A história inspiradora de superação por trás dos livros de Harry Potter

Entenda como foi a trajetória de vida da mulher que deu vida a Harry Potter!

A história inspiradora de superação por trás de Harry Potter
A história inspiradora de superação por trás de Harry Potter

Com certeza você já ouviu falar da saga Harry Potter. A história de vida de J. K. Rowling é uma clássica trajetória da pobreza à riqueza através dos livros. 

Os pais de J. K. Rowling nunca receberam educação universitária, ela viveu por anos com ajuda do governo como mãe solteira e superou uma dúzia de rejeições de editoras para se tornar, quase rapidamente, uma das autoras mais bem-sucedidas e amplamente lidas da história do mundo.

Depois de algumas décadas do primeiro livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, J. K. Rowling transformou o menino bruxo em uma franquia de entretenimento, incluindo livros, filmes, uma peça de teatro, um parque temático e muito mais. 

Veja a seguir como a autora do famoso “menino que sobreviveu” encontrou seu caminho para o sucesso.

As dificuldades de J. K. Rowling quando jovem

Joanne cresceu em Gloucestershire (Inglaterra), e sempre soube que ela queria ser uma escritora. J. K. Rowling estava constantemente escrevendo e contando histórias para sua irmã mais nova, Dianne.

Quando ela tinha nove anos, J. K. Rowling se mudou para perto da Floresta de Dean, que figura com destaque em “Harry Potter e as Relíquias da Morte”, e passou o resto de sua infância lá.

Os seus pais se casaram quando tinham 20 anos e nenhum dos dois frequentou a faculdade. Seu pai era engenheiro aeronáutico na Rolls Royce e sua mãe era técnica em ciências no ensino médio.

J. K. Rowling

No entanto, seus pais, ambos de origem pobre e nenhum dos quais fez faculdade, consideravam que a imaginação dela hiperativa era uma peculiaridade pessoal divertida que nunca pagaria uma hipoteca ou garantiria uma pensão.

A insatisfação pode ser sua melhor aliada para suas REALIZAÇÕES

Uma juventude cheia de dificuldades

J. K. Rowling nunca teve uma vida tão ruim quanto sua criação, Harry Potter, vivendo com os Dursley, mas ela descreveu sua adolescência como cheia de dificuldades.

Quando ela tinha 15 anos, sua mãe foi diagnosticada com esclerose múltipla. Sua mão morreu uma década depois, antes de J. K. Rowling se tornar uma autora publicada. 

Mais tarde, um de seus projetos filantrópicos foi fundar a Clínica de Neurologia Regenerativa Anne Rowling na Universidade de Edimburgo com uma doação de 16 milhões de dólares.

Após se formar na faculdade, ela teve um período de trabalho para a Anistia Internacional. Além disso, a escritora estudou francês na Universidade de Exeter, graduando-se em 1986. 

Seu conhecimento clássico foi usado mais tarde quando ela veio com os nomes dos feitiços da série “Harry Potter”.

J. K. Rowling trabalhou na mesa de pesquisa da Anistia Internacional, fazendo trabalho de tradução. Ela achou o trabalho importante.

A insatisfação pode ser sua melhor aliada para suas REALIZAÇÕES

De professora de inglês ao desemprego

Em 1990, J. K. Rowling começou a planejar a série “Harry Potter“. Em um trem atrasado de Manchester para a estação King’s Cross de Londres, ela teve a ideia de “Harry Potter”. 

Nos cinco anos seguintes, J. K. Rowling delineou os enredos para sete livros da série, escrevendo à mão e juntando fragmentos de anotações em diferentes papéis. 

Separadamente da escrita dos livros, ela também começou a trabalhar em um romance adulto que nunca terminou.

J. K. Rowling

O dia mais traumatizante de sua vida, disse J. K. Rowling, foi no dia de ano novo em 1991, quando sua mãe morreu – Rowling tinha 25 anos.

Aos 26 anos, ela se mudou para Portugal para dar aulas de inglês. Lá, ela se casou e teve uma filha.

Farta do trabalho de secretária, J. K. Rowling se mudou para o Porto, Portugal, e ensinou inglês para alunos. Lá, ela conheceu e se casou  com o jornalista de televisão português Jorge Arantes e teve uma filha, Jessica.

