Divórcio e crianças: esses motivos (indispensáveis) te farão repensar nessa escolha
Divórcio e crianças: esses motivos (indispensáveis) te farão repensar nessa escolha

Divórcio e crianças: esses motivos (indispensáveis) te farão repensar nessa escolha

Isso é mais importante do que você imagina!

publicidade

O divórcio sempre prejudica os filhos? Não. O divórcio nem sempre prejudica os filhos. 

Em muitos casos, principalmente quando há altos níveis de conflito entre os cônjuges, adultos e filhos ficam em melhor situação após a separação.

É fácil perceber por quê. Quando a mãe e o pai brigam regularmente, isso cria um ambiente tóxico em casa. O divórcio traz alívio do estresse.

publicidade

Porém, para as crianças, a separação e o divórcio podem ser momentos especialmente tristes, estressantes e confusos.

Especialmente quando os pais tinham níveis relativamente baixos de conflito e, de repente, não estão mais juntos.

As crianças podem se sentir chocadas, inseguras ou com raiva

Os filhos percebem o divórcio de maneira muito diferente dos pais.

publicidade

Para os pais, o motivo da separação é óbvio. Mas pode não o ser para as crianças.

Um dia, mamãe e papai estão em casa, geralmente se dando bem, talvez com um pouco de briga ou uma atmosfera ruim, mas não é o fim do mundo.

No dia seguinte, eles se separam.

“O que diabos aconteceu? Fui eu?”

“Ou é assim que os relacionamentos são?”

“Eles simplesmente vão cada um para um lado, sem motivo aparente?”

Esse tipo de pensamento pode sabotar a maneira como as crianças pensam sobre os relacionamentos quando se tornam adultas.

publicidade

Alguns pensamentos comuns dos filhos sobre o divórcio

  • Crianças bem pequenas costumam ter dificuldade de entender por que precisam ficar entre duas casas. Elas podem se preocupar com o fato de que, se seus pais pararam de amar um ao outro, algum dia, seus pais também possam deixar de amá-las.
  • As crianças um pouco maiores, entre 3 e 10 anos, podem temer que o divórcio seja culpa delas. Elas podem achar, ainda, que se comportaram mal ou fizeram algo errado que contribuiu.
  • Os adolescentes podem ficar muito zangados com o divórcio e as mudanças que ele cria. Eles podem culpar um dos pais pela dissolução do casamento ou podem ficar ressentidos com um ou ambos os pais pela dissolução da família.

Torne o bem-estar deles sua prioridade

Existem maneiras de ajudar seus filhos a lidar com a turbulência de uma separação.

Para algumas crianças, a separação dos pais não é a parte mais difícil.

Em vez disso, os fatores de estresse que a acompanham são o que torna o divórcio mais complicado.

Mudar de escola, mudar para uma nova casa e morar com um dos pais, que se sente um pouco mais exausto, são apenas alguns dos fatores de estresse adicionais que tornam o divórcio difícil.

Dificuldades financeiras também são comuns após o divórcio.

Muitas famílias precisam se mudar para casas menores ou mudar de bairro e, geralmente, têm menos recursos materiais.

Saúde mental e problemas de comportamento

Depressão e ansiedade

O divórcio pode aumentar o risco de problemas de saúde mental em crianças e adolescentes.

Independentemente de idade, sexo e cultura, os filhos de pais divorciados têm mais problemas psicológicos do que filhos de pais não separados.

O divórcio pode desencadear um distúrbio de adaptação nas crianças, que se resolve em alguns meses.

Mas, estudos também descobriram que as taxas de depressão e ansiedade são maiores em filhos de pais divorciados.

Conflitos com colegas

Filhos de famílias divorciadas podem ter mais problemas de externalização, como distúrbios de conduta, delinquência e comportamento impulsivo do que crianças de famílias pais casados.

Além do aumento dos problemas de comportamento, os filhos também podem ter mais conflitos com os colegas após o divórcio.

Queda no rendimento escolar

Filhos de famílias divorciadas nem sempre têm um desempenho acadêmico tão bom.

Um estudo publicado em 2019 sugeriu que crianças de famílias divorciadas tendiam a ter problemas com a escola se o divórcio fosse inesperado.

Vai mesmo se divorciar? Saiba como ajudar seu filho

Os pais desempenham um papel importante na maneira como os filhos se adaptam ao divórcio.

Aqui estão algumas estratégias que podem reduzir o preço psicológico pago pelos filhos quando ele acontece.

1. Trate seu ex-cônjuge com educação e respeito

Foi demonstrado que o conflito intenso entre os pais aumenta a angústia dos filhos.

Hostilidade aberta, como gritar e ameaçar, tem sido associada a problemas de comportamento em crianças.

Se você tem dificuldade para ser pai ou mãe ao lado de seu ex-cônjuge, procure ajuda profissional.

A comunicação positiva, o afeto dos pais e os baixos níveis de conflito podem ajudar os filhos a se ajustarem melhor ao divórcio.

Demonstrou-se que um relacionamento saudável entre pais e filhos ajuda os filhos a desenvolverem uma autoestima mais elevada e a terem um melhor desempenho acadêmico após o divórcio.

2. Ensine seu filho a ser forte

Ensine seu filho que, embora seja difícil lidar com o divórcio, ele tem força mental para lidar com isso.

Crianças que duvidam de sua capacidade de lidar com as mudanças, aquelas que se consideram vítimas indefesas, têm maior probabilidade de ter problemas de saúde mental.

3. Seja um porto seguro

Seus filhos têm o direito de saber por que você está se divorciando, mas razões prolixas podem apenas confundi-los.

Escolha algo simples e honesto, como “Não podemos mais nos dar bem”.

Talvez você precise lembrar a seus filhos que, embora às vezes pais e filhos nem sempre se deem bem, pais e filhos não param de se amar ou se divorciam.

O medo do abandono e as preocupações com o futuro podem causar muita ansiedade.

Ajudar seu filho a se sentir amado, seguro e protegido pode diminuir o risco de problemas de saúde mental.

Procure ajuda profissional

Após a separação dos pais, é normal que as crianças lutem com seus sentimentos e comportamento imediatamente depois.

Mas, se os problemas de humor ou de comportamento do seu filho persistirem, procure ajuda profissional.

Comece conversando com o pediatra do seu filho. Discuta suas preocupações e pergunte se seu filho pode precisar de apoio profissional.

Um encaminhamento para psicoterapia ou outros serviços de suporte pode ser recomendado.

A terapia individual pode ajudar seu filho a entender as emoções dele. A terapia familiar também pode ser recomendada para lidar com as mudanças na dinâmica da família.

Com o seu apoio, seus filhos podem não apenas navegar com sucesso por esse tempo perturbador, mas até mesmo sair dele sentindo-se mais amados, confiantes e fortes – e até mesmo com um vínculo mais estreito com os pais.