A cura para seu vício em tecnologia está onde você menos espera: no tédio

O tédio é útil por nos permitir conhecer a nós mesmos.

publicidade

Como filha única que cresceu antes da ascensão da Internet, o tédio era meu companheiro constante.

Os verões eram uma extensão interminável de andar de bicicleta pela cidade, ler e olhar para o céu, imaginando histórias que mais tarde escrevi em meus diários esfarrapados.

Essa tendência para o tempo de inatividade não programado foi transferida para a idade adulta, e alimentou meu processo de escrita criativa.

publicidade

Então, no final dos meus 30 anos, eu comprei meu primeiro smartphone – e logo, meus períodos sonhadores e ociosos começaram a se encher.

Como escritora freelancer, fazia sentido verificar meu e-mail com frequência. Mas também gostava de navegar na Internet para dar um tempo nos momentos maçantes da criação de filhos. Checar o Facebook foi uma ótima maneira de ficar de olho em amigos distantes.

Em pouco tempo, eu nunca estava entediada: nos correios, na mercearia ou enquanto trocava o óleo.

Nada disso parecia um problema – até que notei uma sensação assustadora de confusão mental e um declínio significativo na minha escrita criativa.

publicidade

Isso ficou claro enquanto estava dirigindo um dia: eu não me deixo mais ficar entediada. Eu me perguntava o quanto isso era ruim para um escritor – ou para qualquer outro tipo de criativo. Então decidi mergulhar na pesquisa sobre os benefícios inesperados do tédio.

A mente vagante

Tédio como cura para o vício em smartphones

Uma das perguntas mais comuns que os escritores recebem é: “De onde você tira suas ideias?”

A melhor resposta para mim é que recebo ideias para histórias durante períodos de pensamento associativo – isto é, deixando minha mente vagar, apenas refletindo.

Por exemplo, há algum tempo, li uma matéria na seção de viagens do New York Times sobre a popular cidade de praia perto de onde cresci. Mencionava um homem que fora amigo do meu pai.

publicidade

No meu caminho para pegar meu filho na escola, comecei a pensar em quanto eu adorava esse homem quando criança, mesmo que raramente o visse.

Ele sempre aparecia com pequenos presentes para mim – copo de praia, chocolate raro – e eu imaginava que ele fosse algum tipo de pirata itinerante. Mais tarde, descobri que ele tinha um passado criminal.

Mas quando criança, eu não tinha ideia; se eu soubesse, não me importaria. De repente, tive uma ideia para um romance que não me abandonava.

De fato, pesquisas sugerem que as pessoas que querem ter ideias criativas fariam bem em deixar suas mentes vagarem.

Um estudo de 2014, publicado no Journal of Experimental Social Psychology, descobriu que pessoas entediadas “são mais propensas a se engajar em busca de sensações” – isto é, procurar atividades ou visões que envolvam suas mentes e estimulem os centros de recompensa do cérebro.

Essas pessoas são mais propensas a “estilos de pensamento divergentes” – a capacidade de criar novas ideias criativas.

“Assim, o tédio pode encorajar as pessoas a se aproximarem das recompensas e estimularem o pensamento associativo”.

Em outro estudo recente, pesquisadores da Universidade de Lancashire Central tentaram testar a ligação entre o tédio e a criatividade.

Eles pediram a 80 participantes que realizassem tarefas chatas, como copiar e ler números de uma lista telefônica e, em seguida, reunir o maior número possível de utilizações para copos de plástico.

Os grupos que completaram as tarefas chatas da lista telefônica antecipadamente apresentaram respostas mais criativas do que o grupo de controle que terminou depois.

Fazer uma tarefa chata (especialmente uma tarefa de leitura)”, concluem os autores, “pode ​​ajudar a chegar a um resultado mais criativo”.

Isso pode ser porque o tédio pode inspirar o “pensamento lateral” – uma forma de envolver sua mente para buscar uma solução mais criativa para o problema em questão, porque o óbvio não é muito interessante.

Portanto, antes de se sentar para escrever, pintar ou fazer um brainstorming de um novo projeto, pode ser inteligente passar algum tempo lavando a louça ou arrancando a grama – o melhor para configurar o seu cérebro para vaguear.

Um incentivo necessário

Tédio como cura para o vício em smartphones

Há outra grande vantagem do tédio: ele nos encoraja a agir em direção a uma alternativa que não seja tediosa.

Como a maioria de nós não gosta de ficar entediado por muito tempo, o sentimento nos motiva a buscar novas metas e experiências que, de outra forma, poderíamos deixar passar.

