Como a neurociência pode te ajudar a ser uma mãe ou pai melhor

Criar filhos não é nada fácil, mas conhecer um pouco de neurociência pode te ajudar.

publicidade

Você não gostaria de poder prever o comportamento de seu filho com 100% de precisão? Qualquer pai ou mãe realista sabe que é um devaneio impossível, mas não deixa de ser atraente.

As crianças sempre irão surpreendê-lo.

Existem muitos fatores que influenciam o comportamento, sem mencionar o fato de que forças internas e externas podem, às vezes, fazer com que as crianças saiam da linha.

publicidade

O que você pode fazer é entender os estágios de seu desenvolvimento neurológico e o que isso significa para seu aprendizado e comportamento.

Acontece que, aqueles pais que entendem bem como nos desenvolvemos neurologicamente, são mais capazes de guiar seus filhos em direção a resultados positivos.

Aqui está um resumo dos estágios do desenvolvimento neurológico e o que eles significam para a criação dos filhos.

Neurociência das crianças

publicidade

O primeiro é o estágio sensório-motor.

Ele é compreendido entre o nascimento e dois anos. Uma criança nesta fase está se acostumando a experimentar o ambiente através de seus sentidos.

Através de tentativa e erro e de experiências com objetos e sensações, ela começa a dominar o mundo ao seu redor.

Por volta de um ano, a criança aprende a permanência do objeto, o conceito de que um objeto continua existindo, mesmo quando deixado o campo de visão.

De acordo com Sarah Lytle, Ph.D., do Instituto de Aprendizagem e Ciências do Cérebro da Universidade de Washington, em Seattle, o que muitos pais não percebem totalmente é que os bebês também estão se desenvolvendo social e emocionalmente.

Como tal, eles geralmente procuram seus pais para obter suporte. Se você já se envolveu com um bebê que não conhecia, pode ter notado que a criança geralmente se volta para seus pais para avaliar como responder.

publicidade

Esse ato é chamado de referência social ou cognição social.

Certifique-se de ser solidário quando a criança fizer isso. Isso permite mais confiança e independência.

A primeira palavra de uma criança é proferida por volta dos seis meses de idade. Para ajudar um bebê a desenvolver habilidades de linguagem ainda mais, lembre-se de que eles seguem seu olhar.

Enfatize com seus olhos, movendo lentamente ao introduzir uma nova palavra.

De acordo com o Dr. Lytle, não há problema em usar um tom de conversa de bebê. Na verdade, estamos geneticamente programados para falar dessa maneira.

Mas certifique-se de usar as palavras corretamente, integralmente e em frases gramaticalmente corretas.

Neurociência das crianças

Dos dois aos seis ou sete anos, a criança entra no estágio pré-operacional.

Aqui, as habilidades linguísticas aumentam.

A criança pode começar a pensar em termos de símbolos, a desenvolver uma compreensão numérica e a compreender a distinção entre passado e futuro.

As crianças nessa idade se saem bem com situações concretas. Conceitos abstratos, no entanto, são difíceis de entender.

É aos dois anos que os humanos ficam impressionados com a ideia de que os outros não veem o mundo como eles. Como os pais de crianças de dois anos sabem muito bem, esse ponto de vista egocêntrico torna difícil para a criança compartilhar e se importar com os outros.

Embora uma pesquisa de 2016 tenha mostrado que a maioria dos pais acha que crianças de dois anos podem controlar suas emoções, os psicólogos dizem exatamente o contrário.

Ter um brinquedo que eles amam na mão para distraí-los quando eles fazem uma birra é provavelmente a melhor estratégia.

Para ajudar a construir a empatia, os pais podem trabalhar no desenvolvimento da teoria da mente de uma criança. Ela é útil para entender a perspectiva dos outros.

Observe que ela não se desenvolve até que a criança tenha três ou quatro anos.

Um exemplo famoso é o “teste de Sally-Anne“.

No teste, uma criança é informada de que Sally tem uma cesta e Anne uma caixa. Sally coloca um objeto em sua cesta e sai para um passeio. Anne pega o objeto e coloca na caixa dela.

É perguntado à criança: “Uma vez que Sally retornar, onde ela vai procurar o objeto?” Se a criança entende o ponto de vista de Sally, ela dirá: “na cesta”.

Outra tática é ler histórias onde a criança tem que se colocar no lugar de um personagem.

Neurociência das crianças

Dos seis ou sete aos 11 ou 12 anos, a criança entra no estágio de operações concretas.

Os sete anos é, supostamente, a idade da razão.

Aqui, a criança pode compreender conceitos abstratos, compreender sequências de eventos e ter empatia com outras pessoas cujas experiências são diferentes das suas.

As crianças nesta fase podem aprender conceitos matemáticos abstratos, mas não são boas em quebrar problemas complexos que exigem raciocínio sistemático.

Lytle sugere ter em mente o desenvolvimento emocional de uma criança nesse estágio.

Os pais muitas vezes não percebem o quanto seus filhos são afetados por brigas conjugais ou por um pai ou mãe sofrendo algo como um surto de depressão.

A partir dos 12 anos de idade, durante toda a adolescência, a criança entra no estágio de operações formais, onde desenvolve maiores capacidades de raciocínio hipotético, raciocínio abstrato e raciocínio dedutivo.

Geralmente, as pessoas têm uma boa compreensão aos 15 anos. Questões morais como justiça social e ideias abstratas, como probabilidades, podem ser entendidas.

Embora para os pais, poucos estágios podem ser tão desafiadores.

Neurociência das crianças

Os adolescentes são muitas vezes mal-humorados e hipersensíveis.

Isso geralmente é atribuído a hormônios, mas também porque o mesencéfalo é altamente ativo nesse estágio. O cérebro se desenvolve de trás para frente.

O mesencéfalo é responsável pela memória, emoção e sexualidade. Você pode se surpreender ao saber que a parte racional do cérebro, o córtex pré-frontal, não está totalmente desenvolvida até os 25 anos.

Ele é responsável por coisas como tomada de decisões, planejamento, controle de impulsos e prevenção de riscos.

Adolescentes são mais propensos a avaliar situações com sua amígdala ou centro emocional. É por isso que eles tendem a ficar sobrecarregados por suas emoções, mas podem ter dificuldade em expressá-las.

Isso também explica sua curva intermitente para comportamento de risco.

Certifique-se de conversar com eles frequentemente sobre drogas e álcool, os riscos de sexo desprotegido e assim por diante, e dê a eles o vocabulário que eles podem usar para evitar pressões sociais.

Quando um adolescente cometer um erro, em vez de repreender ou dar lições de moral, aproveite como um momento de aprendizado. Oriente logicamente.

Diga, nas palavras dele, o que ele deveria ter feito diferente. Isso pode ajudá-lo a desenvolver habilidades de tomada de decisão.

Além disso, procure dar tarefas de lóbulo frontal ou fazer essas tarefas com ele. Dê a ele oportunidades de praticar a solução de problemas, fazer julgamentos ou planejar as coisas.

Faça isso em conjunto ou faça um resumo depois de concluir a tarefa.

Claro, criar filhos não é nada fácil, mas conhecer um pouco de neurociência pode fazer uma grande diferença.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Big Think, escrito por Philip Perry.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!