Estudantes fazem ação especial para idoso que trabalhava há 43 anos de frente a escola

Estudantes fazem ação especial para idoso que trabalhava há 43 anos de frente a escola

Além de receber apoio agora, essa experiência será levada para toda sua vida!

publicidade

A nossa rotina sempre pode nos trazer pessoas incríveis. Muitas delas não precisa nem fazer muita coisa para conquistarem o nosso carisma. A história desse senhor que dedicou décadas de suas vidas ao trabalhar de frente a uma escola, chegou a comover a todos que passaram a lhe conhecer.

Cícero Bezerra é um vendedor ambulante, que passou 43 anos de sua vida, trabalhando de frente a uma escola particular no litoral de Santos, no estado de São Paulo. Hoje estando com 60 anos de idade, sempre carrega as experiências que recebeu, com essa forma de trabalho gratificante ao conhecer vários jovens todos os anos.

O idoso sempre vendeu pastéis e todo o seu lucro, era responsável por manter o sustento de sua família. Dessa forma, por causa das medidas estabelecidas pelas autoridades para parar as aulas presenciais, seu Cícero não pode mais sair para trabalhar, já que não haveria mais alunos para contribuir com suas vendas.

publicidade

Sendo apoiado por um ex-aluno que trabalha como advogado, André Afonso, de 35 anos compartilhou com um idoso uma ideia para pedir ajuda durante essa pandemia. O advogado e sua esposa, decidiu fazer uma produção de vídeo e compartilhar a situação do vendedor.

“Todos os que estudam lá o conhecem e gostam muito dele. Sempre trabalhou muito e mostrava dedicação pelo que faz”, contou o advogado que tanto carregou estima pelo senhor humilde. E ao saber da dificuldade que seu Cícero estava passando por não conseguir levar o seu carrinho de pastel para trabalhar, promoveu essa ideia e garantiu ao amigo que estaria compartilhando o máximo possível.

Estudantes fazem ação especial para idoso que trabalhava há 43 anos de frente a escola

Um verdadeiro exemplo de homem trabalhador, que procurou ter o seu sustento e manter a sua família desde os seus 17 anos, vendendo pastéis com o seu carrinho, se dirigindo sempre a mesma escola. E como chegamos a esclarecer mais acima assim como para milhares de brasileiros, as coisas complicaram mais um pouco para seu Cícero.

publicidade

Ainda que recebesse a assistência do governo, chegou a contar que sua mulher também estava sem trabalhar e que o valor não era o suficiente para se manterem bem.  Contou: “Parei de trabalhar há mais de três meses. Usei a reserva para pagar as contas, mas o dinheiro já acabou. Sempre me mantive com o dinheiro do meu trabalho, então a pandemia foi um momento de muita tristeza e desespero pra mim”.

Logo em seguida, quando começou a compartilhar seu vídeo, chegou a ficar super emocionado, ao ver quantas pessoas cativou nos últimos anos, apenas sendo uma boa pessoa enquanto trabalha. A própria escola em que trabalhava perto, deu uma força e também compartilhou o pedido de ajuda.

Agora, as coisas estão começando a melhorar bastante para seu Cícero e sua família. Dizendo que não conseguiu conter as lágrimas, o reconhecimento dos pais, alunos e até mesmo os ex-alunos no exterior, que trouxeram esse reconhecimento e carinho, ele deu força suficiente para seguir em frente.

Fonte: G1

COMENTÁRIOS | Deixe sua opinião!

comments