Violino vira escudo e protege rapaz de bala perdida

A música salvando vidas, literalmente.

Violino serve de escudo e protege rapaz de bala perdida
Violino serve de escudo e protege rapaz de bala perdida

Carlos Samuel Galvão, de 20 anos, passou por um momento que com certeza jamais esquecerá em toda sua vida e que ele fará ter ainda mais amor pelo seu instrumento.

Quando mais novo, Carlos não sabia exatamente o que poderia fazer da sua vida para ser uma pessoa melhor e se tornar diferente de muitas pessoas que moram em sua comunidade, Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Para ele, participar da Ação Social pela Música do Brasil que lhe ensinaria a amar a música era uma incerteza que estava começando ali mudar aos poucos. Hoje, suas escolhas são mais que certas, como disse:

Te interessa?

“Costumo dizer que foi fundamental para a minha trajetória. Antes da música, eu não sabia o que fazer. Sabia que ia crescer, arrumar emprego e ser mais um trabalhando em uma área que não gosta. Mas quando me encantei pelo violino, descobri que ia ser nele que eu ia trabalhar com o que gosto”.

Violino serve de escudo e protege rapaz de bala perdida
Violino serve de escudo e protege rapaz de bala perdida

Foi graças ao mesmo projeto que ele conseguiu se tornar um dos participantes da Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro, por ser um dos alunos destaques.

O que ele não esperava, era ver a música lhe salvar de forma literal durante um tiroteio em que por pouco uma bala perdida quase lhe acerta.

Violino serve de escudo e protege rapaz de bala perdida

A música salvando vidas

Quando estava indo para aula de música, uma bala quase lhe atingiu chegou a se alojar no violino que estava carregando. Para ele, mais uma vez o violino lhe salvou e dessa vez foi literalmente.

Hoje, a certeza que tem é que essa foi a melhor escolha que fez e que esse é o caminho certo que sempre quer seguir. E disse mais:

“Se não estivesse com o violino, eu seria só mais um nas estatísticas. Ia passar na reportagem que houve um ataque de criminosos fortemente armados, a mesma história de sempre, por um ou dois dias falariam sobre o assunto e depois iriam abafar o caso. Não ia acontecer nada, como sempre”.

Violino serve de escudo e protege rapaz de bala perdida

O que aconteceu naquele dia

Segundo a Polícia Militar do Rio de Janeiro, o que houve naquele dia foi um ataque a tiros contra a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Macacos. Encaminhando uma nota o canal de notícias da BBC, eles esclareceram que:

Os suspeitos fugiram e, após estabilizado o terreno, foram encontrados um estojo calibre 9mm, munições 5.56, um rádio comunicador. O material apreendido foi encaminhado à 20ºDP, onde a ocorrência foi registrada”.

Fonte: BBC

Veja mais ›
Fechar