Traumas de infância: a essência do transtorno de personalidade borderline (TPB)
Traumas de infância: a essência do transtorno de personalidade borderline (TPB)

Traumas de infância: a essência do transtorno de personalidade borderline (TPB)

Entenda como tudo isso nasce e qual caminho deve ser seguido!

publicidade

Os traumas na infância podem causar problemas psicológicos devastadores mais tarde na vida. Desafios interpessoais e transtornos psiquiátricos podem resultar de trauma.

Depressão maior, transtorno do pânico, abuso de substâncias, transtorno de estresse pós-traumático e transtornos alimentares são todos resultados comuns associados a traumas durante a infância, assim como o Transtorno de Personalidade Borderline.

Às vezes, o trauma é óbvio, como quando uma criança perde um dos pais ou passa por um desastre natural. Outros tipos de eventos traumáticos podem ser ocultados mais facilmente, como abuso ou negligência. Independentemente do tipo de trauma ou se é visível, a reação negativa da criança a ele resultará em sintomas observáveis.

publicidade

Como os traumas da infância influenciam a vida adulta

Pessoas com esse transtorno têm 13 vezes mais probabilidade de relatar traumas na infância do que pessoas sem problemas de saúde mental, de acordo com uma pesquisa recente (2019) da Universidade de Manchester. A pesquisa constatou que:

  • 71% das pessoas com DBP admitiram ter passado por pelo menos uma experiência traumática na infância;
  • 48,9% disseram que foram fisicamente negligenciadas na infância;
  • 42,5%  foram submetidas a abusos emocionais;
  • 36,4%  disseram ter sido vítimas de abuso físico e 32% de abuso sexual;
  • 25,3% relataram se sentir emocionalmente negligenciadas durante o crescimento.

O TPB é frequentemente um problema de saúde mental debilitante que torna difícil para alguém controlar suas emoções e impulsos.

O transtorno, muitas vezes associado a lesões autoprovocadas e abuso de substâncias, é difícil de tratar e está associado a custos significativos para os doentes e para a sociedade como um todo.

publicidade

Fatores genéticos e influências ambientais negativas desde a infância são as principais causas do TPB. Uma grande porcentagem de pessoas com essa doença relata ter sofrido abuso durante a infância. Isso inclui abuso sexual e físico, negligência extrema e abandono dos pais e entes queridos.

Ele está associado a várias anomalias neurológicas, todas as quais podem ser atribuídas à confluência da genética e da experiência traumática passada.

Alguns autores sugerem que traços específicos de personalidade da infância podem ser considerados indicadores de que a criança terá TPB quando adulta, bem como algumas condições clínicas:

  • comportamentos disruptivos,
  • perturbação da atenção e regulação emocional,
  • transtornos de conduta,
  • transtornos de uso de substâncias,
  • transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

A identificação precoce dos sintomas tem implicações clínicas importantes em termos de programas de intervenção precoce e garante que os jovens obtenham tratamentos adequados.

publicidade

Para cada 100 pacientes tratados em enfermarias de internação psiquiátrica, 43 terão o transtorno. Pessoas com essa condição são vulneráveis, impulsivas e altamente suscetíveis a críticas – mas enfrentam estigma e discriminação quando procuram atendimento.

São características comuns da condição, assim como a incapacidade de manter relacionamentos estáveis ​​com outras pessoas.

Quais tipos de trauma causam o TPB?

As semelhanças entre o estresse pós-traumático e o TPB são numerosas. Pacientes com ambas as condições têm dificuldade em regular suas emoções; eles experimentam sentimentos persistentes de vazio, vergonha e culpa; têm ainda um risco significativamente elevado de suicídio.

A lista de experiências de infância que tornam uma pessoa vulnerável ao TPB inclui:

  • Abuso emocional;
  • Abuso físico;
  • Abuso sexual;
  • Negligência pelos pais;
  • Separação dos pais (morte ou abandono);
  • Testemunho de abuso dentro da família.

O transtorno fará com que ela:

  • Tenha respostas emocionais mais intensas;
  • Perca o controle de suas emoções com mais frequência;
  • Lute para controlar sua raiva;
  • Tenha falta de empatia e muitas vezes espere o pior dos outros;
  • Reaja com medo e paranoia em situações desconhecidas;
  • Experimente níveis elevados de estresse;
  • Seja propensa a ações arriscadas.

O transtorno de personalidade limítrofe ocorre em famílias. Um indivíduo com pai, filho ou irmão com TPB tem cinco vezes mais probabilidade de ser diagnosticado com o transtorno do que alguém que não tem essa ligação familiar.

Como as crianças ainda estão em um estágio de transição, mental e fisicamente, experiências negativas podem ter um impacto destrutivo em seu curso de desenvolvimento.

Rejeição dos pais ou agressões verbais, desvalorização e negligência afetam a identidade delas, que podem ser diagnosticadas com vários problemas de saúde mental mais tarde na vida, incluindo Transtorno de Personalidade Borderline.

Prevenção e recuperação dos traumas

Proporcionar às crianças o melhor começo de vida é um aspecto fundamental.

Os principais fatores que contribuem para o desenvolvimento da resiliência na infância incluem aprimoramento das habilidades interpessoais, uma sensação de controle sobre as circunstâncias pessoais e fortes vínculos com as tradições e a cultura.

No entanto, o mais forte alicerce de resiliência é  ter relacionamentos estáveis ​​e afetuosos com membros da família ou outros adultos significativos.

Seus impactos podem ser diferente

Um trauma não causa necessariamente efeitos duradouros. Em algumas crianças, porém, o impacto de uma ou mais experiências traumáticas pode levar ao estresse traumático infantil.

Essa é uma reação persistente aos traumas que podem incluir sofrimento emocional, depressão, ansiedade, mudanças de comportamento, dificuldade em desenvolver relacionamentos saudáveis, problemas de desenvolvimento e sintomas físicos como perda de peso ou dor.

Pessoas que desenvolvem TPB têm um temperamento altamente sensível e são reativas emocionalmente, sentindo as coisas mais imediatamente e mais intensamente do que a maioria das pessoas. E, uma vez que uma emoção poderosa é desencadeada, leva mais tempo para retornar à sua base emocional.

Algumas formas de psicoterapia e medicação estabilizadora do humor têm se mostrado eficazes no tratamento e controle do TPB, embora atualmente não haja cura para a doença.

Adultos sobreviventes de abusos na infância representam uma série de desafios para os médicos:

  • o diagnóstico de suas doenças médicas e psiquiátricas é complexo;
  • o relacionamento terapêutico pode ser delicado e crítico para a recuperação;
  • e os tratamentos disponíveis são variados, muitas vezes caros e frequentemente inacessíveis a classes sociais mais baixas.

Rotular esses pacientes como tendo um transtorno de personalidade pode exacerbar sua baixa autoestima. “Transtorno de personalidade” se traduz na mente de muitas pessoas como uma falha e isso pode levar a um sentimento arraigado de inutilidade e autoaversão.

O TPB é uma doença altamente mal compreendida. Se você está vivendo com esse transtorno ou conhece alguém que o possui, reserve um tempo para aprender o que puder. Ao contrário da opinião popular, ele é tratável e aqueles que vivem com a doença podem ter uma vida significativa.

Com suporte contínuo e terapia eficaz baseada em habilidades – especialmente a Terapia Comportamental Dialética – a recuperação do TPB é extremamente provável com o passar do tempo.