Apego seguro: concorda que esta é a forma correta de ter bons relacionamentos?
Apego seguro: concorda que esta é a forma correta de ter bons relacionamentos?

Apego seguro: concorda que esta é a forma correta de ter bons relacionamentos?

Como criar laços reais?

publicidade

O vínculo de apego que você tinha com seu cuidador principal quando criança (mãe, pai, avó etc.) continua a influenciar seus relacionamentos como adulto.

Você nasceu pré-programado para se relacionar com uma pessoa muito importante – seu cuidador principal, provavelmente sua mãe.

Como todas as crianças, você era um feixe de emoções, experimentando intensamente o medo, a raiva, a tristeza e a alegria.

publicidade

O apego emocional que cresceu entre você e seu cuidador foi o primeiro relacionamento interativo de sua vida e dependia de comunicação não verbal.

O vínculo que você experimentou com ele ou ela determinou como você se relacionaria com outras pessoas ao longo de sua vida.

Estabeleceu a base para toda a comunicação verbal e não verbal em seus relacionamentos futuros.

publicidade

O autor da teoria do apego: John Bowlby

John Bowlby, psiquiatra inglês, dedicou extensa pesquisa ao conceito de apego, descrevendo-o como uma “conexão psicológica duradoura entre seres humanos“.

Bowlby compartilhou a visão psicanalítica de que as primeiras experiências na infância são importantes para influenciar o desenvolvimento e o comportamento mais tarde na vida.

Além disso, Bowlby acreditava que o apego tinha um componente evolutivo; ele ajuda na sobrevivência.

Segundo ele, a propensão de estabelecer laços emocionais fortes com indivíduos específicos é um componente básico da natureza humana.

publicidade

O apego na idade adulta

Na idade adulta, os estilos de apego são usados ​​para descrever padrões em relacionamentos românticos.

O conceito de estilos de apego cresceu a partir da teoria e da pesquisa do apego que surgiu ao longo das décadas de 1960 e 1970.

Há quatro tipos de apego, segundo os psicólogos:

Apego seguro

Pais: alinhados com a criança; em sintonia com as emoções da criança.
Quando adulta, a pessoa é: capaz de criar relacionamentos significativos; empática; capaz de definir limites apropriados.

Estudos têm mostrado que crianças com apego seguro são mais empáticas durante os estágios posteriores da infância.

Essas crianças também são descritas como menos perturbadoras, menos agressivas e mais maduras do que crianças com estilos de apego ambivalentes ou evitativos.

Adultos com esse tipo de apego apresentam pouca evasão e pouca ansiedade. São confortáveis com a intimidade; não se preocupam com a rejeição.

É fácil para eles se aproximarem dos outros, confiar e ser confiáveis.

Não se preocupam em ser abandonados ou se alguém se aproximar demais deles.

Apego evitante

Pais: Indisponíveis ou rejeitadores.
Quando adulta, a pessoa é: aquela que evita proximidade ou conexão emocional; distante; crítica; rígida; intolerante.

Como adultos, aqueles com apego evitativo tendem a ter dificuldade com a intimidade e relacionamentos íntimos.

Esses indivíduos não investem muita emoção nos relacionamentos e experimentam pouca angústia quando um relacionamento termina.

Frequentemente, evitam a intimidade usando desculpas (como longas horas de trabalho) ou podem fantasiar sobre outras pessoas durante o sexo.

Adultos com um estilo de apego evitante são mais receptivos e propensos a praticar sexo casual.

Outras características comuns incluem a incapacidade de apoiar os parceiros em momentos de estresse e a incapacidade de compartilhar sentimentos, pensamentos e emoções com os parceiros.

Apego ambivalente

Pais: comunicação inconsistente e às vezes intrusiva dos pais.
Quando adulta, a pessoa é: ansiosa e insegura; controladora; culpabilizadora; errática; imprevisível.

Como adultos, aqueles com um estilo de apego ambivalente muitas vezes relutam em se aproximar de outras pessoas e se preocupam que o parceiro não corresponda aos seus sentimentos. 

Isso leva a rompimentos frequentes, muitas vezes porque o relacionamento parece frio e distante.

Esses indivíduos ficam especialmente perturbados após o fim de um relacionamento.

Apego desorganizado

Pais: Ignoraram ou não viram as necessidades da criança; o comportamento dos pais era assustador/traumatizante.
Quando adulta, a pessoa é: caótica; insensível; explosiva; abusiva; desconfiada, mesmo quando anseia por segurança.

Adultos com um estilo de apego desorganizado carecem de uma abordagem coerente em relação aos relacionamentos.

Por um lado, eles querem pertencer. Eles querem amar e ser amados. Por outro lado, eles têm medo de deixar qualquer um entrar.

Eles não rejeitam a intimidade emocional; eles simplesmente têm medo dela.

Os adultos com um estilo de apego desorganizado continuam a ver a figura de apego (antes, seu cuidador, e agora, seu parceiro) como imprevisível.

Eles têm dificuldade em acreditar que seu parceiro irá amá-los e apoiá-los como eles são.

Esses adultos esperam e estão esperando que a rejeição, a decepção e a mágoa cheguem.

Na percepção deles, é inevitável acontecer assim.

Causas dos apegos inseguros

O único apego considerado saudável é o apego seguro.

Os outros três são apegos inseguros e têm diversas causas, como as explicitadas abaixo:

  • Negligência física – má nutrição, exercícios físicos insuficientes e negligência de questões médicas;
  • Negligência emocional ou abuso emocional – pouca atenção dada à criança, pouco ou nenhum esforço para compreender os sentimentos da criança; abuso verbal;
  • Abuso físico ou sexual – lesão física ou violação;
  • Separação do cuidador principal – devido a doença, morte, divórcio, adoção;
  • Inconsistência no cuidador principal – sucessão de babás ou creches;
  • Mudanças frequentes – ambiente em constante mudança; por exemplo: crianças que passam os primeiros anos em orfanatos ou que se mudam de um lar adotivo para outro;
  • Experiências traumáticas – doenças graves ou acidentes;
  • Depressão materna – retirada do papel materno devido ao isolamento, à falta de suporte social ou problemas hormonais;
  • Dependência materna de álcool ou outras drogas – capacidade de resposta materna reduzida por substâncias que alteram a mente;
  • Mãe jovem ou inexperiente – mãe que não tem habilidades parentais.

Sinais de que você tem um estilo de apego seguro (saudável)

Você não sente ciúme de coisas bobas.

Alguém com um estilo de apego seguro raramente sente ciúme do parceiro.

Desde que não haja sinais de que o parceiro foi desleal, uma pessoa com apego seguro não é o tipo que questiona seu paradeiro ou revira telefones. 

Você expressa seus sentimentos sem se sentir desconfortável.

Uma pessoa que aprendeu um estilo de apego seguro enquanto crescia provavelmente foi encorajada a expressar suas necessidades em vez de suprimi-las.

Se seu parceiro tem um estilo de apego seguro, ele não terá problemas em dizer o que está acontecendo na vida dele.

E ele também avisará quando precisar de seu apoio.

Você estabelece limites para os outros.

Para alguém com um estilo de apego seguro, estabelecer limites é apenas uma parte normal da vida. Seus pais provavelmente enfatizaram a importância disso em casa.

Assim, quem tem apego seguro não hesita em falar quando precisa de espaço e sempre diz se algo o estiver incomodando!