Essa é a melhor forma de trabalhar sua CAPACIDADE de superação

De cafeteria em cafeteria escrevendo Harry Potter

No Porto, ela começou um livro que era sobre um garoto que descobriu que era um bruxo e foi mandado para uma escola de bruxos. Quando ela voltou para a Grã-Bretanha, no final de 1993, ela tinha meia mala cheia de papéis cobertos de histórias sobre Harry Potter.

Ela morava em um pequeno apartamento enquanto ia a cafés para escrever “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. Sem emprego, J. K. Rowling visitou diferentes cafés de Edimburgo e se agachou para escrever seu primeiro romance em uma máquina de escrever. 

É preciso insistir nos seus sonhos!

Muitas vezes ela trazia sua filha, que dormia em um carrinho de bebê ao lado dela. Durante esse período, Rowling viveu do bem-estar do governo.

A experiência ajudou a definir seu ativismo político mais tarde na vida. Além disso, J. K. Rowling frequentemente critica os políticos que tentam reduzir os programas de bem-estar do governo.

Ela também falou sobre como o rótulo de “mãe solteira” a acompanhou ao longo de sua carreira e se tornou a presidente da Gingerbread, uma organização de 100 anos que apoia pais solteiros e seus filhos.

J. K. Rowling

Depressão e o quase suicídio

Não foi um período fácil para J. K. Rowling. Em uma entrevista de 2008 para o Sunday Times, ela disse estar gravemente deprimida e procurou ajuda profissional.

Em outro lugar, J. K. Rowling disse que usou sua experiência de depressão para descrever os Dementadores em seus livros “Harry Potter”.

Rowling participou de sessões de terapia para tratar sua depressão em outros momentos da vida também, ela disse ao The Guardian como durante o período em que ela se tornou muito famosa muito rapidamente.

Por alguns anos, ela realmente se sentia estar em uma esteira psíquica, tentando acompanhar onde estava. Ela teve que fazer de novo quando a vida mudou tão repentinamente – e realmente ajudou. 

Resiliência é a nova felicidade: antes de ser feliz você precisa ser forte

É preciso enxergar uma luz no fim!

Em 1995, J. K. Rowling terminou o primeiro livro de “Harry Potter” e o enviou para as editoras – onde foi totalmente rejeitado.

Como muitos outros autores, J. K. Rowling recebeu muitas cartas de rejeição. Seu livro foi aceito por Christopher Little, um obscuro agente literário de Londres. Assim, Rowling finalmente assinou um acordo com uma pequena editora que a fez escolher um pseudônimo.

J. K. Rowling

Depois de um ano, Little fez um acordo para imprimir 500 cópias do livro Harry Potter e a Pedra Filosofal com a Bloomsbury, uma editora relativamente jovem, e garantiu-lhe um adiantamento de 2.500 libras.

Com isso, a editora previu que os meninos podem não querer ler livros escritos por uma mulher, então sugeriu que ela escolhesse um pseudônimo com duas iniciais. 

O “J” significa Joanne, seu nome verdadeiro. Ela não tem nome do meio, então escolheu “K” para “Kathleen”, que era o nome de sua avó paterna.

A melhor forma de usar seu tempo para ser feliz, segundo a ciência

O sucesso de vendas e o nascimento de uma lenda

Harry Potter e a Pedra Filosofal foi publicado em 1997. Em março de 1999, 300.000 cópias foram vendidas só no Reino Unido. O livro ganhou vários prêmios, incluindo o Nestlé Smarties Book Prize, que é votado por adultos e crianças. 

Já nos Estados Unidos, J. K. Rowling vendeu o livro para a Scholastic, que o distribui sob o título “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, por mais de 100.000 dólares, uma quantia sem precedentes na época. Então ela comprou seu próprio apartamento.

Em 1998, a Warner Bros comprou os direitos do filme dos dois primeiros livros de “Harry Potter”. Harry Potter e a Câmara Secreta”, o segundo livro da série, foi vendido no Reino Unido em julho de 1998, também com grande aclamação e vendas.

Em outubro, J. K. Rowling anunciou que assinou um contrato de sete dígitos com a Warner Bros. para adaptar os livros ao cinema.

Você gostou de saber mais sobre a história de superação de vida de J. K. Rowling? Então não perca mais tempo e compartilhe com os seus amigos e familiares.