Médico recusa a desistir de paciente com prognóstico de 12 anos de vida e hoje ele completa 34

Um grande viva à ciência!

publicidade

Em 1991, Mark e Jeanne Dant receberam um diagnóstico devastador: o único filho do casal, Ryan, na época com 3 anos, tinha uma condição genética rara chamada mucopolissacaridose tipo I, ou MPS I, e não viveria o suficiente para chegar na adolescência.

A notícia foi como um banho de água fria para os pais, moradores do Texas, nos Estados Unidos. A doença rara e que afeta menos de 5 mil pessoas nos EUA não tem cura tem sintomas variados e que afetam diferentes partes do corpo.

No caso de Ryan, os sintomas do menino variavam de uma dor de cabeça constante e intensa a órgãos internos inchados, incluindo fígado e baço. Seu estômago distendia mais do que o dobro do tamanho normal e, muitas vezes, ele perdia o equilíbrio e sofria enrijecimento das mãos e membros.

publicidade

Te interessa?

A família recorreu à solidariedade para arrecadar fundos e ajudar no tratamento do filho.
Créditos: arquivo pessoal.

Porém, apesar do susto inicial, o casal não perdeu por completo as esperanças de encontrar uma cura. Mark então decidiu que o primeiro passo para ajudar seu filho seria arrecadar dinheiro.

O primeiro evento de arrecadação foi uma simples venda de bolos que rendeu US$ 342. Encorajados, os pais fundaram a Fundação Ryan que tinha como objetivo financiar pesquisas médicas para ajudar o garoto e outras pessoas com MPS I.

Com o passar do tempo, no entanto, a saúde do menino piorou cada vez mais. E como em uma história digna de filmes de Hollywood, a salvação apareceu justamente nesse período crítico da doença. Depois de procurarem diferentes médicos ou pesquisadores que pudessem ajudar, os pais entraram em contato com o Dr. Emil Kakkis, um médico-cientista que estudava MPS I e terapia de reposição enzimática no início dos anos 1990.

publicidade
Ryan e a sua esposa, Silvia.
Créditos: arquivo pessoal

A ESPERANÇA NO FIM DO TÚNEL

Com a ajuda da Fundação Ryan e de uma empresa de biotecnologia que também forneceu financiamento, o Dr. Kakkis pôde continuar sua pesquisa que estava parada devido à falta de verbas.

Em 2003, Ryan e outras 10 crianças participaram dos ensaios clínicos de um medicamento chamado aldurazyme. “Tivemos ótimos resultados nos primeiros 10 pacientes e depois de apenas algumas semanas, pudemos ver que seus fígados e baços estavam encolhendo e eles começaram a se sentir melhor”, disse o médico.

publicidade

E que ótimos resultados a pesquisa do Dr. Kakkis deram! Hoje, quase trinta anos depois, Ryan está bem e ainda recebe essa medicação que literalmente salvou a sua vida.

A família de Ryan e o Dr. Kakkis, que ajudou a salvar a vida do garoto.
Créditos: arquivo pessoal.

Graças ao empenho do profissional e seus pais que se recusaram a desistir, ele se formou na faculdade, conseguiu um emprego e se casou recentemente. “Ainda existem alguns desafios médicos, mas estou vivendo a vida ao máximo. Eu não quero que essa doença me impeça de realizar qualquer coisa”, comemorou Ryan.

Uma figura pra lá de importante na família, o Dr. Kakkis participou de todos os grandes momentos da vida do seu paciente, desde as formaturas até o casamento! Um exemplo de pessoa e profissional, ele continua dedicado à sua pesquisa e espera salvar ainda mais vidas no futuro.

publicidade

Vida longa a Ryan e ao Dr. Kakkis!

Clique aqui e aperte o botão " Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Fonte: Inspiremore

O que você achou? Siga @awebic no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar