7 MITOS sobre a sexualidade feminina que toda MULHER deveria saber 

Descarte algumas “verdades absolutas” impostas pela sociedade!

7 MITOS sobre a sexualidade feminina que toda MULHER deveria saber 
7 MITOS sobre a sexualidade feminina que toda MULHER deveria saber 

Existem alguns mitos sobre a sexualidade da mulher que se difundiram com muita intensidade e a tanto tempo que acabaram sendo encarados como verdades pela sociedade e pela maioria das mulheres.

Acreditar em muitas delas é um erro grave, afinal, cada pessoa é única, e o desejo sexual é algo muito complexo para ser enquadrado em regras.

Desde a mitologia grega o prazer feminino e as interações com o masculino sempre foram motivos de polêmica.

Zeus e Hera (que na mitologia romana representam Júpiter e Juno) teriam discutido calorosamente sobre quem ficava mais satisfeito na cama, os homens ou as mulheres

Para chegar em um consenso sobre a questão, decidiram escutar a opinião de Tirésias. Ele era um mortal que havia sofrido um encanto e por isso tinha vivido experiências sendo cada um dos dois gêneros

Para a fúria da deusa guardiã dos casamentos, Tirésias testemunhou que as mulheres sentiam muito mais prazer. A divindade então resolveu o punir com a cegueira. 

Onde está o prazer verdadeiro?

Embora com o passar dos anos a discussão tenha se tornado mais tênue, ela ainda continua bastante frequente. Quando não se fala a respeito da intensidade do prazer, as pessoas discutem sobre os motivos que o despertam e como se manifestam em cada indivíduo. 

Contudo, ao separar toda a sociedade em apenas dois únicos grupos, fica praticamente impossível não provocar uma generalização grosseira.

O pior é que, com o passar dos anos, esses preconceitos e as cargas culturais ultrapassadas acabam se “reafirmando” como verdades incontestáveis de tão repetidos nas conversas entre amigos, nos meios de comunicação e nas artes. 

O fato é que, a repressão sexual da mulher é algo histórico.

Isso faz com que a expressão desse gênero, em especifico nessa área da vida, seja cheia de regras e limitações impostas por fatores externos. 

Quando a mídia nos vende o modo como o sexo “deve ser”, as pessoas cuja a vida sexual não condizem a essa noção, acabam se sentindo desconfortáveis.  

A autora australiana Rachel Hills decidiu entrevistar mais de 200 homens e mulheres no Reino Unido, Canadá, nos Estados Unidos e na Austrália. Sua pesquisa visava diferenciar o que as pessoas dizem com o que de fato acontece entre quatro paredes.

Durante a pesquisa, uma frase chamou sua atenção por ser repetida várias vezes. As mulheres afirmavam que se sentiam como “homens” no que diz respeito ao sexo.

Elas queriam dizer que tinham muito desejo sexual e desejavam manter relações mesmo se não estivessem em um relacionamento fixo. 

Parando para pensar, se existem tantas mulheres que se sentem dessa forma, não seria correto afirmar que isso também é ser “como uma mulher” no sexo? Neste artigo vamos aprender a derrubar esse e outros mitos que ainda cercam a sexualidade feminina: 

1 – O desejo masculino tem vínculo com estímulos visuais, mas o da mulher não! 

Você já deve ter escutado por aí que os homens ficam muito mais excitados com o que veem enquanto para as mulheres existem uma série de fatores que influenciam na química. 

É obvio que o clima, a voz e a inteligência do parceiro são primordiais, mas isso não significa que para elas o fator de atração não passe pela questão visual.

Estamos vivendo uma era digital e se você for parar para analisar, os aplicativos de relacionamento estimulam você a conhecer o par a partir da foto, o que gera a primeira impressão. 

Nas relações de longas datas, a atração física pode ser fundamental para reacender o desejo que os anos tendem esfriar. 

2 – Mulheres sempre necessitam das preliminares para sentir prazer 

O grande problema aqui é o “sempre”. Não existem regras para o prazer feminino. As preliminares são incríveis, mas não são uma regra, entenda isso de uma vez por todas.

Se a relação parte de uma fantasia sexual, por exemplo, a mulher pode optar por descartar as preliminares e partir para o que interessa. 

3 – Será que tamanho é documento? 

Na hora do sexo o mais importante é o atrito e a lubrificação! Contudo, os centímetros podem ser um fator a ser considerado. Isso porque o órgão genital masculino estimula as terminações nervosas femininas, levando aos momentos de prazer. 

Quando o pênis é muito pequeno ou fino não consegue preencher o canal vaginal e não provoca esse atrito. Por outro lado, quando ele é grande demais, pode machucar. No fim das contas, tudo depende da performance do seu parceiro ou de nada vai adiantar seu esforço. 

4 – Mulheres só se sentem à vontade para fazer sexo com amor 

Essa é mais uma visão ultrapassada, de quando se esperava que as mulheres servissem apenas para serem mães e esposas exemplares. Isso fez a sociedade enxergar o sentimento como algo que autorizasse o sexo. 

É muito bom quando sexo e amor caminham juntos, mas isso é um privilégio para poucos. Amando ou não, a verdade é que todas as pessoas têm necessidades sexuais e independentemente de status de relacionamento merecem desfrutar do prazer. 

5 – A masturbação é a única forma de garantir autoconhecimento corporal 

Embora esse ato também sirva para descobrir mais sobre o próprio corpo e seus desejos, não é essa a principal função da masturbação.

Afinal, ninguém pratica isso como se fosse um dever de casa e esse discurso apenas serve para trazer uma sensação de “permissão” para que as mulheres explorem seus corpos sem que se sintam culpadas. 

6 – As mulheres têm mais dificuldades em chegar ao orgasmo 

Ao contrário dos homens, as mulheres possuem um órgão especifico para trazer prazer. O clitóris possui cerca de 8 mil terminações nervosas e isso significa o dobro das encontradas no pênis. 

Mesmo com tudo isso ao seu favor, uma pesquisa da USP, mostrou que apenas 55% das mulheres chegam ao orgasmo durante as relações sexuais.

Isso porque a falta de conhecimento sobre o corpo e o mal entrosamento com o parceiro podem criar uma barreira sobre isso. 

7 – A vida sexual das mulheres encerra com a chegada da menopausa 

Diferente do que muitas pessoas afirmam, a mulher pode sim ter uma vida sexual plena após a menopausa! Inclusive, nessa etapa da vida, as mulheres já podem contar com mais conhecimento e experiências sobre seu próprio corpo e isso facilita o prazer. 

publicidade