in

O método de Isaac Asimov para ser uma “máquina” de ideias inovadoras

Gênio e recheado de ideias inovadoras, Isaac Asimov pode ser perfeitamente descrito como prolífico.

Para alcançar o número de romances, cartas, ensaios e outras obras que Asimov produziu em sua vida, você teria que escrever um romance completo a cada duas semanas durante 25 anos.

Por que Asmimov foi capaz de ter tantas ideias inovadoras quando o resto de nós parece ter apenas uma ou duas ao longo da vida?

Para descobrir, examinei a autobiografia de Asimov, “It’s Been a Good Life”.

Asimov não nasceu escrevendo 8 horas por dia, 7 dias por semana. Ele rasgou páginas, ficou frustrado e falhou repetidas vezes. Em sua autobiografia, Asimov compartilha as táticas e estratégias que desenvolveu para nunca mais ficar sem boas ideias.

Vamos roubar tudo o que podemos.

1. Nunca pare de aprender.

isaac asimov como ter ideias inovadoras
Quantas ideias inovadoras saíram desta mesa? Crédito: Mass Moments.

Asimov não era apenas um escritor de ficção científica. Ele tinha doutorado em química na Universidade Columbia. Ele escreveu sobre física. Ele escreveu sobre a história antiga. Caramba, ele até escreveu um livro sobre a Bíblia.

Por que ele foi capaz de escrever tão amplamente em uma época de especialização míope?

Ao contrário dos “profissionais” modernos, o aprendizado de Asimov não terminou com um diploma:

“Eu não poderia escrever a variedade de livros que consegui fazer com base apenas no conhecimento que adquiri na escola. Eu tive que manter um programa de autoeducação contínuo. Minha biblioteca de livros de referência cresceu e descobri que tinha que suar sobre eles em meu medo constante de que eu pudesse entender mal um ponto que para alguém conhecedor do assunto seria ridiculamente simples.”

Adicionar APP Awebic

Avatar

Written by Charles Chu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como descobrir sua Jornada do Herói e seguir a história da sua vida

O que significa pensar “fora da caixa”?