Como a leitura reconfigura seu cérebro para mais inteligência e empatia

A leitura faz com que nossos cérebros treinem através de técnicas de visualização.

publicidade

Manchetes sobre exercícios prometem resultados físicos surpreendentes: uma bunda mais firme, um abdômen rasgado, um bíceps protuberante.

As inovações nutricionais são clickbaits semelhantes, chamam atenção e são, muitas vezes, inautênticas – afinal, o que é um “superalimento”? – maneiras de alcançar melhor saúde.

Estranhamente, um tópico que geralmente escapa à discussão também pode nos tornar animais mais saudáveis, mais inteligentes e mais empáticos: a leitura.

publicidade

Ler, claro, requer paciência, diligência e determinação. A leitura de manchetes e tuítes engraçadinhos não fará muita diferença cognitiva.

Essas gracinhas inúteis inclusive são perigosas, podendo ser consideradas o equivalente literário do vício em açúcar.

A coleta de informações em menos de 140 caracteres é preguiçosa. Os benefícios da contemplação através da narrativa oferecem outra história.

Os benefícios são muitos, o que é especialmente importante em uma era de smartphone distraída, na qual um quarto das crianças americanas não aprende a ler.

publicidade

Isso não só as coloca em risco social e intelectualmente, mas as prejudica cognitivamente para a vida.

Um estudo de 2009, com 72 crianças de oito a dez anos, descobriu que a leitura cria uma nova substância branca no cérebro, o que melhora a comunicação em todo o sistema.

A matéria branca transporta informações entre regiões da matéria cinzenta, onde qualquer informação é processada. A leitura não apenas aumenta a matéria branca, mas também ajuda a processar as informações de maneira mais eficiente.

Leitura inteligência e empatia

Ler em um idioma tem enormes benefícios.

publicidade

Adicione uma língua estrangeira e não apenas as habilidades de comunicação melhoram – você pode conversar com mais pessoas em círculos mais amplos – mas as regiões do seu cérebro envolvidas na navegação espacial e o aprendizado de novas informações aumentam de tamanho.

Aprender um novo idioma também melhora sua memória geral.

Em um dos aspectos mais fascinantes da neurociência, a linguagem afeta regiões do cérebro que envolvem ações sobre as quais você está lendo.

Por exemplo, quando você lê “sabão” e “lavanda”, as partes do seu cérebro implicadas no cheiro são ativadas.

Essas regiões permanecem em silêncio quando você lê “cadeira”. E se eu escrevesse “cadeira de couro”? Seu córtex sensorial acabou de disparar.

Continuando a partir do parágrafo de abertura, vamos discutir agachamentos em sua busca por um bumbum mais firme.

Imagine a biomecânica necessária para um agachamento. Seu córtex motor foi ativado.

Atletas há muito tempo imaginam seus movimentos – o saque de Serena Williams; os chutes de Conor McGregor; as explosões de velocidade de Usain Bolt – para obter melhor proficiência enquanto realmente se movimenta.

Isso acontece porque seus cérebros estão praticando. Isto é, eles estão praticando através de técnicas de visualização.

Leitura de romance é uma ótima maneira de praticar ser humano. Em vez de sprints e socos, que tal algo mais primitivo e necessário em uma sociedade, como a empatia?

Leitura inteligência e empatia

À medida que você mergulha mais nas loucuras de Rabbit Angstrom ou em Jason Taylor quando atinge a maioridade, você não apenas sente sua dor e alegria. Você realmente as experimenta.

Isso tem implicações profundas sobre como interagimos com os outros.

Ao encontrar um menino de 13 anos se comportando mal, você provavelmente não pensará: “Bem, David Mitchell escreveu sobre tal situação, e então eu deveria me comportar assim”, mas você pode ter integrado algumas das lições sobre jovens meninos imaginando a vida e mostrando uma compreensão mais sutil de como você reage.

Talvez você até mesmo reconsidere a possibilidade de vasculhar alguém on-line a respeito de sua opinião política, lembrando que, não importa o quão grosseiro e desumano um sentimento apareça na tela, um humano de verdade está sentado atrás do teclado digitando seus pensamentos.

Não estou argumentando contra o engajamento, mas pelo amor de qualquer coisa que se assemelhe à humanidade, argumente com inteligência.

Porque a leitura nos torna, de fato, mais inteligentes. Pesquisas mostram que a leitura não apenas ajuda na inteligência fluida, mas também na compreensão de leitura e na inteligência emocional.

Você toma decisões mais inteligentes sobre você e as pessoas ao seu redor.

Todos esses benefícios exigem, na verdade, leitura, o que leva à formação de uma filosofia e não à regurgitação de uma agenda, tão prevalente em repostagens e trolls on-line.

Reconhecer as intenções de outro ser humano também desempenha um papel na construção de uma ideologia. Os romances são especialmente adequados para essa tarefa.

Leitura inteligência e empatia

Um estudo de 2011 publicado na Revisão Anual de Psicologia encontrou sobreposição em regiões do cérebro utilizadas para compreender histórias e redes dedicadas a interações com os outros.

Romances consomem tempo e atenção. Enquanto os benefícios valem a pena, até mesmo trechos curtos de prosa exibem efeitos neurológicos profundos.

A poesia provoca fortes respostas emocionais nos leitores e, como mostra um estudo, os ouvintes. Os batimentos cardíacos, as expressões faciais e o “movimento da pele e dos pelos dos braços” foram medidos enquanto os participantes ouviam poesia.

Quarenta por cento acabaram exibindo arrepios visíveis, como se estivessem ouvindo música ou assistindo a filmes.

Quanto aos seus crânios:

Suas respostas neurológicas, no entanto, pareciam ser exclusivas da poesia: varreduras feitas durante o estudo mostraram que a escuta dos poemas ativou partes do cérebro dos participantes que, como outros estudos mostraram, não são ativados quando se ouve música ou se assiste a filmes.

Essas respostas ocorreram principalmente perto da conclusão de uma estrofe e especialmente perto do final do poema.

Isso se encaixa bem com nossa necessidade inerente de narrativa: na ausência de uma conclusão, nosso cérebro automaticamente cria uma, o que, naturalmente, leva a muitos desgostos e sofrimentos quando nossas especulações provam ser falsas.

Seja um verso de Amiri Baraka ou uma trilogia de Margaret Atwood, a atenção é importante.

Leitura inteligência e empatia

Pesquisas em Stanford mostraram uma diferença neurológica entre ler por prazer e leitura focada, como se fosse um teste.

O sangue flui para diferentes áreas neurais, dependendo de como a leitura é conduzida. Os pesquisadores esperam que isso possa oferecer pistas para o avanço dos métodos de treinamento cognitivo.

A leitura é como qualquer habilidade. Você tem que praticá-la regularmente e constantemente.

Embora seja difícil dizer se a leitura me tornou mais inteligente ou uma pessoa melhor, eu gosto de imaginar que isso é verdade.

O que eu sei é que a vida pareceria um pouco menos significativa se não compartilhássemos histórias uns com os outros.

Embora existam muitos meios para transmitir narrativas através do espaço e do tempo, não encontrei nada tão agradável quanto abrir um novo livro e me perder em uma história.

Algo profundo é sempre descoberto ao longo do caminho.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Big Think, escrito por Derek Beres.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!

COMENTÁRIOS | Deixe sua opinião!

comments