesa da Revolução Francesa contra Burke; e Uma Reivindicação dos Direitos da Mulher, uma resposta para aqueles que argumentaram contra a educação das mulheres.

Ela foi, de certa forma, a primeira filósofa feminista.

Ela também escreveu vários romances, guias de viagem e um livro infantil. Ela morreu de complicações no parto aos 38 anos. Este nascimento nos deu sua filha, que também era uma escritora notável: Mary Shelly, autora de Frankenstein.

“A virtude só pode florescer entre iguais.”

7. Anne Dufourmantelle (1964-2017)

As maiores mulheres da filosofia

Filósofa e psicanalista francesa, sua filosofia baseava-se na tomada de risco. Particularmente, a noção de que para experimentar verdadeiramente a vida, devemos assumir riscos, muitas vezes consideráveis.

Ela discutiu a noção de “segurança”, que desaprova o risco, deixando um vazio em nossa existência. Ela foi autora de 30 livros, tem muitas palestras interessantes e morreu enquanto vivia plenamente.

“Quando há realmente um perigo a ser enfrentado, há um incentivo muito forte à devoção, à superação de si mesmo.”

8. Harriet Taylor Mill (1807-1858)

As maiores mulheres da filosofia

Esposa de John Stuart Mill, Harriet Mill era uma filósofa por direito próprio. Apesar de publicar poucos trabalhos durante sua vida, sua influência no trabalho do marido é inegável.

Seu ensaio The Enfranchisement of Women é um precursor do trabalho posterior de Mill, A Sujeição das Mulheres, e faz muitos dos mesmos pontos.

A obra-prima de John Stuart Mill, , é dedicada a ela, e por sua admissão parcialmente escrita por ela.

“Todos os meus escritos publicados eram tanto trabalho de minha esposa quanto meus; sua participação neles aumentava constantemente com o passar dos anos.” — J.S. Mill

9. Kathryn Gines (Nascida em 1978)

As maiores mulheres da filosofia

Filósofa da Universidade Estadual da Pensilvânia, Gines escreveu um livro sobre a filosofia de Hannah Arendt.

Filósofa continental, ela escreveu extensivamente sobre a filosofia africana, o feminismo negro e a fenomenologia.

10. Carol Gilligan (Nascida em 1936)

As maiores mulheres da filosofia

A fundadora da escola de cuidados éticos, o trabalho de Gilligan, In a Different Voice, tem sido chamado de “o pequeno livro que iniciou uma revolução”.

Sua obra questiona o valor dos padrões universais de moralidade, tais como justiça ou dever, os vendo como impessoais e distantes de nossos problemas.

Em vez disso, ela propõe que consideremos relacionamentos e nossa interdependência em ações morais.

“Descobri que, se digo o que estou realmente pensando e sentindo, é mais provável que as pessoas digam o que realmente pensam e sentem. A conversa se torna uma conversa real”.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Big Think, escrito por Scotty Hendricks.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!

COMENTÁRIOS | Deixe sua opinião!

comments