Jovem salva crianças de tentativa de sequestro para tráfico sexual

Um jovem herói!

Jovem salva crianças de tentativa de sequestro para tráfico sexual
Jovem salva crianças de tentativa de sequestro para tráfico sexual

Um garoto de 16 anos estava abastecendo o carro em um posto de gasolina quando ouviu gritos no estabelecimento vizinho. Tudo indicava que seria apenas uma briga.

Ele foi até lá pra ver o que era e ao chegar, se deparou com um brutamontes agredindo diversas pessoas para sequestrar três crianças de uma senhora. 

O objetivo dele era pegar as crianças para o tráfico internacional de pessoas. Se obtivesse sucesso, todos sabemos qual seria o fim delas: exploração de trabalho ou sexual. 

Te interessa?

Para alcançar seu propósito o homem batia em várias pessoas que tentavam impedi-los. Ninguém conseguia detê-lo.

A polícia já tinha sido chamada, mas a sua base ficava muito distante e provavelmente não chegaria a tempo. Ele estava prestes a arrombar a porta do local onde a balconista, numa ação desesperada, tinha escondido as crianças.

Mas naquele dia Deus levantou um anjo para proteger aqueles pequenos indefesos: Canaan. O rapaz de apenas 16 anos ao observar a situação, partiu para cima do agressor e o imobilizou até que a polícia chegasse. 

 

Imagem: Courtesy of Troy Bower

 

Sem saber se o raptor estava armado ou não, ele simplesmente golpeou e impediu que a vida daquela família fosse destruída.

O que tinha que ser feito

Ao encontrar o filho herói, o seu pai lhe parabenizou muito. A comemoração do pai foi respondida com um simples “eu fiz o que tinha que ser feito“. 

O jovem demonstrou em toda a sua postura ao acontecido um mar de humildade. Ficou claro que ele não fez aquilo para mostrar força ou aparecer na mídia como um herói.

A ação de Canaan foi do coração e com o propósito exclusivo de salvar a vida daquelas crianças. 

Imagem: Courtesy of Troy Bower

O relato

A história foi contada com detalhes pelo seu pai:

  • Alô? – Atendi uma ligação
  • Canaan ligou para você? – disse minha esposa do outro lado da linha.
  • Não, ele está bem? 
  • Aparentemente, ele é um herói e um exemplo a ser seguido. Ele me ligou para dizer que lutou com um homem que tentava machucar alguns garotos em um posto de gasolina em Dona Ana. Desligamos e agora não consigo falar com ele. 
  • O que?! Vou procurá-lo. 
  • Comecei a ligar para meu filho de 16 anos, que estava de férias da escola na primavera. Após não obter resposta, dirigi os 4 minutos de minha casa até o posto de gasolina. As portas estavam trancadas – ninguém estava entrando. Temendo pela segurança do meu filho, sem saber onde ele estava ou em que condições ele poderia estar, eu estava paranoico e tentando desesperadamente encontrá-lo. Liguei para o posto de gasolina enquanto dirigia pela cidade procurando sua caminhonete. Nenhum sinal de sua caminhonete. Sem resposta em seu telefone. Ele está em um hospital? Talvez ele esteja na delegacia de polícia. Onde quer que esteja, ele precisa de um adulto que esteja ao seu lado e tenha o melhor interesse em mente.
  • Alô? – disse eu ao ligar 
  • Alô? – respondeu a balconista com a voz trêmula, claramente abalada  e sem fôlego.
  • Sim senhora, soube que houve uma situação aí há pouco tempo? 
  • Hum rum – respondeu ela.
  • Disseram que meu filho estava aí e pode ter se envolvido com um cara, possivelmente até lutando contra o ele?
  • Seu filho é alto e forte, com cabelos morenos? 
  • Sim! 
  • Meu Deus, senhor, seu filho… ele foi… seu filho… foi… foi… – continuou ainda com a voz trêmula – incrível! Havia um homem ruim aqui com uma risada maligna tentando sequestrar algumas crianças. Ele não se importava com ninguém. Ele estava machucando as pessoas. Estávamos jogando garrafas nele e nada estava funcionando. Ele nos bateu muito. Sabíamos que a polícia estava muito longe e sabíamos que esse homem iria levar as crianças porque não podíamos impedi-lo. Assim que percebi que as crianças estavam em perigo e que o mal iria vencer, a porta se abriu e seu filho entrou. Ele não hesitou. Ele saltou, dominou este homem e segurou-o até a polícia chegar lá. 
  • Você sabe onde meu filho está? – respondi.
  • Desculpe, não. Ele saiu depois de falar com a polícia.”

 Fonte: Inspire More

Veja mais ›
Fechar