Se estou entediada enquanto escrevo uma passagem particular de diálogo, por exemplo, posso apostar que os leitores se sentirão da mesma maneira. Melhor desfazer a cena e passar para uma nova.

Rachel Kazez, uma terapeuta baseada em Chicago e fundadora da All Along, que conecta pessoas com recursos de saúde mental, vê o tédio como um conjunto de sinais mentais que podem revelar informações importantes sobre nossos verdadeiros sentimentos.

Uma das pistas que o nosso tédio nos dá pode ser ‘eu não gosto mais disso, ou me sinto preso aqui, ou não estou sendo desafiado’, diz Kazez. “Nesse caso, é útil pois nos permite conhecer a nós mesmos. E é uma sugestão que algo precisa mudar”.

E assim, se nos voltarmos diretamente para Candy Crush ou Twitter sempre que nos sentirmos entediados, poderemos deixar passar uma observação importante.

Um trabalho pouco estimulante pode se tornar mais suportável conversando com seus amigos no Google Hangouts todos os dias, mas o simples fato de você ficar menos entediado pode significar que você está menos motivado para encontrar um novo emprego que realmente o desafie.

E quando você considera que o americano médio dedica cerca de 10 horas e 39 minutos por dia consumindo mídia, aproximadamente 65% das horas em que está acordado, de acordo com um relatório de 2016 da Nielson, há uma boa chance de perdermos algumas reflexões internas.

Este é o seu cérebro em coisas tediosas

Tédio como cura para o vício em smartphones

Armada com esta informação, decidi me reaproximar do tédio. Mas como?

O primeiro passo, segundo os pesquisadores, é adquirir o hábito de se afastar novamente.

Quando nos envolvemos em atividades como mídia social ou compras on-line, ativamos o sistema de recompensa do nosso cérebro – o mesmo caminho que libera sua dopamina e outras substâncias químicas boas quando você toma uma bebida ou usa uma droga.

Quanto mais você realizar uma atividade recompensadora do cérebro, mais o seu cérebro irá almejá-la.

“Quanto mais um comportamento é praticado, mais fortes as conexões neurológicas crescem”, diz Michael Bishop, um psicólogo com experiência em neuropsicologia e fundador do campo de verão para viciados em tempo de tela.

E assim, a melhor maneira de curar um vício em internet é começar a interromper imediatamente as conexões neurológicas.

Toda vez que resistimos ao desejo de pegar o telefone enquanto esperamos na fila ou de ligar o laptop assim que chegamos em casa, estamos dando a nossos cérebros uma chance de descansar e reiniciar, diz ele.

Isso não significa que você tenha que desistir de sua tecnologia. Em vez disso, você só precisa “certificar-se de que você não está usando isso para se distrair”, diz Kazez.

Eu notei que quando fico longe do telefone e da Internet durante o dia, não me sinto tão cansada à noite.

Esse sentimento excessivamente estimulado de desordem mental vai embora – e estou ansiosa para entrar nos mundos de meus personagens fictícios novamente.

Quanto àqueles que se preocupam com o fato de que o tempo longe de nossos telefones significará que não estamos respondendo com rapidez suficiente os e-mails e mensagens, Kazez diz que é hora de reformular as expectativas sociais.

Se você é um americano como eu, provavelmente está familiarizado com a sensação de pressão para estar sempre ocupado e produtivo.

Isso é ótimo para o seu contracheque, mas é uma maneira desafiadora de abordar a criatividade e sua vida interior. “Nem sempre precisamos ser produtivos”, diz Kazez.

Além disso, em nossa fuga do tédio, muitas vezes também estamos fugindo de sentimentos desconfortáveis ​​- que são crus, confusos e nem sempre fáceis de conter.

Quando brigo com um amigo ou recebo más notícias, sou atraída para me distrair com meu telefone como se fosse um cigarro ou uma bebida.

Como essas opções, isso pode me fazer sentir melhor naquele momento, mas não ajuda a aliviar esses sentimentos a longo prazo.

O tédio, ao contrário, é uma oportunidade para atendermos nossas próprias necessidades – para nos voltarmos mais para dentro – ao invés de para fora – e cuidarmos de nossas emoções, interagirmos com nossa criatividade e darmos um tempo aos nossos cérebros.

“É importante ter tempo de inatividade e ter nossas necessidades emocionais satisfeitas apenas existindo”, diz Kazez, “sabendo que somos suficientes exatamente como somos”.

Você também é um pouco viciada(o) em tecnologia? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Quartz escrito por Jordan Rosenfeld.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então compartilhe-o com seus amigos!