Médico francês de 98 anos atende pacientes carentes há 70: 'Eles me fazem querer continuar'
Médico francês de 98 anos atende pacientes carentes há 70: 'Eles me fazem querer continuar'

Médico francês de 98 anos atende pacientes carentes há 70: ‘Eles me fazem querer continuar’

“Na minha idade, se você passar o tempo assistindo TV e cochilando, não vai sobreviver por muito tempo”, pontuou o médico.

publicidade

No mês passado, o médico francês Christian Chenay comemorou seu 98º aniversário. Ele não poderia estar mais disposto e ativo. Até aqui, são sete décadas de serviço e dedicação à Medicina.

Desde a década de 50, Chenay ajuda pessoas em situação de vulnerabilidade nas ruas de Paris, especialmente moradores de rua e famílias de baixa renda.

Em alguns dias da semana, a sala de espera do médico fica tão cheia que os pacientes fazem fila do lado de fora, dando volta no quarteirão.

publicidade

Muitas pessoas de bairros periféricos distantes viajam de madrugada e chegam às quatro horas da manhã para garantir um lugar na fila.

Este médico é muito querido porque ele leva tempo para ouvir você, ele te acalma”, afirma Yamina Derni, 63, que fez um tratamento bem-sucedido contra um tumor. “Você nem percebe a idade dele.

O Dr. Christian é o médico mais velho de toda a França. “Eu não poderia desistir do trabalho”, disse ele em seu pequeno consultório na região de Chevilly-Larue.

publicidade

Ele concedeu uma entrevista ao portal The Guardian após atender uma série de pacientes, incluindo uma criança com deficiência e uma hipertensa.

Como posso parar  [de trabalhar] quando há apenas três médicos nesta área para uma população de 19 mil pessoas?”, questionou. “Continuo fazendo isso pelos meus pacientes, principalmente pelos mais velhos, que gosto de motivar“, afirma o idoso, que também credita o fato de continuar atendendo ao fato de querer permanecer ativo.

Para o Dr. Christian, parar de trabalhar é sinônimo de ‘decaimento’. “Na minha idade, se você passar o tempo assistindo TV e cochilando, não vai sobreviver por muito tempo“, pontua.

A realidade do médico nonagenário contrasta com a reputação da França de ter um dos melhores sistemas de saúde do mundo.

publicidade

Os pacientes de Chenay são prova viva de que a desigualdade do serviço é muito maior do que aparenta e afeta negativamente dezenas de milhares de pessoas.

Enquanto essa desigualdade não for sanada, o médico de 98 anos é claro: continuará trabalhando até não poder mais.

A rotina ao longo dos últimos setenta anos não mudou muito: ele acorda diariamente às 6h30, atende os pacientes de seu consultório e uma vez por semana, cuida dos internados de um asilo religioso da capital francesa.

Trata-se de uma carga horária pesadíssima para um senhor quase centenário: são 60 horas semanais dedicados à profissão.

Ele é o único médico da área que aceita pacientes sem consulta. Uma folha de papel e um lápis são fixados na parede da sala de espera, onde as pessoas escrevem seus nomes de acordo com a ordem de chegada.

Quando perguntado sobre como é viver bem e superativo na velhice, Christian disse:

Nunca fumei, bebi ou usei drogas. Então, eu diria para evitar essas três coisas. Nunca pare, mantenha-se ativo. A chave é aprender a lidar com o estresse. Você não pode evitar o estresse – o organismo precisa dele para desenvolver mecanismos de defesa – mas você pode aprender como administrá-lo. Faça disso uma rotina: sempre que você tiver algum tempo livre, mesmo cinco minutos, certifique-se de sentar por um momento e realmente relaxar”.

Por fim ele crava: não teme o estado de sua própria saúde. “Não há razão para me estressar na minha idade porque tenho uma chance em cinco de não acordar de manhã”, concluiu.

Fonte: The Guardian

Compartilhe o post com seus amigos!