Professor carrega aluna com pé quebrado para não perder ENEM

Professor herói!

Professor carrega aluna com pé quebrado para não perder ENEM
Professor carrega aluna com pé quebrado para não perder ENEM

O Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) é aguardado com ansiedade por milhares de estudantes brasileiros. Esse é o dia onde seus conhecimentos serão testados e as portas da sonhada faculdade podem ser abertas. 

Apesar dos preparativos, o dia do exame é sempre marcado pelo famoso “show dos atrasados”. Alunos que por algum motivo não conseguem chegar a tempo e são barrados no portão de entrada das escolas.

Esse seria o caso de Leandra Araújo, estudante do ensino médio de 17 anos. Moradora da cidade de Maranguape/CE, sua escola tinha alugado um ônibus para levar ela e outros alunos para serem submetidos a prova.

Te interessa?

Porém, antes do embarque o veículo apresentou problemas mecânicos. Os estudantes ficaram angustiados, em pouco tempo o ônibus foi substituído. 

 

Mas mesmo com a substituição, eles não conseguiram chegar no local de prova com uma margem de tempo. Pelo contrário, chegaram a minutos do fechamento do portão. 

 

Professor carrega aluna com pé quebrado para não perder ENEM
Imagem: Bárbara Moira

 

Desesperados, desceram do ônibus em disparada. A primeira avaliação do exame parecia ser atletismo e eles correram como nunca. Mas a situação era diferente para Leandra. Ela não tinha como correr devido a uma lesão no pé.

Carregada nos braços

Foi então que surgiu um herói não esperado: o professor de português. Vendo a situação dos alunos e o risco dos portões se fecharem, José Francisco do Nascimento, conhecido como Byzzé tomou a aluna nos braços e correu até o portão. Deu certo. Graças a ele a menina chegou a tempo.

“Naquele momento, o que me veio à cabeça foi que eu não poderia deixar nenhum deles para trás. Isso me motivou a ter uma atitude positiva e literalmente carregar a Leandra nos braços. Acredito que faço esse gesto diariamente com todos os alunos, sem que eles percebam. Acompanhei o crescimento de todos os que passaram pela escola e sei o quanto fiz parte da história deles. Vejo em cada um o retrato de sucesso e superação das dificuldades que eu passei quando estudante. Posso dizer que realizo meus sonhos ajudando a realização dos sonhos deles”, disse o professor.

Imagem: Suzete Nocrato

A sua atitude comoveu todos que presenciaram a ação, mas principalmente a sua aluna.

 “Quando o Byzzé me carregou nos braços, me senti importante. Consegui perceber, através dessa atitude extrema, como se preocupam comigo na escola e acreditam que sou capaz” e acrescenta “Nesse momento, meu coração se enche de amor e agradecimento a toda a escola. Principalmente, à minha diretora de turma. Tive vontade de desistir, mas ela e a gestão da escola nunca desistiram de mim”, disse ela.

A diretora da escola ressaltou que a atitude dele não foi momentânea e nem um caso isolado em sua escola. Os educadores estão comprometidos em carregar os alunos até que encontrem o caminho para a realização de seus sonhos.

Não desistimos nenhum instante. O Byzzé representa muito bem os nossos professores, que fazem de tudo para apoiar os estudantes. Mantemos viva a prática de cuidar dos alunos. Não os vemos apenas como números, mas como pessoas que merecem a nossa atenção e carinho”, reflete.

Fonte: O Povo

Veja mais ›
Fechar